Cantora Joelma tem passaporte bloqueado pela justiça em meio a ação trabalhista

Data:

Show de Sandy e Júnior em Brasília - Ingresso Rápido
Imagem Meramente Ilustrativa - Créditos: nd3000 / iStock.com

A cantora Joelma teve seu passaporte bloqueado pela Justiça em decorrência de uma ação trabalhista na qual a empresa da artista e de seu ex-marido, Ximbinha, foram condenadas a pagar mais de R$ 1 milhão a um ex-empresário da banda Calypso.

O juiz do Trabalho Gustavo Augusto Pires de Oliveira, da 11ª vara de Recife/PE, determinou o bloqueio do passaporte, alegando que Joelma estaria evitando o Poder Judiciário enquanto mantém um alto padrão de vida. Segundo o magistrado, a medida foi necessária após tentativas frustradas de satisfazer o crédito, uma vez que apenas imóveis com várias restrições judiciais foram encontrados.

O juiz destacou que, apesar da situação financeira, Joelma continua a assinar contratos e realizar shows pelo país, utilizando uma empresa de sua filha para ocultar os pagamentos. Para o magistrado, essa conduta demonstra falta de cooperação para quitar a dívida trabalhista, enquanto a cantora mantém um estilo de vida luxuoso.

Justiça suspende Passaporte e Carteira Nacional de Habilitação (CNH) de inadimplente
Créditos: Dan Costa / Shutterstock.com

Ao justificar a decisão, o juiz observou que Joelma é uma artista renomada, com uma agenda de shows no Brasil e no exterior, além de participações em programas de grande audiência na Rede Globo, o que sugere que ela está recebendo quantias expressivas. Diante disso, ele concluiu que há uma clara ocultação de bens por parte da cantora.

Por fim, o magistrado determinou o bloqueio do passaporte, argumentando que o documento não apenas facilita viagens internacionais luxuosas, mas também é um instrumento de trabalho incompatível com a situação de quem não pode pagar uma dívida trabalhista.

Entenda o Caso:

cantor Roberto Carlos
Créditos: Africa Studio / Shutterstock.com

Joelma e seu ex-marido foram condenados em 2018 pelo reconhecimento do vínculo trabalhista de um empresário da Banda Calypso. O homem alegou ter sido contratado como empresário artístico da banda, mas não teve sua carteira de trabalho assinada.

Após avaliar o processo, a juíza do Trabalho Mariana de Carvalho Milet reconheceu o vínculo empregatício, determinando que a empresa de Joelma assinasse a carteira de trabalho do ex-empresário e pagasse uma série de verbas trabalhistas devidas a ele. Além disso, foi ordenado o pagamento de uma indenização por danos morais.

Atualmente, o valor do processo (0000666-53.2015.5.06.0011) ultrapassa R$ 1 milhão.

Com informações do Portal Migalhas.


Você sabia que o Portal Juristas está no FacebookTwitterInstagramTelegramWhatsAppGoogle News e Linkedin? Siga-nos!

Notícias, modelos de petição e de documentos, artigos, colunas, entrevistas e muito mais: tenha tudo isso na palma da sua mão, entrando em nossa comunidade gratuita no WhatsApp.

Basta clicar aqui: https://bit.ly/zapjuristas

Ricardo Krusty
Ricardo Krusty
Comunicador social com formação em jornalismo e radialismo, pós-graduado em cinema pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

Modelo de recurso contra multa por não obedecer à sinalização de trânsito

Modelo para recurso contra multa por não obedecer à...

TJSP invalida venda de empresa por inclusão de crédito do qual não é titular

A 1ª Câmara Reservada de Direito Empresarial do Tribunal de Justiça de São Paulo, em julgamento estendido, declarou a invalidade da venda de uma empresa que incluía no preço final valores de precatórios dos quais não era titular, caracterizando uma operação de crédito a non domino.

Mantida multa de empresa que vendia produtos fora do prazo de validade

A 13ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) confirmou a decisão da Vara de Viradouro, proferida pela juíza Débora Cristina Fernandes Ananias Alves Ferreira, que negou o pedido de anulação de uma multa aplicada pelo Procon a um estabelecimento comercial. O local foi multado em R$ 20,6 mil por vender produtos fora do prazo de validade.

Plano de saúde custeará exame genético para tratamento de síndrome

A 9ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) manteve a decisão da 10ª Vara Cível de Campinas, proferida pelo juiz André Pereira de Souza, que determinou que uma operadora de plano de saúde deve autorizar e custear a avaliação genética com pesquisa etiológica para um beneficiário portador da Síndrome de West.