Academia é condenada a indenizar cliente por acidente em esteira elétrica

Data:

Universidade
Créditos: h4ckermodify / iStock

A 17ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) confirmou uma sentença da Comarca de Uberaba que condenou uma academia a indenizar uma cliente que sofreu um acidente ao utilizar uma esteira elétrica. A cliente receberá R$ 370,07 por danos materiais e R$ 5 mil por danos morais.

Conforme os detalhes do processo, a funcionária pública não percebeu que a esteira estava ligada e em alta velocidade. Ao subir no equipamento, foi arremessada ao chão, resultando em uma fratura no braço. Como consequência, a cliente precisou passar por várias sessões de fisioterapia e ficou afastada do trabalho por 60 dias.

A academia argumentou que prestou toda a assistência necessária e atribuiu a culpa do acidente à usuária, alegando que ela não verificou se a esteira estava em funcionamento. No entanto, o juiz da 2ª Vara Cível da Comarca de Uberaba não acolheu essa defesa, considerando que a empresa falhou em seu dever de vigilância.

O magistrado ressaltou que a academia é responsável por garantir a segurança dos alunos durante a prática de atividades físicas. Dessa forma, determinou o ressarcimento dos gastos com radiografia e concedeu uma indenização por danos morais no valor de R$ 5 mil.

Insatisfeita com a decisão, a academia recorreu à 2ª Instância. A desembargadora Aparecida Grossi, relatora do caso, manteve a sentença de 1ª Instância. Segundo ela, o fato de a usuária ter subido na esteira de forma desatenta não exclui a responsabilidade da academia, que deve garantir a supervisão adequada dos alunos e orientá-los sobre o uso correto dos equipamentos.

"A academia tem o dever de promover um constante monitoramento das atividades, visando prevenir situações de risco e desconforto", afirmou a magistrada.

Os desembargadores Roberto Soares de Vasconcellos Paes e Amauri Pinto Ferreira acompanharam o voto da relatora, confirmando a condenação da academia pelos danos causados à cliente.

Com informações do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG).


Você sabia que o Portal Juristas está no FacebookTwitterInstagramTelegramWhatsAppGoogle News e Linkedin? Siga-nos!

Ricardo Krusty
Ricardo Krusty
Comunicador social com formação em jornalismo e radialismo, pós-graduado em cinema pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

Modelo de recurso contra multa por não obedecer à sinalização de trânsito

Modelo para recurso contra multa por não obedecer à...

TJSP invalida venda de empresa por inclusão de crédito do qual não é titular

A 1ª Câmara Reservada de Direito Empresarial do Tribunal de Justiça de São Paulo, em julgamento estendido, declarou a invalidade da venda de uma empresa que incluía no preço final valores de precatórios dos quais não era titular, caracterizando uma operação de crédito a non domino.

Mantida multa de empresa que vendia produtos fora do prazo de validade

A 13ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) confirmou a decisão da Vara de Viradouro, proferida pela juíza Débora Cristina Fernandes Ananias Alves Ferreira, que negou o pedido de anulação de uma multa aplicada pelo Procon a um estabelecimento comercial. O local foi multado em R$ 20,6 mil por vender produtos fora do prazo de validade.

Plano de saúde custeará exame genético para tratamento de síndrome

A 9ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) manteve a decisão da 10ª Vara Cível de Campinas, proferida pelo juiz André Pereira de Souza, que determinou que uma operadora de plano de saúde deve autorizar e custear a avaliação genética com pesquisa etiológica para um beneficiário portador da Síndrome de West.