Justiça condena Rede Globo e EPTV a indenizarem mulher por exposição em reportagem

Data:

rede globo de televisão
Créditos: Reprodução | Rede Globo

A Justiça de São Paulo determinou que a Rede Globo e sua afiliada na região de Campinas, a EPTV, indenizem uma mulher em R$ 150 mil por danos morais. A decisão veio após a mulher ter sua imagem exposta pela emissora como responsável pelo controle financeiro de uma quadrilha na cidade de Paulínia, interior paulista, durante uma operação policial em 2018.

A mulher, que foi presa erroneamente e solta logo em seguida, afirmou que a reportagem induziu milhares de pessoas a acreditarem em sua participação na quadrilha. Seu advogado, Gustavo Pereira da Silva, ressaltou que ela é uma pessoa humilde e honesta, sem antecedentes criminais, e que após a veiculação da reportagem, sofreu insultos e discriminação até mesmo por parte de sua própria família.

A defesa argumentou que a reportagem continuou sendo exibida no portal de notícias da emissora, mesmo após a comprovação de que não havia indícios da participação da mulher no esquema criminoso.

Por sua vez, a Globo e a EPTV alegaram que a reportagem foi baseada em informações oficiais e que apenas retratou os fatos, sem emitir juízo de valor. Argumentaram que a discriminação sofrida pela mulher foi decorrente da investigação policial e prisão, e não da reportagem em si.

Contudo, o juiz Lucas Evangelinos considerou que as emissoras violaram o compromisso ético com a informação ao manter o vídeo no portal de notícias sem editar a imagem da mulher, mesmo após a falta de evidências de sua participação no crime. A indenização de R$ 150 mil será acrescida de juros e correção monetária, e o juiz ordenou a edição do vídeo conforme determinado.

As emissoras ainda têm o direito de recorrer da decisão.

Com informações do Portal Metrópoles.


Você sabia que o Portal Juristas está no FacebookTwitterInstagramTelegramWhatsAppGoogle News e Linkedin? Siga-nos!

Notícias, modelos de petição e de documentos, artigos, colunas, entrevistas e muito mais: tenha tudo isso na palma da sua mão, entrando em nossa comunidade gratuita no WhatsApp.

Basta clicar aqui: https://bit.ly/zapjuristas

Ricardo Krusty
Ricardo Krusty
Comunicador social com formação em jornalismo e radialismo, pós-graduado em cinema pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

Modelo de recurso contra multa por não obedecer à sinalização de trânsito

Modelo para recurso contra multa por não obedecer à...

TJSP invalida venda de empresa por inclusão de crédito do qual não é titular

A 1ª Câmara Reservada de Direito Empresarial do Tribunal de Justiça de São Paulo, em julgamento estendido, declarou a invalidade da venda de uma empresa que incluía no preço final valores de precatórios dos quais não era titular, caracterizando uma operação de crédito a non domino.

Mantida multa de empresa que vendia produtos fora do prazo de validade

A 13ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) confirmou a decisão da Vara de Viradouro, proferida pela juíza Débora Cristina Fernandes Ananias Alves Ferreira, que negou o pedido de anulação de uma multa aplicada pelo Procon a um estabelecimento comercial. O local foi multado em R$ 20,6 mil por vender produtos fora do prazo de validade.

Plano de saúde custeará exame genético para tratamento de síndrome

A 9ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) manteve a decisão da 10ª Vara Cível de Campinas, proferida pelo juiz André Pereira de Souza, que determinou que uma operadora de plano de saúde deve autorizar e custear a avaliação genética com pesquisa etiológica para um beneficiário portador da Síndrome de West.