TSE não fiscaliza nem totaliza votos nas eleições para Conselhos Tutelares

Data:

TSE não fiscaliza nem totaliza votos nas eleições para Conselhos Tutelares | Juristas
Sede do Tribunal Superior Eleitoral - TSE
Foto: Marcello casal JR. / Agência Brasil

Neste domingo (1º), as eleições unificadas para os membros dos conselhos tutelares em todo o Brasil contarão com o uso de urnas eletrônicas pela primeira vez. O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) concedeu suporte por meio do empréstimo dessas urnas, conforme a Resolução TSE nº 23.719/2023. No entanto, a responsabilidade pela totalização dos votos recai integralmente sobre as Comissões Especiais encarregadas de conduzir o processo de seleção dos conselheiros, conforme a resolução do Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente (Conanda) nº 231, de 28 de dezembro de 2022.

As eleições para o Conselho Tutelar são conduzidas pelo Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente, sob a fiscalização do Ministério Público, segundo o artigo 139 do Estatuto da Criança e do Adolescente (Lei nº 8.069/1990). Portanto, não é da competência do TSE fiscalizar a votação nem realizar a totalização dos votos.

candidaturas
Créditos: Thiago Melo | iStock

A resolução do TSE também estabelece que a Justiça Eleitoral prestará apoio às Comissões Especiais mediante solicitação dos municípios. Esse suporte inclui o empréstimo e a configuração das urnas eletrônicas, o treinamento dos mesários, suporte técnico ao processo eletrônico de votação, definição dos locais de votação e fornecimento das listas de eleitores.

Conforme a norma, a escolha dos locais de votação cabe às Comissões Especiais. Após a indicação desses locais aos cartórios eleitorais, estes avaliam a viabilidade técnica e a adequação às especificidades da eleição. Todas as outras atividades relacionadas aos locais de votação, como segurança, fiscalização, abertura e fechamento, são de responsabilidade exclusiva das Comissões Especiais.

O registro das candidaturas também é de responsabilidade das Comissões Especiais, que devem informar à Justiça Eleitoral os dados dos candidatos e candidatas.

Outros pontos importantes da resolução do TSE incluem a não disponibilização de materiais para os locais de votação, a obrigatoriedade da votação das 8h às 17h e o funcionamento em regime de plantão dos cartórios eleitorais na véspera e no dia da eleição.

Com informações do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).


Você sabia que o Portal Juristas está no FacebookTwitterInstagramTelegramWhatsAppGoogle News e Linkedin? Siga-nos!

Ricardo Krusty
Ricardo Krusty
Comunicador social com formação em jornalismo e radialismo, pós-graduado em cinema pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

Idoso com deficiência tem direito a desconto na passagem de acompanhante

Uma decisão judicial da 3ª Vara Cível da comarca de Lages destaca a violação de direitos e condena uma companhia aérea e um site de viagens a pagar indenização por danos materiais e morais.

TJSP mantém condenação de tutor de pitbull que atacou prestador de serviços

A 6ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) decidiu manter a sentença da 5ª Vara Cível de Ribeirão Preto, proferida pela juíza Roberta Luchiari Villela, que condenou o tutor de um pitbull que atacou um prestador de serviços a indenizar a vítima. A reparação por danos materiais foi mantida em R$ 7 mil, e o ressarcimento por danos morais foi elevado para R$ 6 mil.

Contrato preliminar não pode ter eficácia maior que o definitivo, define terceira turma do STJ

Para a Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), não é admissível conferir maior eficácia jurídica ao contrato preliminar do que ao definitivo, especialmente quando as partes, neste último, estabelecem obrigações opostas às assumidas anteriormente e contradizem os termos da proposta original.

Repetitivo discute honorários advocatícios em cumprimento de sentença decorrente de mandado de segurança individual

A Primeira Seção do Superior Tribunal de Justiça (STJ), utilizando o rito dos recursos repetitivos (Tema 1.232), está prestes a definir se é viável a fixação de honorários advocatícios na fase de cumprimento de sentença resultante de decisão proferida em mandado de segurança individual, com reflexos patrimoniais.