Acordo judicial em Planaltina-GO garante acompanhamento e auxílio a mulher com deficiência

Data:

discriminação sexual
Créditos: Zolnierek

A Prefeitura de Planaltina foi incumbida de providenciar o acompanhamento de uma mulher com deficiência física, incluindo o envio periódico de relatórios sobre suas condições. Além disso, a Secretaria de Assistência Social do município deverá fornecer mensalmente uma cesta básica à família da mulher e integrá-la no programa de atendimento profissional de saúde disponível na localidade. O acordo foi estabelecido durante uma audiência presidida pelo juiz Rafael Francisco Simões Cabral, da 2ª Vara Cível, das Fazendas Públicas, de Registros Públicos e Ambiental da comarca de Planaltina.

O Ministério Público do Estado de Goiás (MPGO) moveu uma Ação Civil Pública contra o Município de Planaltina, buscando garantir assistência para uma pessoa com deficiência ou providenciar sua inserção em uma residência inclusiva, mesmo que em outra cidade. De acordo com o MPGO, a pessoa em questão enfrentava dificuldades alimentares em sua residência, sendo este pedido feito inicialmente em sede de tutela antecipada.

Durante a audiência, a assistente social que acompanha a mulher explicou que ela já frequentava a escola em período integral e que levá-la para outra cidade a afastaria de sua família. Diante disso, foram sugeridos o acompanhamento quinzenal e o fornecimento de uma cesta básica mensal para a família, visando mitigar a carência financeira do grupo familiar.

O juiz responsável pelo caso destacou que, após os procedimentos legais, o acordo foi homologado por sentença, protegendo os interesses da pessoa com deficiência ao mesmo tempo em que mantém sua convivência familiar. Ele enfatizou a importância de respeitar a autonomia do gestor público e ressaltou sua postura de evitar tomar decisões em substituição ao gestor, agindo apenas em casos excepcionais. O objetivo, segundo ele, é permitir que o gestor, eleito pela população, exerça suas funções de forma eficaz.

Com informações do Tribunal de Justiça de Goiás (TJGO).


Você sabia que o Portal Juristas está no FacebookTwitterInstagramTelegramWhatsAppGoogle News e Linkedin? Siga-nos!

Ricardo Krusty
Ricardo Krusty
Comunicador social com formação em jornalismo e radialismo, pós-graduado em cinema pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

5ª Edição do International Insolvency Law Conference: um encontro de destaques no campo jurídico internacional

Estão oficialmente abertas as inscrições para a 5ª Edição do International Insolvency Law Conference, um evento imperdível que reunirá profissionais e pesquisadores de destaque no campo da insolvência empresarial. Marcado para os dias 7 e 9 de março, este congresso promete ser um ponto de convergência para diálogos significativos e análises profundas sobre temas cruciais relacionados à recuperação judicial, recuperação extrajudicial e falência, tanto em âmbito nacional quanto internacional.

Dono de imóvel no RN será indenizado por concessionária de energia após danos causados em imóvel após troca de poste

A Companhia Energética do Rio Grande do Norte (Cosern) e uma empresa contratada por esta foram condenadas a indenizar um consumidor em R$ 25 mil por danos materiais causados durante a troca de postes no município de Caicó-RN. A decisão da 2ª Vara da comarca também determinou o pagamento de R$ 10 mil por danos morais ao proprietário do imóvel, com juros e correção monetária, pela concessionária de energia. Além disso, foi autorizado o levantamento de R$ 2.700,00 em aluguéis.

Procon-SP notifica Uber para explicar política de preços

O Procon-SP emitiu uma notificação nesta sexta-feira (23) para o aplicativo de transporte Uber, solicitando explicações sobre sua política de preços, conhecida como tarifa dinâmica. Nesse sistema, o valor das corridas pode variar com base na demanda, o que pode impactar especialmente em dias com problemas no transporte público, como interrupções no metrô.

UFSC não é responsável por furto de veículo em estacionamento público, decide justiça

A Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) não será obrigada a indenizar uma ex-funcionária do Hospital Universitário (HU) pelo furto de seu veículo em um estacionamento do campus aberto ao público. A decisão foi tomada pela 5ª Vara Federal de Blumenau, que considerou que, como o local do furto era de acesso público e gratuito, a universidade não tinha o dever de vigilância.