TJSP mantém condenação por abandono de idoso e apropriação indevida de aposentadoria

Data:

abandono moral e afetivo de idoso
Créditos: utah778 / iStock

A 13ª Câmara de Direito Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) decidiu manter a sentença da 3ª Vara Criminal de Araraquara, proferida pelo juiz Roberto Raineri Simão, que condenou um homem por abandono de idoso e apropriação indevida de valores de aposentadoria. A pena estabelecida foi de dois anos, sete meses e seis dias de detenção, substituída por penas restritivas de direitos.

Segundo os registros do processo, o réu deixou a tia, uma mulher de 94 anos, em uma casa de cuidados sem pagar as mensalidades devidas ou fornecer os medicamentos necessários para seu tratamento de saúde. Durante aproximadamente um ano, ele também se apropriou do dinheiro proveniente da aposentadoria da vítima.

maus tratos
Créditos: Halfpoint | iStock

O relator do recurso, Adilson Paukoski Simoni, ressaltou que a defesa do acusado não apresentou quaisquer elementos que pudessem desqualificar as provas acusatórias. Além disso, as condutas praticadas pelo réu estão claramente definidas no Estatuto da Pessoa Idosa.

"Ficou claramente demonstrado o dolo do réu nas ações cometidas, as quais estão claramente previstas nos artigos 98 (abandono de pessoa idosa em instituições de saúde ou assemelhadas, ou a falta de provisão de suas necessidades básicas, quando obrigado por lei ou por ordem judicial) e 102 (apropriação ou desvio indevido de bens, proventos, pensão ou qualquer outro rendimento da pessoa idosa, utilizando-os de forma diferente de sua finalidade), ambos do Estatuto da Pessoa Idosa. Não há espaço para argumentar sobre a atipicidade das condutas ou a falta de provas", enfatizou o relator.

Com informações do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP).


Você sabia que o Portal Juristas está no FacebookTwitterInstagramTelegramWhatsAppGoogle News e Linkedin? Siga-nos!

Notícias, modelos de petição e de documentos, artigos, colunas, entrevistas e muito mais: tenha tudo isso na palma da sua mão, entrando em nossa comunidade gratuita no WhatsApp.

Basta clicar aqui: https://bit.ly/zapjuristas

Ricardo Krusty
Ricardo Krusty
Comunicador social com formação em jornalismo e radialismo, pós-graduado em cinema pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

Modelo de recurso contra multa por não obedecer à sinalização de trânsito

Modelo para recurso contra multa por não obedecer à...

TJSP invalida venda de empresa por inclusão de crédito do qual não é titular

A 1ª Câmara Reservada de Direito Empresarial do Tribunal de Justiça de São Paulo, em julgamento estendido, declarou a invalidade da venda de uma empresa que incluía no preço final valores de precatórios dos quais não era titular, caracterizando uma operação de crédito a non domino.

Mantida multa de empresa que vendia produtos fora do prazo de validade

A 13ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) confirmou a decisão da Vara de Viradouro, proferida pela juíza Débora Cristina Fernandes Ananias Alves Ferreira, que negou o pedido de anulação de uma multa aplicada pelo Procon a um estabelecimento comercial. O local foi multado em R$ 20,6 mil por vender produtos fora do prazo de validade.

Plano de saúde custeará exame genético para tratamento de síndrome

A 9ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) manteve a decisão da 10ª Vara Cível de Campinas, proferida pelo juiz André Pereira de Souza, que determinou que uma operadora de plano de saúde deve autorizar e custear a avaliação genética com pesquisa etiológica para um beneficiário portador da Síndrome de West.