Futebol: Juizado do Torcedor reforça ações de prevenção na final da Taça Libertadores no Maracanã

Data:

Liminar obriga concessionária a reassumir manutenção do Maracanã
Critérios: A.RICARDO / Shutterstock, Inc.

O Juizado do Torcedor do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro (TJRJ) está intensificando suas ações preventivas para garantir o respeito à lei e aos direitos dos torcedores durante a final da Taça Libertadores da América. A aguardada partida, que acontecerá neste sábado (4), a partir das 17h, no Maracanã, coloca em prática medidas específicas para assegurar um ambiente seguro e respeitoso a todos os envolvidos.

O desembargador Agostinho Teixeira, coordenador do Juizado do Torcedor e dos Grandes Eventos, enfatizou a abordagem preventiva que será adotada no evento. Segundo ele, o papel do Juizado é menos repressivo e mais preventivo e deve atuar garantindo aos torcedores que comparecerem ao Maracanã uma experiência segura e tranquila. "Desde que a final foi anunciada, começamos um planejamento robusto focado em prevenção. Providências adicionais foram tomadas para garantir os direitos do cidadão, mas também o bem-estar de todos os torcedores", ressaltou.

São Paulo F.C. não terá de pagar prêmio por título mundial de 2005 a jogador não inscrito no torneio
Créditos: Phonlamai Photo / Shutterstock.com

Para garantir que essa filosofia preventiva seja aplicada de forma eficaz, o TJRJ aumentou o quadro de pessoal para o evento. "Reforçamos o efetivo da nossa equipe que estará de plantão, teremos mais", anunciou.

O Juizado também estabeleceu canais de comunicação com outros órgãos públicos e o Consulado Argentino para alinhar as ações. "Informamos à Conmebol e outras instituições sobre nossa atuação preventiva e nos colocamos à disposição para qualquer eventualidade. O Consulado recebeu bem nossas sugestões", explicou o magistrado.

O Juizado atuará no interior do Maracanã. "Se algo exigir uma ação mais rigorosa, isso será feito, sempre dentro da lei", concluiu o desembargador.

Proibição de venda de bebidas alcoólicas, no entorno do Maracanã

Futebol: Juizado do Torcedor reforça ações de prevenção na final da Taça Libertadores no Maracanã | Juristas
Avenida Rei Pelé nas imediações do Estádio do Maracanã. 04/01/2023 Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil
Local: Rio de Janeiro-RJ

No último dia 23 de outubro, o prefeito do Rio Eduardo Paes, publicou o Decreto Municipal nº 53.416, proibindo o consumo e comercialização de bebidas alcoólicas no entorno do Estádio do Maracanã, na final da Copa Libertadores da América 2023.

O deputado estadual Anderson Moraes, entrou com pedido de medida cautelar por inconstitucionalidade do decreto municipal, no entanto, o desembargador Joaquim Domingos de Almeida Neto, membro do Órgão Especial do TJRJ, indeferiu o pedido na terça-feira (31).

Na decisão, o desembargador relator entendeu não haver indícios para concessão a medida cautelar. “Nesta análise perfunctória, parece-me que o fumus boni iuris não se coloca presente para o deferimento da medida cautelar pleiteada. O reconhecimento da inconstitucionalidade de ato normativo que restringe a venda de bebidas alcoólicas não é conclusão necessária, ao contrário do que faz parecer o representante.”

O magistrado também ressaltou na decisão que o decreto proíbe a comercialização de bebidas alcoólicas apenas em algumas ruas, no entorno do estádio, não abrangendo outros ambientes privados do município e que “O ato combatido é decreto específico, regulando evento excepcional na vida da Cidade.”

Com informações do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro (TJRJ).


Você sabia que o Portal Juristas está no FacebookTwitterInstagramTelegramWhatsAppGoogle News e Linkedin? Siga-nos!

Ricardo Krusty
Ricardo Krusty
Comunicador social com formação em jornalismo e radialismo, pós-graduado em cinema pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

Contrato preliminar não pode ter eficácia maior que o definitivo, define terceira turma do STJ

Para a Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), não é admissível conferir maior eficácia jurídica ao contrato preliminar do que ao definitivo, especialmente quando as partes, neste último, estabelecem obrigações opostas às assumidas anteriormente e contradizem os termos da proposta original.

Repetitivo discute honorários advocatícios em cumprimento de sentença decorrente de mandado de segurança individual

A Primeira Seção do Superior Tribunal de Justiça (STJ), utilizando o rito dos recursos repetitivos (Tema 1.232), está prestes a definir se é viável a fixação de honorários advocatícios na fase de cumprimento de sentença resultante de decisão proferida em mandado de segurança individual, com reflexos patrimoniais.

Pente-fino feito pela AGU em depósitos judiciais com erros cadastrais deve reverter R$ 15 bilhões aos cofres públicos

Um esforço conjunto entre a Advocacia-Geral da União (AGU), a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN), a Secretaria do Tesouro Nacional e a Caixa Econômica Federal está prestes a reverter aproximadamente R$ 15 bilhões aos cofres públicos.

Direito de imagem e inspiração na moda: quais os limites?

Em dezembro de 2023 repercutiu a notícia sobre uma situação em que o cantor Caetano Veloso teria processado judicialmente a Osklen pelo fato de ter sido publicada no Instagram da marca uma fotografia com a imagem do artista tirada em seu show e, no mesmo dia, terem sido publicadas fotos da coleção de verão 2024, intitulada “Brazilian Soul”, a qual declaradamente teria sido inspirada no movimento sociocultural brasileiro chamado “Tropicália”.