TJSP autoriza empresa em recuperação judicial a vender ativos sem autorização de assembleia de credores

Data:

tjsp
Créditos: tupungato | iStock

O Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) publicou um acórdão referente a um agravo de instrumento no qual o Banco Itaú buscava impedir que uma pequena prestadora de serviços agrícolas do interior paulista vendesse parte de seus ativos sem a necessidade de aprovação prévia da assembleia-geral de credores. A 2ª Câmara Reservada de Direito Empresarial considerou legítima e conforme as regras toda a estrutura do plano de recuperação judicial da Delta Florestal.

A forma como certos ativos podem ser vendidos possui regras explícitas que estabelecem limites de valores para tal, conforme consta no Agravo de Instrumento (doc_575459804[1]).

Para o advogado Renato Scardoa, do escritório SDS Advogados, que representou a causa, essa decisão está alinhada com as alterações feitas na lei de recuperação judicial, das quais ele participou. Segundo ele, desburocratizar e agilizar o processo para que pequenas empresas possam gerir e sair de sua recuperação é crucial para que permaneçam produtivas.

TJSP autoriza empresa em recuperação judicial a vender ativos sem autorização de assembleia de credores | Juristas
Renato Scardoa
Advogado especialista em Estruturação de Negócios e Reestruturação de Empresas.

Scardoa ressalta que a possibilidade de venda de ativos de baixo valor dentro do Plano de Recuperação Judicial reduz os custos de transação e proporciona maior segurança aos compradores, resultando em um maior retorno financeiro na venda e, consequentemente, beneficiando diretamente os credores. Ele destaca ainda que os ativos da Delta, essenciais para sua atividade empresarial, muitas vezes se tornam obsoletos ao longo do tempo, necessitando de substituição por equipamentos mais modernos para melhorar o desempenho da empresa e aumentar seu caixa.

"A possibilidade de venda de ativos de baixo valor dentro do Plano de Recuperação Judicial reduz os custos de transação e proporciona maior segurança aos compradores, resultando em um maior retorno financeiro na venda e, portanto, beneficia diretamente os credores. É uma mudança incorporada na reforma da lei e muitas empresas ainda estão em processo de adaptação jurídica", destaca Scardoa.

Com informações da assessoria.


Você sabia que o Portal Juristas está no FacebookTwitterInstagramTelegramWhatsAppGoogle News e Linkedin? Siga-nos!

Ricardo Krusty
Ricardo Krusty
Comunicador social com formação em jornalismo e radialismo, pós-graduado em cinema pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

5ª Edição do International Insolvency Law Conference: um encontro de destaques no campo jurídico internacional

Estão oficialmente abertas as inscrições para a 5ª Edição do International Insolvency Law Conference, um evento imperdível que reunirá profissionais e pesquisadores de destaque no campo da insolvência empresarial. Marcado para os dias 7 e 9 de março, este congresso promete ser um ponto de convergência para diálogos significativos e análises profundas sobre temas cruciais relacionados à recuperação judicial, recuperação extrajudicial e falência, tanto em âmbito nacional quanto internacional.

Dono de imóvel no RN será indenizado por concessionária de energia após danos causados em imóvel após troca de poste

A Companhia Energética do Rio Grande do Norte (Cosern) e uma empresa contratada por esta foram condenadas a indenizar um consumidor em R$ 25 mil por danos materiais causados durante a troca de postes no município de Caicó-RN. A decisão da 2ª Vara da comarca também determinou o pagamento de R$ 10 mil por danos morais ao proprietário do imóvel, com juros e correção monetária, pela concessionária de energia. Além disso, foi autorizado o levantamento de R$ 2.700,00 em aluguéis.

Procon-SP notifica Uber para explicar política de preços

O Procon-SP emitiu uma notificação nesta sexta-feira (23) para o aplicativo de transporte Uber, solicitando explicações sobre sua política de preços, conhecida como tarifa dinâmica. Nesse sistema, o valor das corridas pode variar com base na demanda, o que pode impactar especialmente em dias com problemas no transporte público, como interrupções no metrô.

UFSC não é responsável por furto de veículo em estacionamento público, decide justiça

A Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) não será obrigada a indenizar uma ex-funcionária do Hospital Universitário (HU) pelo furto de seu veículo em um estacionamento do campus aberto ao público. A decisão foi tomada pela 5ª Vara Federal de Blumenau, que considerou que, como o local do furto era de acesso público e gratuito, a universidade não tinha o dever de vigilância.