Modelo de Petição - Exclusão dos valores de ISSQN da base de cálculo de PIS e COFINS

Data:

Princípio da Isonomia
Créditos: StellrWeb / Unsplash

EXMO(A). SENHOR(A) JUIZ(A) FEDERAL DA ___ VARA FEDERAL SEÇÃO JUDICIÁRIA DO [INDICAR ESTADO] - SUBSEÇÃO DE [INDICAR CIDADE]

[NOME DA PARTE AUTORA], pessoa jurídica de direito privado, inscrita no CNPJ sob o n.º [preencher], com sede na [rua], [número], [bairro], [cidade/estado], [CEP], e-mail: (correio eletrônico), Telefone/WhatsApp: (XX) 9 XXXX-XXXX, por seus procuradores devidamente constituídos, vem, respeitosamente, à presença de Vossa Excelência, propor a presente

AÇÃO ORDINÁRIA DE RECONHECIMENTO DE INEXISTÊNCIA DE RELAÇÃO JURÍDICO-TRIBUTÁRIA, COM REPETIÇÃO DE INDÉBITO

em face da União Federal - Fazenda Nacional, com endereço em [cidade] na [rua], [nº], [bairro], [CEP], representada judicialmente pela Procuradoria Seccional da Fazenda Nacional, com endereço na [rua], [bairro], [cidade-estado], [CEP], e [endereço de e-mail], de acordo com as razões de fato e de direito abaixo discriminadas, requerendo a V. Exa. que receba a presente exordial, determinando o seu processamento na forma da lei.

I – DOS FATOS:

Conforme se extrai do mandamento constitucional decantado no art. 195, I, “b” da Constituição Federal - CF, com redação dada pela EC 20/98, as Contribuições Sociais devem ter por base de cálculo a receita ou o faturamento da empresa.
No intuito de conferir eficácia ativa ao supracitado dispositivo constitucional que subordina a exigência das contribuições sociais aos termos da lei, o legislador complementar instituiu LC 70/91. Observa-se no seio desta lei, mais precisamente no art. 2º, a referência à base de cálculo da COFINS (Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social). Segue a transcrição do dispositivo:
art. 2º. A contribuição de que trata o artigo anterior será de dois por cento e incidirá sobre o faturamento mensal, assim considerado a receita bruta das vendas de mercadorias, de mercadorias e serviços e de serviço de qualquer natureza.
(…)"
Observe-se que o legislador complementar optou por definir faturamento como a receita bruta das vendas de mercadorias, de mercadorias e serviços e serviços de qualquer natureza. O que se tem, em verdade, é uma equivalência sinonímica entre faturamento e receita bruta para fins fiscais.
Nesta senda, vale dizer também que prepondera no Supremo Tribunal Federal - STF o entendimento cujo teor, para efeitos fiscais, equipara o faturamento à receita bruta, não o restringindo às vendas a prazo sujeitos a emissão de fatura nos termos da primitiva legislação comercial. De fato, não se questiona qualquer incongruência entre a equivalência, para efeitos fiscais, de receita bruta e faturamento.
Desta maneira, analisando o preceito constante do caput do art. 2º da LC 70/91, cabe asseverar que o termo faturamento traduz-se como o produto de todas as vendas da empresa, mas nunca a totalidade das receitas, vez que somente alcança as receitas provenientes da comercialização de mercadorias e serviços.
É imperioso lançar mão de um breve adendo para fazer referência à legislação de regência do PIS, qual seja a LC 7/70. Por óbvio, tratando-se de uma Contribuição Social incidente sobre o faturamento, outras não poderiam ser as disposições legais, senão as seguintes:
Art. 1.º - É instituído, na forma prevista nesta Lei, o Programa de Integração Social, destinado a promover a integração do empregado na vida e no desenvolvimento das empresas.
Art. 2º - O Programa de que trata o artigo anterior será executado mediante Fundo de Participação, constituído por depósitos efetuados pelas empresas na Caixa Econômica Federal.
Art. 3º - O Fundo de Participação será constituído por duas parcelas:
a) a primeira, mediante dedução do Imposto de Renda devido, na forma estabelecida no § 1º deste artigo, processando-se o seu recolhimento ao Fundo juntamente com o pagamento do Imposto de Renda;
b) a segunda, com recursos próprios da empresa, calculados com base no faturamento (...).
(destacou-se).
Evidenciada, portanto, a necessidade do PIS (Programa de Integração Social) incidir única e exclusivamente sobre o faturamento das empresas.
É imprescindível, no entanto, que se trate receita como receita e despesa como despesa. Com devida vênia, esse raciocínio tautológico tem lugar à medida que, invariavelmente, o Fisco extrapola os limites do conceito de faturamento obrigando as empresas a fazerem incidir na base de cálculo da COFINS e do PIS valores que jamais integram seu faturamento, vez que consubstanciam receitas do município, como é o caso do ISSQN.

