Associação de vítimas da Chapecoense ajuíza ação de protesto interruptivo de prescrição

A nova ação não tem o objetivo de responsabilizar os envolvidos no acidente.

protesto interruptivo de prescrição
Créditos: Epitavi | iStock

A Associação de Familiares e Amigos das Vítimas do Voo da Chapecoense, juntamente com familiares e sobreviventes, ajuizaram uma nova ação para resguardar eventuais direitos indenizatórios contra contra quatro grupos de pessoas, conforme seu envolvimento no acidente: contratação e operação do voo (Lamia Corporation, Kite Air e Conmebol), fabricação, montagem e manutenção da aeronave (Bae Systems e Honeywell), controle e fiscalização do voo (AASANA, Celia Castedo Monasterio e a DGAC), e companhias responsáveis pelo seguro contratado (Aon Uk, Bisa Seguros y Reaseguros e Tokio Marine).

A petição não tem o objetivo de responsabilizar os envolvidos no acidente, mas indica outras falhas no acidente que vão além da simples falta de combustível.

Os advogados responsáveis disseram que “A presente demanda, importante ressaltar, não se presta a discutir diretamente a responsabilidade de cada um dos requeridos, mas de assegurar o direito dos requerente de futuramente promover demanda indenizatória e adotar as medidas judiciais cabíveis com vistas à reparação dos danos. Em especial, pretende-se a interrupção do transcurso dos prazos prescricionais aplicáveis ao caso”. (Com informações do Consultor Jurídico.)