Justiça determina estrições à Enel e estabelece multas por falta de energia

Data:

Indenização por falta de luz - energia elétrica
Créditos: DmitryPoch / Depositphotos

Por meio de liminar, a Justiça ordenou que a Enel respeite os parâmetros regulatórios nacionais para eventos de suspensão de fornecimento elétrico e tempo de interrupção. A decisão, acatando pedido do Ministério Público do Estado de São Paulo e da Defensoria Pública, visa assegurar adequado atendimento aos consumidores.

A Enel está proibida de exceder os limites estabelecidos pelos reguladores, devendo informar individualmente sobre previsões de restabelecimento de energia, além de divulgar índices de qualidade de serviço em seu site e redes sociais. O descumprimento sujeita a empresa a multas de até R$ 500 milhões.

indenização
Créditos: Shiny Family | iStock

O juiz Fábio de Souza Pimenta concedeu prazo até abril para a Enel se adequar às determinações, exceto pela divulgação de informações no site, que deve ser imediata após a notificação da liminar. A Justiça estabeleceu ainda prazos máximos para atendimento presencial, contato humano nos canais e respostas via aplicativos, buscando melhorar a prestação de serviços à população.

Por meio de nota, a Enel informou que foi comunicada ontem (20) sobre a decisão e adotará as providências cabíveis. "A companhia apresentará sua defesa no prazo legal", afirma a nota.

Com informações da Agência Brasil.


Você sabia que o Portal Juristas está no FacebookTwitterInstagramTelegramWhatsAppGoogle News e Linkedin? Siga-nos!

Ricardo Krusty
Ricardo Krusty
Comunicador social com formação em jornalismo e radialismo, pós-graduado em cinema pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

STF mantém restrição de comunicação entre investigados por tentativa de golpe de Estado

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), reafirmou nesta sexta-feira (16) a decisão que proibiu qualquer comunicação entre os investigados no âmbito da investigação sobre tentativa de golpe de Estado, deflagrada pela Polícia Federal na semana passada. Em resposta à manifestação feita pelo Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Moraes explicou que não houve proibição de comunicação entre advogados ou qualquer restrição ao exercício de suas atividades.

STF rejeita denúncia por peculato contra ex-deputado federal Luiz Sérgio

O Plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) rejeitou, por unanimidade, uma denúncia por peculato apresentada pela Procuradoria-Geral da República (PGR) contra o ex-deputado federal Luiz Sérgio Nóbrega de Oliveira (PT-RJ) e a ex-secretária parlamentar Camila Loures Paschoal. O peculato, que consiste no desvio de bem público por funcionário público em benefício próprio ou de terceiros, não foi comprovado pela acusação, segundo entendimento unânime dos ministros.

Supremo convoca audiência de conciliação em ação sobre acordos de leniência na lava jato

O ministro André Mendonça, do Supremo Tribunal Federal (STF), convocou uma audiência de conciliação para o dia 26 de fevereiro, às 10h, no contexto de uma ação que questiona os termos dos acordos de leniência celebrados entre o Estado e empresas durante a Operação Lava Jato.

Vale é condenada por demitir técnico que se recusou a negociar terreno para ampliação de ferrovia

A Segunda Turma do Tribunal Superior do Trabalho (TST) confirmou uma decisão que condenou a Vale S.A. a pagar uma indenização de R$ 300 mil a um técnico de mineração com 28 anos de serviço. A demissão ocorreu após o profissional se recusar a negociar o uso de um terreno rural que a empresa pretendia utilizar para expandir uma ferrovia. O colegiado considerou a dispensa arbitrária e retaliatória, configurando abuso do poder econômico.