Advogada e influencer presa pela PF com meio quilo de cocaína na bagagem segue presa

Data:

audiência
Créditos: GemaIbarra | iStock

A digital influencer e advogada, Laís Crisóstomo Aguiar foi presa pela Polícia Federal (PF), no último dia 5 de agosto, por tráfico internacional de drogas, ao ser flagrada com quase meio quilo de cocaína no Aeroporto Internacional de São Paulo, em Guarulhos (SP). A informação é do UOL.

De acordo com o portal de notícias, a influencer estava ao lado de um homem, identificado como Peterson de Souza Fontes. Os dois tentavam embarcar em um voo para Dubai, quando os agentes que fiscalizavam as bagagens de passageiros, com o auxílio do aparelho de raio x, identificaram material suspeito na mala de Peterson, além de objetos com a identificação da mineira.

Após análise, foi constatado que o material correspondia a 461 gramas de cocaína, ocultos dentro de cápsulas em frascos de suplementos alimentares e os dois receberam voz de prisão. No último dia 7, a Justiça Federal negou habeas corpus para a influenciadora e ambos permanecem presos.

De acordo com informações do processo, Peterson teria confessado que os entorpecentes seriam dele. No entanto, o desembargador Valdeci dos Santos, do Tribunal Regional Federal da 3ª Região, negou o pedido de habeas corpus da defesa da influenciadora, afirmando que há risco de que ela possa fugir do País "caso seja colocada em liberdade, inviabilizando a prática dos necessários atos de instrução processual e, ao final, a aplicação da lei penal".

O desembargador escreve ainda que "o montante de droga apreendida por si só é suficiente para justificar a conversão da prisão em flagrante em prisão preventiva, pois a quantidade de cocaína encontrada na posse da custodiada não pode ser enquadrada como sendo de usuária, restando evidenciado que a droga seria objeto de circulação na sociedade, contribuindo para o fomento do crime organizado, criminalidade social e do lucro que seria obtido com sua comercialização".

Para Santos, ainda há dúvida sobre a quem pertencia a droga. "A confissão do Peterson de Souza Fontes de que os entorpecentes encontrados lhe pertenciam, não se mostra suficiente para afastar os indícios de autoria delitiva da paciente que foram comprovados nos autos de prisão em flagrante".

Com quase 410 mil seguidores no Instagram, a advogada levava uma vida de luxo, ostentação e viagens. Entre os destinos retratados, Ilhas Maldivas, na Ásia, e o Principado de Mônaco, na Europa. Como influencer ela realizava inúmeras lojas, ofertando produtos que iam desde roupas íntimas até carros.


Fique por dentro de tudo que acontece no mundo jurídico no Portal Juristas, siga nas redes sociais: FacebookTwitterInstagram e Linkedin. Adquira sua certificação digital e-CPF e e-CNPJ na com a Juristas Certificação Digital, entre em contato conosco por email ou pelo WhatsApp (83) 9 93826000

Ricardo Krusty
Ricardo Krusty
Comunicador social com formação em jornalismo e radialismo, pós-graduado em cinema pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

Modelo de recurso contra multa por não obedecer à sinalização de trânsito

Modelo para recurso contra multa por não obedecer à...

TJSP invalida venda de empresa por inclusão de crédito do qual não é titular

A 1ª Câmara Reservada de Direito Empresarial do Tribunal de Justiça de São Paulo, em julgamento estendido, declarou a invalidade da venda de uma empresa que incluía no preço final valores de precatórios dos quais não era titular, caracterizando uma operação de crédito a non domino.

Mantida multa de empresa que vendia produtos fora do prazo de validade

A 13ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) confirmou a decisão da Vara de Viradouro, proferida pela juíza Débora Cristina Fernandes Ananias Alves Ferreira, que negou o pedido de anulação de uma multa aplicada pelo Procon a um estabelecimento comercial. O local foi multado em R$ 20,6 mil por vender produtos fora do prazo de validade.

Plano de saúde custeará exame genético para tratamento de síndrome

A 9ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) manteve a decisão da 10ª Vara Cível de Campinas, proferida pelo juiz André Pereira de Souza, que determinou que uma operadora de plano de saúde deve autorizar e custear a avaliação genética com pesquisa etiológica para um beneficiário portador da Síndrome de West.