II – DO DIREITO

II. 1 – DA DISTINÇÃO ENTRE RECEITAS DO MUNICÍPIO E RECEITAS DO CONTRIBUINTE

Imposto de Renda (IR)
Créditos: Michał Chodyra / iStock

A inclusão do Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISSQN) na base de cálculo das Contribuições Sociais incidentes sobre o faturamento tem sido erroneamente legitimada por meio de expedientes retóricos odiosos que acabam por, indubitavelmente, malferir, especialmente, o art. 195, I, “b” da Constituição Federal - CF.

Conforme supra-asseverado, é direito da Parte Autora recolher a COFINS e o PIS com base na sua receita ou no seu faturamento. Cumpre assim, imprescindivelmente, delimitar o que se entende por receita e faturamento.
Quando o preceito constitucional alude a faturamento, por certo quer denotar o montante econômico proveniente de um negócio jurídico concebido como a venda de mercadorias ou, até mesmo, a prestação de serviços. Trata-se do produto pecuniário decorrente de uma operação mercantil percebido por aquele que a realiza. Com clareza, afirma-se que faturamento se confunde com riqueza própria, jamais com ingresso de receita de terceiro, como é o caso do Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISSQN).
Ora, não podem o legislador pátrio, bem como o Ilmo. Sr. Delegado da Receita Federal de Juiz de Fora, por meio de métodos interpretativos por certo obscuros, subverterem a lógica daquilo que se compreende por “faturamento”, chegando ao descalabro de pretenderem imiscuir neste conceito, verdadeiras despesas, ônus ou receitas de terceiros.
A inclusão do Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza - ISSQN na base de cálculo das Contribuições Sociais incidentes sobre o faturamento (PIS/COFINS) padece de impropriedades técnicas. Em hipótese alguma, o Imposto Sobre Serviços, verdadeira receita do Erário municipal, pode ser compreendido no bojo do faturamento/receita da empresa, ao contrário, o ISSQN se mostra como um real ônus às empresas.
Na sistemática do Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza - ISSQN, a empresa atua como mera repassadora desta receita, vez que os Municípios da Federação é que possuem competência constitucional para arrecadá-lo. Em um exercício de intercâmbio disciplinar, nas prestações de serviço sobre as quais incidem o Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza - ISSQN, o substituto tributário, no casoa Autora, assemelha-se, nos termos da lei civil, a simples depositário destes valores já que, ao final do processo de recolhimento, este montante caberá aos cofres públicos. Assim, os sujeitos passivos das Contribuições Sociais incidentes sobre o faturamento têm o direito constitucional de não considerar como receitas próprias valores que apenas circulam pelos seus livros fiscais, sem representar, contudo, acréscimos patrimoniais próprios.
Portanto, pretender incidir sobre a base de cálculo da COFINS e sobre a base de cálculo do PIS, com base em suposto faturamento, valor referente ao Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza - ISSQN, seria presumir que a empresa agrega a seu patrimônio dinheiro público, o que, por certo, amoldar-se-ia à mais crua hipótese de crime tributário.
Por todo o exposto, percebe-se que não existe suporte constitucional para a inclusão do Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza - ISSQN na base de cálculo da COFINS, pelo que o art. 2º, parágrafo único da LC 70/91 é manifestamente inconstitucional. Assevera-se que, pelas mesmas razões, deve ser afastada a exigência do ISSQN sobre a base de cálculo do PIS.

