Ré é condenada por uso de embalagem similar ao da concorrente

Data:

A 5ª Vara Cível de Barueri condenou uma empresa do ramo alimentício por praticar concorrência desleal ao comercializar geleias em potes e embalagens muito parecidos com os de uma marca concorrente. A decisão judicial ordenou que a empresa ré cessasse o uso desses produtos e determinou o pagamento de uma indenização por danos materiais, cujo montante será definido na fase de liquidação do processo.

A empresa que moveu a ação está no mercado há 38 anos e argumentou que sua concorrente alterou o design visual de suas geleias para embalagens que causam confusão entre os consumidores, uma prática conhecida como violação de "trade dress".

O juiz João Guilherme Ponzoni Marcondes, na sentença, enfatizou que a ação da empresa ré viola o princípio constitucional da livre concorrência e prejudica os direitos ligados à propriedade industrial, num mercado onde a diferenciação visual das embalagens é crucial para distinguir as marcas. O magistrado ressaltou que a semelhança entre os produtos é suficiente para confundir os consumidores, levando-os a erro ao pensar que estão comprando um produto quando, na verdade, é outro.

Ele acrescentou que, ao imitar a aparência dos produtos da empresa autora, a ré atrai para si os consumidores que são enganados pelo design similar, beneficiando-se indevidamente do reconhecimento e prestígio da marca original. A decisão é passível de recurso.

(Com informações do TJSP)
Geleia
Créditos: ehaurylik / Depositphotos
Juristas
Juristashttp://juristas.com.br
O Portal Juristas nasceu com o objetivo de integrar uma comunidade jurídica onde os internautas possam compartilhar suas informações, ideias e delegar cada vez mais seu aprendizado em nosso Portal.

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

TJSP invalida venda de empresa por inclusão de crédito do qual não é titular

A 1ª Câmara Reservada de Direito Empresarial do Tribunal de Justiça de São Paulo, em julgamento estendido, declarou a invalidade da venda de uma empresa que incluía no preço final valores de precatórios dos quais não era titular, caracterizando uma operação de crédito a non domino.

Mantida multa de empresa que vendia produtos fora do prazo de validade

A 13ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) confirmou a decisão da Vara de Viradouro, proferida pela juíza Débora Cristina Fernandes Ananias Alves Ferreira, que negou o pedido de anulação de uma multa aplicada pelo Procon a um estabelecimento comercial. O local foi multado em R$ 20,6 mil por vender produtos fora do prazo de validade.

Plano de saúde custeará exame genético para tratamento de síndrome

A 9ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) manteve a decisão da 10ª Vara Cível de Campinas, proferida pelo juiz André Pereira de Souza, que determinou que uma operadora de plano de saúde deve autorizar e custear a avaliação genética com pesquisa etiológica para um beneficiário portador da Síndrome de West.

Mantida condenação de mulher por estelionato

A 8ª Câmara de Direito Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo manteve a decisão da 21ª Vara Criminal da Capital, proferida pela juíza Luciane Jabur Mouchaloite Figueiredo, que condenou uma mulher por estelionato. A pena foi fixada em dois anos e seis meses de reclusão em regime semiaberto.