Brasileiro é condenado a prisão perpétua nos EUA por assassinato de ex-namorada

Data:

Mantida prisão preventiva de Geddel Vieira Lima / Pena
Créditos: chaiyapruek2520 | iStock

O brasileiro Danilo Sousa Cavalcante, 34 anos, foi sentenciado a prisão perpétua nos Estados Unidos (EUA) pelo assassinato de sua ex-namorada, a também brasileira Deborah Brandão. O crime, ocorrido em abril de 2021, chocou a cidade de Phoenixville, no estado da Pensilvânia. A informação é do UOL.

O júri, após uma deliberação que durou menos de 20 minutos, determinou a condenação de Danilo pelo homicídio brutal de Deborah, à época com 34 anos, esfaqueada até a morte. Deborah, natural do Maranhão, cidade de Balsas, residia nos Estados Unidos há cerca de cinco anos com seus dois filhos, frutos de um relacionamento anterior.

Persecução Penal
Créditos: Branislav Cerven/shutterstock.com

O juiz Patrick Carmody não poupou palavras ao referir-se a Danilo como um indivíduo egoísta e de caráter duvidoso, por se recusar a admitir sua culpa e fazer com que a filha de Deborah, hoje com 9 anos, fosse obrigada a testemunhar e "reviver a morte da mãe".

Durante o julgamento, Danilo expressou seu desejo de se desculpar com a família da vítima, mas se absteve de fornecer explicações detalhadas sobre as motivações por trás do crime.

De acordo com Deborah Ryan, a promotora encarregada do caso, o réu tirou a vida da vítima após ela ameaçar denunciá-lo às autoridades por já ter sido acusado de homicídio no Brasil.

"Ele teria sido exposto, e quis silenciá-la. É uma tragédia triste e sem sentido", afirmou.

Relembre o caso

Sarah Brandão, irmã de Deborah, contou ao UOL em 2021 sobre a dinâmica do que ocorreu: "Foi enquanto ela pegava as compras do supermercado no carro dela, com as crianças. Ele pegou ela pelo cabelo e a golpeou no tórax, deixando as crianças verem tudo".

Após o crime, o ex-namorado Danilo Sousa Cavalcante fugiu para o estado da Virgínia, mas foi preso pela polícia local menos de duas horas após o assassinato. Ele segue detido.

Com informações do UOL.


Você sabia que o Portal Juristas está no FacebookTwitterInstagramTelegramWhatsAppGoogle News e Linkedin? Siga-nos

Ricardo Krusty
Ricardo Krusty
Comunicador social com formação em jornalismo e radialismo, pós-graduado em cinema pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

Idoso com deficiência tem direito a desconto na passagem de acompanhante

Uma decisão judicial da 3ª Vara Cível da comarca de Lages destaca a violação de direitos e condena uma companhia aérea e um site de viagens a pagar indenização por danos materiais e morais.

TJSP mantém condenação de tutor de pitbull que atacou prestador de serviços

A 6ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) decidiu manter a sentença da 5ª Vara Cível de Ribeirão Preto, proferida pela juíza Roberta Luchiari Villela, que condenou o tutor de um pitbull que atacou um prestador de serviços a indenizar a vítima. A reparação por danos materiais foi mantida em R$ 7 mil, e o ressarcimento por danos morais foi elevado para R$ 6 mil.

Contrato preliminar não pode ter eficácia maior que o definitivo, define terceira turma do STJ

Para a Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), não é admissível conferir maior eficácia jurídica ao contrato preliminar do que ao definitivo, especialmente quando as partes, neste último, estabelecem obrigações opostas às assumidas anteriormente e contradizem os termos da proposta original.

Repetitivo discute honorários advocatícios em cumprimento de sentença decorrente de mandado de segurança individual

A Primeira Seção do Superior Tribunal de Justiça (STJ), utilizando o rito dos recursos repetitivos (Tema 1.232), está prestes a definir se é viável a fixação de honorários advocatícios na fase de cumprimento de sentença resultante de decisão proferida em mandado de segurança individual, com reflexos patrimoniais.