Câmara Criminal rejeita recurso de réu em caso de duplo homicídio

Data:

instituto sou da paz / atentado
Créditos: thawornnurak | iStock

A defesa de Victor Souto da Rosa teve mais um recurso rejeitado pela Câmara Criminal do Tribunal de Justiça da Paraíba. O réu foi pronunciado pelos assassinatos de Rafael Paiva de Freitas Patriota e Daniel Guimarães Ramos, ocorridos em dezembro de 2011. O objetivo do recurso era esclarecer contradição ou omissão na decisão do Juízo do 2º Tribunal do Júri da Comarca de João Pessoa, que decidiu levar o réu a Júri Popular. No entanto, a Câmara Criminal manteve a decisão e afirmou que não houve obscuridade, omissão ou contradição.

De acordo com os autos, na madrugada dos crimes, Victor passou por cima das vítimas com uma caminhonete Nissan Frontier, que foi registrada por uma câmera de segurança. Daniel Guimarães morreu no local e Rafael Patriota chegou a ser socorrido, mas faleceu no hospital.

Em novembro do ano passado, a Câmara Criminal já havia negado outro recurso da defesa, que alegava parcialidade na decisão do Juízo de 1º Grau em relação aos laudos de insanidade mental do réu. O relator do recurso afirmou que a decisão poderia ser impugnada por meio de apelação, mas a defesa não recorreu, deixando a questão precluir.

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

TJSP mantém condenação de acusados que aplicavam golpe em locadora de veículos

A 7ª Câmara de Direito Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo confirmou a decisão da 13ª Vara Criminal da Capital, sob a juíza Erika Fernandes, que condenou três homens por associação criminosa, com um deles também condenado por estelionato, relacionado a um golpe praticado contra uma locadora de veículos. As penas impostas, variando entre um e dois anos de reclusão, foram convertidas em medidas alternativas, incluindo prestação pecuniária e serviços comunitários.

Tribunal nega devolução em dobro após depósito realizado por engano

A 2ª Vara Cível de Araraquara julgou um caso envolvendo a devolução de R$ 37 mil que foram depositados por engano em uma empresa após um contrato de securitização de ativos empresariais. Após o acordo, a empresa não mais gerenciava os ativos, mas recebeu indevidamente o depósito de uma devedora. A empresa devolveu o dinheiro 14 dias após o depósito, mas apenas depois que a ação foi ajuizada, o que levou a autora a pedir a devolução em dobro, alegando retenção indevida do montante.

Estado indenizará estudante trans depois de ofensas de professor

A Vara da Fazenda Pública de Guarujá condenou o Estado de São Paulo a pagar uma indenização por danos morais no valor de R$ 8 mil a uma estudante trans, devido a comentários ofensivos feitos por um professor sobre a comunidade LGBT em sala de aula. Além disso, foi estabelecido um pagamento de R$ 800 por danos materiais, referente aos custos com tratamento psicológico que a estudante teve após o incidente.

Ré é condenada por uso de embalagem similar ao da concorrente

A 5ª Vara Cível de Barueri condenou uma empresa do ramo alimentício por praticar concorrência desleal ao comercializar geleias em potes e embalagens muito parecidos com os de uma marca concorrente. A decisão judicial ordenou que a empresa ré cessasse o uso desses produtos e determinou o pagamento de uma indenização por danos materiais, cujo montante será definido na fase de liquidação do processo.