Homem recupera R$ 32 mil em ação judicial após ser extorquido por fotos comprometedoras

Data:

Direitos Autorais e Uso de Imagem
Créditos: welcomia / Depositphotos

Uma decisão da 1ª Vara Cível da comarca de Canoinhas, no Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC) determinou que uma mulher acusada de extorquir um homem, recebendo R$ 32 mil em transferências bancárias para não divulgar fotos "comprometedoras", terá que ressarcir o valor ao homem extorquido.

O juízo fundamentou sua decisão na comprovação das movimentações financeiras entre as partes, que ficaram evidentes nos autos do processo. A mulher não contestou as transferências, mas não conseguiu apresentar uma justificativa válida para ser credora desse montante. Diante disso, a devolução do dinheiro foi determinada para evitar qualquer enriquecimento ilícito por parte da acusada.

Homem utiliza computador
Créditos: / iStock

O processo revela que as chantagens tiveram início por meio de troca de mensagens em ambiente virtual, onde a mulher exigia que o homem realizasse transferências para sua conta bancária, sob a ameaça de tornar públicas as fotos comprometedoras. Foram efetuadas cinco transferências, totalizando R$ 32 mil, e os recibos dessas transações foram anexados aos autos, confirmando a movimentação financeira.

O magistrado responsável pela sentença esclareceu que a discussão no processo é exclusivamente de natureza cível, envolvendo o ressarcimento dos danos materiais sofridos pelo autor ao transferir valores sem dever nada à mulher. Quanto aos supostos crimes praticados pela acusada, destacou que esse aspecto deve ser tratado em uma ação penal específica, em uma vara criminal competente.

Com informações do Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC).


Você sabia que o Portal Juristas está no FacebookTwitterInstagramTelegramWhatsAppGoogle News e Linkedin? Siga-nos!

Ricardo Krusty
Ricardo Krusty
Comunicador social com formação em jornalismo e radialismo, pós-graduado em cinema pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

5ª Edição do International Insolvency Law Conference: um encontro de destaques no campo jurídico internacional

Estão oficialmente abertas as inscrições para a 5ª Edição do International Insolvency Law Conference, um evento imperdível que reunirá profissionais e pesquisadores de destaque no campo da insolvência empresarial. Marcado para os dias 7 e 9 de março, este congresso promete ser um ponto de convergência para diálogos significativos e análises profundas sobre temas cruciais relacionados à recuperação judicial, recuperação extrajudicial e falência, tanto em âmbito nacional quanto internacional.

Dono de imóvel no RN será indenizado por concessionária de energia após danos causados em imóvel após troca de poste

A Companhia Energética do Rio Grande do Norte (Cosern) e uma empresa contratada por esta foram condenadas a indenizar um consumidor em R$ 25 mil por danos materiais causados durante a troca de postes no município de Caicó-RN. A decisão da 2ª Vara da comarca também determinou o pagamento de R$ 10 mil por danos morais ao proprietário do imóvel, com juros e correção monetária, pela concessionária de energia. Além disso, foi autorizado o levantamento de R$ 2.700,00 em aluguéis.

Procon-SP notifica Uber para explicar política de preços

O Procon-SP emitiu uma notificação nesta sexta-feira (23) para o aplicativo de transporte Uber, solicitando explicações sobre sua política de preços, conhecida como tarifa dinâmica. Nesse sistema, o valor das corridas pode variar com base na demanda, o que pode impactar especialmente em dias com problemas no transporte público, como interrupções no metrô.

UFSC não é responsável por furto de veículo em estacionamento público, decide justiça

A Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) não será obrigada a indenizar uma ex-funcionária do Hospital Universitário (HU) pelo furto de seu veículo em um estacionamento do campus aberto ao público. A decisão foi tomada pela 5ª Vara Federal de Blumenau, que considerou que, como o local do furto era de acesso público e gratuito, a universidade não tinha o dever de vigilância.