Homem indenizará cabeleireira agredida por ele

Data:

 Cachaça - Pinga
Créditos: rodrigobark / iStock

O magistrado Hamilton Gomes Carneiro, da 4ª Vara Cível da comarca de Aparecida de Goiânia, em Goiás, condenou o comerciante Ricardo Cezar Alves Dias a indenizar a cabeleireira Kellen Cristina Conceição Braz, no valor de R$ 103.000,00 (cento e três mil reais), a título de danos morais, materiais e estéticos.

O comerciante agrediu a cabeleireira Kellen Cristina Conceição Braz com inúmeros golpes com uma garrafa de vidro quebrada. Por força desta agressão, a cabeleireira ficou deformada tanto no rosto quanto no pescoço.

Há nos autos processuais, que a mulher, seu cônjuge e o comerciante faziam uso de bebida alcoólica em uma chácara.  Depois de uma rodada de cachaça (pinga), a cabeleireira deixou cair um pouco da bebida na face do comerciante demandado.

cabeleireira
Créditos: megaflopp / iStock

Nesta ocasião, o réu se exaltou e chamou a cabeleireira de "vagabunda", bem como outras palavras de baixo calão.

Também, consta na demanda judicial, que os dois iniciaram uma discussão, ocasião em que o réu segurou uma garrafa de vidro quebrada e passou a desferir vários golpes no rosto e pescoço da mulher.

Por causa desta agressão, a demandante teve de ser encaminhada a um hospital para que fosse submetida a tratamento estético, tendo por fito melhorar sua face que por força da agressão ficou deformado.

Na demanda, a mulher alegou que era totalmente independente, entretanto, que, em decorrência das feridas ocasionadas pela agressão realizada pelo demandado, passou a depender de seu cônjuge e filhos até para se alimentar.

Por isso, a cabeleireira demandou judicialmente o réu com o objetivo de ser reparada pelos danos ocasionados pelo comerciante. O homem, depois de ser citado no processo, apresentou defesa. Momento em que pediu, preliminarmente, pela correção do valor da causa. No mérito, pediu pela improcedência da demanda judicial, tendo em vista que segundo ele, agiu em legítima defesa.

Decisão

Hamilton Gomes Carneiro
Créditos: TJGO

Ao verificar os autos, o juiz de direito Hamilton Gomes Carneiro afirmou que restaram provados, na demanda, o nexo de causalidade entre a conduta do demandado e o dano suportado pela demandante, já que este provocou diversas lesões na cabeleireira.

Destacou que, com as lesões sofridas, a mesma teve despesas com cirurgião plástico, correspondentes a mais de R$ 3.000,00 (três mil reais).

Ademais, o magistrado destacou que o dano moral, também, restou configurado, tendo em vista que o comerciante ofendeu injustamente a autora, ocasionando dor e sofrimento à cabeleireira.

"As lesões sofridas pela parte autora, que se trata de uma mulher que tem como profissão cuidar da beleza, certamente trouxe inúmeros constrangimentos e situações delicadas em seu dia a dia, principalmente, quando verificou as diversas sequelas causadas em seu rosto, deixando-a com marcas e cicatrizes de difícil reparação", citou o magistrado Hamilton Gomes Carneiro.

Para o juiz de direito, a reparação pecuniária do dano moral foi fixada como forma de amenizar os diversos abalos que atingiram a parte autora.

"Para a fixação do valor dos danos morais, verifiquei as balizas jurisprudenciais consistentes na extensão do dano à personalidade da vítima, no grau de culpa do ofensor, na teoria do desestímulo para que o fornecedor não repita o ato ilícito", destacou.

Danos Estéticos

Segundo o juiz, pelas fotografias anexadas aos autos, é cristalino o dano físico e as sequelas provocadas no rosto da demandante, que afetam sua aparência física, produzindo a desfiguração da beleza e da plástica do corpo.

"Em se tratando de uma mulher, o dano é ainda maior, uma vez que esta possui vaidades, não sendo nada agradável ter que suportar pelo resto da vida cicatrizes no rosto, produzidas de forma tão lamentável", frisou o juiz Hamilton Gomes Carneiro ao considerar procedente o dano estético. (Com informações do Tribunal de Justiça de Goiás - TJGO)

Leia a decisão (inteiro teor para download).

Juristas
Juristashttp://juristas.com.br
O Portal Juristas nasceu com o objetivo de integrar uma comunidade jurídica onde os internautas possam compartilhar suas informações, ideias e delegar cada vez mais seu aprendizado em nosso Portal.

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

Modelo de contrato de prestação de serviços de Personal Trainer para Triatetlas

O presente contrato tem por objeto a prestação de serviços de personal trainer especializado em treinamento para triatletas, com o objetivo de melhorar o desempenho do Contratante nas modalidades de natação, ciclismo e corrida.

Empresa de fotos e vídeos condenada por falha em filmagem de casamento

A 13ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) confirmou a decisão da Comarca de Lavras que responsabilizou uma empresa de fotografia e vídeo a pagar R$ 10 mil por danos morais e R$ 1,4 mil por danos materiais a uma noiva, devido a falhas na filmagem de seu casamento.

Homem trans será indenizado por não ter nome social reconhecido em registro bancário

A 18ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) alterou uma decisão inicial e determinou que um banco indenize um homem trans em R$ 10 mil por danos morais devido ao não reconhecimento do seu nome social nos registros bancários.

Justiça condena hospital, plano de saúde e médico a indenizar paciente por erro em cirurgia

A 14ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) confirmou uma decisão da Comarca de Belo Horizonte que responsabiliza um hospital, um médico anestesista e um plano de saúde pelo pagamento de indenizações à uma paciente, totalizando R$ 200 mil, divididos igualmente entre danos morais e estéticos.