Dupla é condenada por comercializar abortivos que eram enviados pelos Correios

Data:

Hidroxicloroquina
Imagem meramente ilustrativa - Créditos: BackyardProduction / iStock

A 5ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Santa Catarina manteve uma condenação imposta a dois homens por contrabando e comércio ilegal de medicamentos abortivos. O crime ocorreu na cidade de Massaranduba, região norte do Estado, em 2021. A substância contrabandeada era o Cytotec, um medicamento com propriedades abortivas, cujo princípio ativo é o misoprostol. A sua aquisição e uso são permitidos apenas em estabelecimentos hospitalares. Os medicamentos eram comprados online e enviados pelos correios para cidades de, pelo menos, três estados brasileiros: Santa Catarina, Paraná e Minas Gerais.

danos morais coletivos
Créditos: Kzenon | iStock

O esquema foi descoberto depois que uma das encomendas foi interceptada e analisada pela perícia, que confirmou ser Cytotec. O destinatário do pacote foi contactado para prestar depoimento. Segundo ele, o medicamento custava cerca de R$ 500 e havia orientações fornecidas via WhatsApp sobre como usá-lo, variando de acordo com o tempo de gravidez. O vendedor oferecia suporte até a conclusão do aborto.

Ao rastrear o remetente, a polícia percebeu que ele usava uma identidade falsa para ocultar sua participação no esquema, mas seu envolvimento foi exposto quando usou seu próprio cartão para pagar o envio da encomenda. Durante uma busca em sua residência, foram encontrados e apreendidos mais de 100 comprimidos, uma máquina de cartão, R$ 3.000 em espécie, um celular e um veículo usado para o comércio. Os comprimidos eram vendidos a preços que variavam entre R$ 500,00 e R$ 600,00, dependendo do estágio da gravidez, com diferentes números de cápsulas recomendados.

Dupla é condenada por comercializar abortivos que eram enviados pelos Correios | Juristas
Crédito:rodrigobark / istock

Enquanto a polícia vasculhava o local, o suspeito afirmou que estava apenas cumprindo ordens do seu comparsa, que era o verdadeiro líder do esquema. No entanto, essa mentira foi desmascarada quando as mensagens trocadas entre os dois foram analisadas. Durante a busca na residência do cúmplice, a polícia encontrou uma quantidade significativamente maior do medicamento, algumas cartelas já abertas e cerca de 90% dos comprimidos ainda nas embalagens seladas. Mais de 600 pílulas do medicamento foram apreendidas no local. O comparsa afirmou que o mentor do crime apenas pedia que ele recebesse as encomendas e as guardasse em sua casa. Em troca, tinha suas despesas de moradia pagas e recebia um salário fixo de R$ 150.

As investigações revelaram que os medicamentos eram vendidos a mulheres grávidas com até oito meses de gestação, sem considerar os riscos para a vida das mulheres ou as graves deformidades que poderiam afetar os bebês que sobrevivessem. No Tribunal de Justiça, as penas foram mantidas em quatro anos e oito meses de reclusão e o pagamento de 46 dias-multa para o mentor do esquema, e dois anos e três meses de reclusão e o pagamento de 22 dias-multa para seu cúmplice. Ambas as condenações são em regime fechado devido às circunstâncias negativas do crime e condenações anteriores por outros crimes, incluindo violência doméstica contra a mulher.

Com informações do Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC).


Você sabia que o Portal Juristas está no FacebookTwitterInstagramTelegramWhatsAppGoogle News e Linkedin? Siga-nos!

Ricardo Krusty
Ricardo Krusty
Comunicador social com formação em jornalismo e radialismo, pós-graduado em cinema pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

Idoso com deficiência tem direito a desconto na passagem de acompanhante

Uma decisão judicial da 3ª Vara Cível da comarca de Lages destaca a violação de direitos e condena uma companhia aérea e um site de viagens a pagar indenização por danos materiais e morais.

TJSP mantém condenação de tutor de pitbull que atacou prestador de serviços

A 6ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) decidiu manter a sentença da 5ª Vara Cível de Ribeirão Preto, proferida pela juíza Roberta Luchiari Villela, que condenou o tutor de um pitbull que atacou um prestador de serviços a indenizar a vítima. A reparação por danos materiais foi mantida em R$ 7 mil, e o ressarcimento por danos morais foi elevado para R$ 6 mil.

Contrato preliminar não pode ter eficácia maior que o definitivo, define terceira turma do STJ

Para a Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), não é admissível conferir maior eficácia jurídica ao contrato preliminar do que ao definitivo, especialmente quando as partes, neste último, estabelecem obrigações opostas às assumidas anteriormente e contradizem os termos da proposta original.

Repetitivo discute honorários advocatícios em cumprimento de sentença decorrente de mandado de segurança individual

A Primeira Seção do Superior Tribunal de Justiça (STJ), utilizando o rito dos recursos repetitivos (Tema 1.232), está prestes a definir se é viável a fixação de honorários advocatícios na fase de cumprimento de sentença resultante de decisão proferida em mandado de segurança individual, com reflexos patrimoniais.