TRF1 nega recursos do INPI e empresa de alimentos contra decisão sobre registro de marca com mesmo nome

Data:

patentes - Registro de marca
Créditos: olm26250 | iStock

A Sexta Turma do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) negou os recursos apresentados pelo Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI) e por uma empresa de alimentos com sede em São Paulo contra a sentença que julgou procedente o pedido de outra empresa de alimentos localizada no Distrito Federal para anular a decisão que negou seu pedido de registro de marca com nome semelhante.

De acordo com o INPI, a reprodução ou imitação da marca de terceiros é proibida conforme com o artigo 124, inciso 19 da LPI (Lei da Propriedade Industrial). Além disso, alegou que a parte autora não compreendeu os critérios de anterioridade, territorialidade, especialidade e sistema atributivo especificados no Manual de Marcas do INPI.

Por sua vez, a empresa apelante, sediada em São Paulo, argumentou que a ação para declarar a anulação do registro prescreveu.

O juiz federal convocado Márcio Sá Araújo, relator do caso, negou que a ação tenha prescrito, visto que o que está em questão na apelação não é o pedido de anulação da marca da parte ré, mas sim o pedido de registro da marca da parte autora, empresa localizada no Distrito Federal.

O magistrado explicou que, apesar de ambas as empresas atuarem no ramo alimentício, os documentos apresentados indicam que operam em segmentos alimentícios diferentes. Além disso, a empresa autora atua exclusivamente em Brasília, enquanto a ré atua, segundo alegado, exclusivamente em São Paulo, o que evita a confusão do consumidor ou a atuação parasitária de uma empresa em relação à outra.

Além disso, o nome em questão, segundo o juiz convocado, é notório por denominar um bairro famoso em Buenos Aires, Argentina, frequentado por turistas. Portanto, o termo isoladamente considerado não pode ser de uso exclusivo de uma única pessoa jurídica, impedindo que seja protegido de modo a impedir outros de utilizá-lo.

Diante desse contexto, o Colegiado acompanhou o voto do relator, mantendo a sentença.

Com informações do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1).


Você sabia que o Portal Juristas está no FacebookTwitterInstagramTelegramWhatsAppGoogle News e Linkedin? Siga-nos!

Notícias, modelos de petição e de documentos, artigos, colunas, entrevistas e muito mais: tenha tudo isso na palma da sua mão, entrando em nossa comunidade gratuita no WhatsApp.

Basta clicar aqui: https://bit.ly/zapjuristas

Ricardo Krusty
Ricardo Krusty
Comunicador social com formação em jornalismo e radialismo, pós-graduado em cinema pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

TJSP invalida venda de empresa por inclusão de crédito do qual não é titular

A 1ª Câmara Reservada de Direito Empresarial do Tribunal de Justiça de São Paulo, em julgamento estendido, declarou a invalidade da venda de uma empresa que incluía no preço final valores de precatórios dos quais não era titular, caracterizando uma operação de crédito a non domino.

Mantida multa de empresa que vendia produtos fora do prazo de validade

A 13ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) confirmou a decisão da Vara de Viradouro, proferida pela juíza Débora Cristina Fernandes Ananias Alves Ferreira, que negou o pedido de anulação de uma multa aplicada pelo Procon a um estabelecimento comercial. O local foi multado em R$ 20,6 mil por vender produtos fora do prazo de validade.

Plano de saúde custeará exame genético para tratamento de síndrome

A 9ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) manteve a decisão da 10ª Vara Cível de Campinas, proferida pelo juiz André Pereira de Souza, que determinou que uma operadora de plano de saúde deve autorizar e custear a avaliação genética com pesquisa etiológica para um beneficiário portador da Síndrome de West.

Mantida condenação de mulher por estelionato

A 8ª Câmara de Direito Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo manteve a decisão da 21ª Vara Criminal da Capital, proferida pela juíza Luciane Jabur Mouchaloite Figueiredo, que condenou uma mulher por estelionato. A pena foi fixada em dois anos e seis meses de reclusão em regime semiaberto.