E-Título é o segundo documento digital mais utilizado pelos brasileiros, aponta pesquisa

Data:

E-Título é o segundo documento digital mais utilizado pelos brasileiros, aponta pesquisa | Juristas
TSE orienta os eleitores a seguirem certas regras de utilização do e-Título Foto: Divulgação/TSE

Segundo a Pesquisa Panorama Mobile Time/Opinion Box - Senhas e biometria no Brasil, divulgada em novembro do ano passado, o e-Título, a via digital do título de eleitor, aparece como o segundo documento em formato digital (de um app governamental) que os brasileiros mais têm no celular, representando 43% dos usuários. Esse dado posiciona o e-Título logo abaixo da Carteira Nacional de Habilitação (CNH), que lidera com 52% de usuários.

Além disso, segundo o Prêmio iBest 2023, o app da Justiça Eleitoral é classificado como o 7º melhor entre os aplicativos governamentais nacionais, evidenciando sua relevância e utilidade para a população. Atualmente, o e-Título conta com mais de 43,5 milhões de usuários.

Lançado pela Justiça Eleitoral em 2017, o e-Título tem recebido constantes atualizações para oferecer cada vez mais serviços não presenciais aos eleitores. Sua versão mais recente pode ser baixada nas lojas virtuais das plataformas iOS ou Android. Após o download, basta inserir os dados e aproveitar as diversas funcionalidades do aplicativo.

Entre as principais funcionalidades do e-Título, destacam-se:

  • Via digital do título de eleitor: O e-Título disponibiliza a via digital do título de eleitor, dispensando a necessidade de impressão. Além disso, os usuários podem conferir os dados pessoais cadastrados no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), em um ambiente seguro e acessível conforme a necessidade.
  • Arquivo para impressão: Para aqueles que preferem ter o documento em formato físico, o aplicativo gera um arquivo em PDF pronto para ser impresso, sem a inclusão da foto.
  • Biometria: O app indica se o usuário tem a biometria cadastrada, permitindo uma identificação rápida no dia da votação e evitando filas nas seções eleitorais. Mesmo sem a coleta biométrica, o eleitor pode votar normalmente. Já com a conferência biométrica facial, o eleitor pode votar portando somente o e-Título, que apresentará a foto na via digital.
  • Onde votar: Além de mostrar a zona eleitoral e a seção eleitoral do usuário, o aplicativo oferece uma seção exclusiva que mostra, em um mapa, o nome da escola e o local exato para votação no dia das eleições. Ao clicar em "Ver rotas", o caminho será automaticamente traçado por um aplicativo externo de mapas ou viagens.

O e-Título tem se consolidado como uma ferramenta essencial para os eleitores brasileiros, proporcionando maior comodidade e praticidade no acesso aos serviços eleitorais. Com sua ampla aceitação e constante evolução, o aplicativo da Justiça Eleitoral continua a desempenhar um papel significativo na modernização e facilitação do processo eleitoral no Brasil.

Com informações do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).


Você sabia que o Portal Juristas está no FacebookTwitterInstagramTelegramWhatsAppGoogle News e Linkedin? Siga-nos!

Ricardo Krusty
Ricardo Krusty
Comunicador social com formação em jornalismo e radialismo, pós-graduado em cinema pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

Modelo de recurso contra multa por não obedecer à sinalização de trânsito

Modelo para recurso contra multa por não obedecer à...

TJSP invalida venda de empresa por inclusão de crédito do qual não é titular

A 1ª Câmara Reservada de Direito Empresarial do Tribunal de Justiça de São Paulo, em julgamento estendido, declarou a invalidade da venda de uma empresa que incluía no preço final valores de precatórios dos quais não era titular, caracterizando uma operação de crédito a non domino.

Mantida multa de empresa que vendia produtos fora do prazo de validade

A 13ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) confirmou a decisão da Vara de Viradouro, proferida pela juíza Débora Cristina Fernandes Ananias Alves Ferreira, que negou o pedido de anulação de uma multa aplicada pelo Procon a um estabelecimento comercial. O local foi multado em R$ 20,6 mil por vender produtos fora do prazo de validade.

Plano de saúde custeará exame genético para tratamento de síndrome

A 9ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) manteve a decisão da 10ª Vara Cível de Campinas, proferida pelo juiz André Pereira de Souza, que determinou que uma operadora de plano de saúde deve autorizar e custear a avaliação genética com pesquisa etiológica para um beneficiário portador da Síndrome de West.