Decisão do STF torna nulas provas relacionadas ao acordo de leniência da Odebrecht

Data:

Dias Toffoli
Créditos: Reprodução / TV Justiça

O ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal (STF), emitiu uma medida que invalida todas as provas obtidas dos sistemas Drousys e My Web Day B, utilizadas a partir do acordo de leniência celebrado pela Odebrecht no contexto da Operação Lava Jato.

A decisão, atendendo ao pedido de extensão na Reclamação (RCL) 43007, estabelece que as provas e outros elementos obtidos a partir desse acordo sejam considerados imprestáveis "em qualquer âmbito ou grau de jurisdição". O ministro destacou que essas provas foram contaminadas pelo material que tramitou perante o juízo da 13ª Vara Federal de Curitiba, tornando-as inválidas para uso em processos judiciais.

Além disso, o Departamento de Recuperação de Ativos e Cooperação Jurídica Internacional (DRCI) do Ministério da Justiça não encontrou registros de pedido de cooperação jurídica internacional relacionados à instrução do acordo de leniência da Odebrecht, nem de cooperação ativa apresentada por autoridades brasileiras para obter o conteúdo dos sistemas Drousys e My Web Day B.

O ministro Dias Toffoli também determinou que a Polícia Federal apresente o conteúdo completo das mensagens apreendidas na "Operação Spoofing" em um prazo de dez dias, sem cortes ou filtragens. Ele alertou que a recusa em cumprir essa ordem resultaria em acusações de desobediência.

Adicionalmente, Toffoli garantiu acesso à íntegra do material apreendido na "Operação Spoofing" a todos os investigados e réus processados com base em elementos de prova contaminados, em qualquer âmbito ou grau de jurisdição. Isso será feito com o apoio dos peritos da Polícia Federal para garantir a preservação do conteúdo de documentos sigilosos.

A decisão também ordena que o Juízo da 13ª Vara Federal de Curitiba e o Ministério Público Federal de Curitiba apresentem o conteúdo integral de todos os documentos, anexos, apensos e expedientes relacionados ao acordo de leniência da Odebrecht em um prazo de dez dias.

Além disso, Toffoli instruiu vários órgãos a identificar e informar quaisquer agentes públicos que tenham agido fora dos procedimentos formais relacionados ao acordo de leniência da Odebrecht e a tomar medidas para apurar responsabilidades não apenas na esfera funcional, mas também nas esferas administrativa, cível e criminal.

Esses órgãos incluem a Procuradoria-Geral da República (PGR), Advocacia-Geral da União (AGU), Ministérios das Relações Exteriores e da Justiça, Controladoria-Geral da União (CGU), Tribunal de Contas da União (TCU), Receita Federal do Brasil, Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP).

O ministro Dias Toffoli enfatizou as "graves consequências" dos atos relacionados ao acordo de leniência da Odebrecht para o Estado brasileiro e para centenas de investigados e réus em processos judiciais em todo o país e no exterior. Ele instruiu a AGU a apurar responsabilidades civis pelos danos causados pela União e seus agentes devido à prática de atos ilegais, incluindo a consideração de ações de responsabilidade civil já ajuizadas.

Essa decisão tem implicações significativas para o cenário jurídico brasileiro e para a investigação em torno da Operação Lava Jato, destacando a importância da preservação da integridade das provas e do devido processo legal.

Com informações do Supremo Tribunal Federal (STF).


Você sabia que o Portal Juristas está no FacebookTwitterInstagramTelegramWhatsAppGoogle News e Linkedin? Siga-nos!

Ricardo Krusty
Ricardo Krusty
Comunicador social com formação em jornalismo e radialismo, pós-graduado em cinema pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

Idoso com deficiência tem direito a desconto na passagem de acompanhante

Uma decisão judicial da 3ª Vara Cível da comarca de Lages destaca a violação de direitos e condena uma companhia aérea e um site de viagens a pagar indenização por danos materiais e morais.

TJSP mantém condenação de tutor de pitbull que atacou prestador de serviços

A 6ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) decidiu manter a sentença da 5ª Vara Cível de Ribeirão Preto, proferida pela juíza Roberta Luchiari Villela, que condenou o tutor de um pitbull que atacou um prestador de serviços a indenizar a vítima. A reparação por danos materiais foi mantida em R$ 7 mil, e o ressarcimento por danos morais foi elevado para R$ 6 mil.

Contrato preliminar não pode ter eficácia maior que o definitivo, define terceira turma do STJ

Para a Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), não é admissível conferir maior eficácia jurídica ao contrato preliminar do que ao definitivo, especialmente quando as partes, neste último, estabelecem obrigações opostas às assumidas anteriormente e contradizem os termos da proposta original.

Repetitivo discute honorários advocatícios em cumprimento de sentença decorrente de mandado de segurança individual

A Primeira Seção do Superior Tribunal de Justiça (STJ), utilizando o rito dos recursos repetitivos (Tema 1.232), está prestes a definir se é viável a fixação de honorários advocatícios na fase de cumprimento de sentença resultante de decisão proferida em mandado de segurança individual, com reflexos patrimoniais.