II. 2 – DA POSIÇÃO DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL (STF) ACERCA DO TEMA

Supremo Tribunal Federal - STF
Créditos: diegograndi / iStock

No aspecto teórico é elucidativo trazer à baila posição recente do Supremo Tribunal Federal  - STF, sedimentada no Recurso Extraordinário nº 574.706, com Repercussão Geral, no qual reconheceu-se que o ICMS (receita do Fisco Estadual) não pode ser inserido na base de cálculo da COFINS. Logo, é inconstitucional o parágrafo único do art. 2º da LC 70/91 eis que inclui o ICMS na base de cálculo do PIS e da COFINS. Reitera-se a dicção da tese decidida no tema 69 julgado pelo Supremo Tribunal Federal (STF): O ICMS não compõe a base de cálculo para a incidência do PIS e da COFINS.

Impende salientar que em prol da segurança jurídica é necessário que seja mantido o posicionamento acerca de questões similares, o que é caso em tela, tendo em vista que a discussão da incidência de PIS/COFINS na base de cálculo que contém valores a título do ISSQN e de ICMS possui o mesmo plano de fundo, qual seja o conceito de faturamento.
Cumpre, portanto, a este Douto Juízo, observar o posicionamento daquele que é o órgão supremo de nosso arcabouço jurídico e guardião da Lei Maior. Assim, em face da similaridade da questão posta em pauta, cumpre dizer que necessita ser seguido o posicionamento supra, de modo que deve ser declarada a inconstitucionalidade da exigência de inclusão do ISSQN na base de cálculo da COFINS e do PIS e atestado o direito à restituição/compensação do montante recolhido indevidamente..

IV - DOS PEDIDOS E DOS REQUERIMENTOS

Diante do exposto, a Parte Autora pede e requer que:
a)     seja proferida sentença para reconhecer o direito de excluir os valores de ISSQN da base de cálculo das Contribuições Sociais incidentes sobre o faturamento (COFINS/PIS) da contribuinte, assim como declarar o direito à restituição ou compensação das quantias indevidamente recolhidas com tributos administrados pela Receita Federal, condenando a União aos ônus da sucumbência;
b)     seja citada a Fazenda Nacional, na figura de seu procurador para, nosprazos legais, apresentar contestação;
c)     seja deferida a produção de todas as provas admitidas em juízo, em especial a prova documental.
Dá à causa o valor de R$ XXXXX,XX (valor da causa por extenso).
Nestes Termos,
Pede e Espera deferimento.
Cidade/UF, Data do Protocolo Eletrônico.
Nome do Advogado
Assinatura - OAB/UF XXXXXXXX
Imposto sobre a Propriedade Territorial Urbana - IPTU
Créditos: CarlaNichiata / iStock
Juristas
Juristashttp://juristas.com.br
O Portal Juristas nasceu com o objetivo de integrar uma comunidade jurídica onde os internautas possam compartilhar suas informações, ideias e delegar cada vez mais seu aprendizado em nosso Portal.

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

Marcas Notoriamente Conhecidas: Proteção e Exemplos no Brasil

No mundo dos negócios, algumas marcas alcançam um nível de reconhecimento tão alto que se tornam notoriamente conhecidas. Essas marcas gozam de uma proteção especial, mesmo que não estejam registradas em todas as classes de produtos ou serviços. Este artigo aborda o conceito de marcas notoriamente conhecidas, a proteção legal conferida a elas no Brasil e exemplos de marcas que se enquadram nessa categoria.

Modelo de Pedido de revisão de multa por erro no preenchimento do auto de infração

Modelo de Pedido de revisão de multa por erro...

Modelo - Recurso para cancelamento de multa por erro na medição de velocidade por radar

1. Falha Técnica do Equipamento de Medição: Alego que o equipamento de radar utilizado para medir a velocidade de meu veículo apresentava falhas técnicas no momento da autuação. Em apoio a esta alegação, solicito a verificação dos registros de manutenção e calibração do radar, conforme exigido por lei, para confirmar se o equipamento estava operando dentro das especificações técnicas recomendadas no momento da infração.