Casos de ataques com agulhas em Campina Grande são investigados

Data:

ataques com agulhas
Créditos: Ismagilov | iStock

Uma pessoa registrou um Boletim de Ocorrência na Polícia Civil da Paraíba sobre suposto ataque com agulhas no Parque do Povo, em Campina Grande, no segundo dia de comemorações juninas.

Até a manhã de quarta-feira (13), foram atendidas 29 pessoas no Hospital de Emergência e Trauma Dom Luiz Gonzaga Fernandes. Os pacientes fizeram exames médicos e receberam um coquetel de medicamentos para prevenir doenças infectocontagiosas.

O delegado da 10ª Seccional disse que todas as vítimas precisam registrar o fato, já que o suposto crime, caso seja comprovado, será inicialmente tipificado como lesão corporal de natureza leve. Por isso, dependeria de queixa formalizada pela vítima para iniciar a ação penal.

O delegado disse que solicitou laudos do hospital e busca outras demais pessoas para esclarecer o caso, mas reforça que as pessoas atingidas devem procurar a delegacia para auxiliar nas investigações.

Na noite de terça-feira, uma mulher foi detida no Parque do Povo com tesoura e material semelhante a seringas. Ela já foi liberada, pois portava cateteres, usados para coletar sangue. (Com informações do PB Agora.)

Juristas
Juristashttp://juristas.com.br
O Portal Juristas nasceu com o objetivo de integrar uma comunidade jurídica onde os internautas possam compartilhar suas informações, ideias e delegar cada vez mais seu aprendizado em nosso Portal.

2 COMENTÁRIOS

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

Modelo de contrato de prestação de serviços de Personal Trainer para Triatetlas

O presente contrato tem por objeto a prestação de serviços de personal trainer especializado em treinamento para triatletas, com o objetivo de melhorar o desempenho do Contratante nas modalidades de natação, ciclismo e corrida.

Empresa de fotos e vídeos condenada por falha em filmagem de casamento

A 13ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) confirmou a decisão da Comarca de Lavras que responsabilizou uma empresa de fotografia e vídeo a pagar R$ 10 mil por danos morais e R$ 1,4 mil por danos materiais a uma noiva, devido a falhas na filmagem de seu casamento.

Homem trans será indenizado por não ter nome social reconhecido em registro bancário

A 18ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) alterou uma decisão inicial e determinou que um banco indenize um homem trans em R$ 10 mil por danos morais devido ao não reconhecimento do seu nome social nos registros bancários.

Justiça condena hospital, plano de saúde e médico a indenizar paciente por erro em cirurgia

A 14ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) confirmou uma decisão da Comarca de Belo Horizonte que responsabiliza um hospital, um médico anestesista e um plano de saúde pelo pagamento de indenizações à uma paciente, totalizando R$ 200 mil, divididos igualmente entre danos morais e estéticos.