123milhas pede recuperação judicial e quer suspender cobranças por 180 dias

Data:

123 Milhas
Logo da 123 Milhas - Reprodução

A 123milhas entrou hoje (29) com um pedido de recuperação judicial na 1ª Vara Empresarial da comarca de Belo Horizonte do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), onde a companhia é sediada. No pedido que também engloba as empresas HotMilhas e Novum, a empresa informou uma dívida de R$ 2,308 bilhões. Esse montante, no entanto, poderá ser alterado no futuro após a verificação de créditos pelo administrador judicial.

Além do pedido de recuperação judicial protocolado no TJMG, a empresa solicitou a suspensão imediata, por um período inicial de 180 dias, das ações judiciais de cobrança movidas contra ela. A informação é do UOL.

recuperação judicial
Créditos: Ampcool22 | iStock

Após a suspensão da emissão de passagens e pacotes flexíveis em 18 de agosto, o pedido foi feito. A linha Promo, que oferecia tarifas mais acessíveis devido à flexibilidade de datas de ida e volta, foi interrompida devido às taxas de juros elevadas e ao aumento no preço das passagens aéreas.

A empresa informa ao TJMG que tentou renegociar coletivamente a troca de produtos das passagens, mas que a ação "acabou se demonstrando como frustrada". Assim, a 123milhas justifica o pedido de recuperação judicial para evitar o efeito de ações individuais em todo o país, que causaram "bloqueios e contrições para a satisfação individual de créditos".

Leia o comunicado à imprensa da 123milhas:
"A 123milhas informa que protocolou hoje (29/08) no Tribunal de Justiça de Minas Gerais um pedido de Recuperação Judicial. A medida tem como objetivo assegurar o cumprimento dos compromissos assumidos com clientes, ex-colaboradores e fornecedores. A Recuperação Judicial permitirá concentrar em um só juízo todos os valores devidos. A empresa avalia que, desta forma, chegará mais rápido a soluções com todos os credores para, progressivamente, reequilibrar sua situação financeira. A 123milhas ressalta que permanece fornecendo dados, informações e esclarecimentos às autoridades competentes sempre que solicitados. A empresa e seus gestores se disponibilizam, em linha com seus compromissos com a transparência e a ética, a construir conjuntamente medidas que possibilitem pagar seus débitos, recompor sua receita e, assim, continuar a contribuir com o setor turístico brasileiro. 123milhas".

Corretor de Imóveis - Comissão - Transação imobiliária
Créditos: Kanizphoto / iStock

No dia 28 de agosto (ontem), a empresa anunciou a demissão coletiva de seus funcionários. A justificativa para a redução do quadro de pessoal é parte de um plano de reestruturação, embora o número de desligamentos não tenha sido revelado. Informações vindas de ex-colaboradores indicam que o corte afetou centenas de pessoas. Além disso, a HotMilhas, subsidiária pertencente à 123milhas, interrompeu a negociação de milhas aéreas ontem.

Senacon e Procon-SP questionam a alternativa de vouchers oferecida pela 123milhas após suspensões, exigindo respostas. A Senacon ameaça um processo administrativo caso o dinheiro dos consumidores afetados não seja devolvido, com possibilidade de multa de até R$ 13 milhões.

Ato de improbidade administrativa afastado
Créditos: conejota / iStock

Especialistas apontam dúvidas sobre a sustentabilidade financeira desse modelo. Mariana Aldrigui, pesquisadora de turismo da USP, destaca que o formato flexível se assemelha mais a operações financeiras do que à venda de serviços. O assessor jurídico da Abav Nacional, Marcelo Oliveira, alerta para o alto risco do negócio, influenciado por fatores externos.

O Procon-SP orienta os consumidores a recusarem vouchers da 123milhas, recomendando registro de contato e reclamações nos órgãos competentes, caso necessário.

Com informações do UOL.


Você sabia que o Portal Juristas está no FacebookTwitterInstagramTelegramWhatsAppGoogle News e Linkedin? Siga-nos

Ricardo Krusty
Ricardo Krusty
Comunicador social com formação em jornalismo e radialismo, pós-graduado em cinema pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

5ª Edição do International Insolvency Law Conference: um encontro de destaques no campo jurídico internacional

Estão oficialmente abertas as inscrições para a 5ª Edição do International Insolvency Law Conference, um evento imperdível que reunirá profissionais e pesquisadores de destaque no campo da insolvência empresarial. Marcado para os dias 7 e 9 de março, este congresso promete ser um ponto de convergência para diálogos significativos e análises profundas sobre temas cruciais relacionados à recuperação judicial, recuperação extrajudicial e falência, tanto em âmbito nacional quanto internacional.

Dono de imóvel no RN será indenizado por concessionária de energia após danos causados em imóvel após troca de poste

A Companhia Energética do Rio Grande do Norte (Cosern) e uma empresa contratada por esta foram condenadas a indenizar um consumidor em R$ 25 mil por danos materiais causados durante a troca de postes no município de Caicó-RN. A decisão da 2ª Vara da comarca também determinou o pagamento de R$ 10 mil por danos morais ao proprietário do imóvel, com juros e correção monetária, pela concessionária de energia. Além disso, foi autorizado o levantamento de R$ 2.700,00 em aluguéis.

Procon-SP notifica Uber para explicar política de preços

O Procon-SP emitiu uma notificação nesta sexta-feira (23) para o aplicativo de transporte Uber, solicitando explicações sobre sua política de preços, conhecida como tarifa dinâmica. Nesse sistema, o valor das corridas pode variar com base na demanda, o que pode impactar especialmente em dias com problemas no transporte público, como interrupções no metrô.

UFSC não é responsável por furto de veículo em estacionamento público, decide justiça

A Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) não será obrigada a indenizar uma ex-funcionária do Hospital Universitário (HU) pelo furto de seu veículo em um estacionamento do campus aberto ao público. A decisão foi tomada pela 5ª Vara Federal de Blumenau, que considerou que, como o local do furto era de acesso público e gratuito, a universidade não tinha o dever de vigilância.