Tribunal da União Europeia entende que FIFA e UEFA não podem proibir Superliga Europeia

Data:

Europa exigirá permissão de brasileiros a partir de 2021
Créditos: Alxey Pnferov | iStock

Nesta quinta-feira (21), o Tribunal de Justiça da União Europeia (TJUE) emitiu uma decisão que impacta significativamente o projeto da Superliga Europeia. O tribunal considerou que os regulamentos, controles e sanções impostos pela FIFA e UEFA em relação à Superliga são contrários à legislação europeia.

O projeto inicial da Superliga Europeia contou com o apoio de 12 clubes, incluindo Arsenal, Chelsea, Liverpool, Manchester City, Manchester United, Tottenham, Atlético de Madri, Barcelona, Real Madrid, Milan, Inter de Milão e Juventus, sendo lançado em 18 de abril de 2021. Liderada por Florentino Perez, do Real Madrid, e Andrea Agnelli, da Juventus, a competição surgiu da insatisfação com a UEFA e o formato da Champions League.

Jogo de Futebol - Copa do Mundo
Créditos: PhonlamaiPhoto / iStock

Diante da oposição das entidades futebolísticas, nove clubes rapidamente se retiraram sob ameaça de sanções, restando apenas Real Madrid, Barcelona e Juventus como apoiadores públicos. A Superliga Europeia buscou proteção judicial contra possíveis sanções da UEFA, obtendo uma liminar de um tribunal espanhol que encaminhou o caso ao Tribunal de Justiça Europeu, em Luxemburgo.

O TJUE afirmou que a organização de torneios e a exploração de direitos de transmissão são atividades econômicas e, portanto, devem cumprir as regras da concorrência e respeitar a liberdade de circulação. A decisão destaca que as regras da FIFA e UEFA, que sujeitam novos projetos de futebol interclubes à aprovação prévia e proíbem clubes e jogadores de participar dessas competições, são consideradas ilegais pelo tribunal.

jogador
Créditos: Snowflock | iStock

Essa decisão vai de encontro a um parecer anterior do Advogado-Geral do Tribunal, emitido em dezembro de 2022, que argumentava que os regulamentos da UEFA e FIFA estavam conforme a legislação da União Europeia. O Tribunal concluiu que ambas as organizações estavam abusando de uma posição dominante em seu controle do mercado do futebol.

Ao UOL, o advogado João Paulo di Carlo, especialista em direito desportivo, disse que essa é uma decisão marcante para o esporte, "O Tribunal de Justiça da UE decide que os regulamentos FIFA e UEFA, controles e sanções são, no caso Superliga, contrários à legislação europeia. Segundo o órgão, a organização de torneios e a exploração dos direitos de transmissão são atividades econômicas. Portanto, devem estar segundo as leis de concorrência, livre circulação de pessoas e capitais e liberdade de prestação de serviços, inclusive em um modelo associativo como o do esporte. Para o Tribunal, FIFA e UEFA abusam de um poder dominante no mercado", afirmou.

"Além disso, ressaltaram que as regras FIFA e UEFA referentes aos direitos de transmissão poderiam estar privando os clubes, as empresas operadoras, os próprios espectadores e consumidores de terem acesso a competições com potencial inovador no mercado. Contudo, destaco que isso não significa que o projeto da Superliga deva ser necessariamente aprovado, uma vez que a Corte foi provocada somente para decidir as regras UEFA e FIFA", acrescenta.

Com informações do UOL.


Você sabia que o Portal Juristas está no FacebookTwitterInstagramTelegramWhatsAppGoogle News e Linkedin? Siga-nos!

Ricardo Krusty
Ricardo Krusty
Comunicador social com formação em jornalismo e radialismo, pós-graduado em cinema pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

5ª Edição do International Insolvency Law Conference: um encontro de destaques no campo jurídico internacional

Estão oficialmente abertas as inscrições para a 5ª Edição do International Insolvency Law Conference, um evento imperdível que reunirá profissionais e pesquisadores de destaque no campo da insolvência empresarial. Marcado para os dias 7 e 9 de março, este congresso promete ser um ponto de convergência para diálogos significativos e análises profundas sobre temas cruciais relacionados à recuperação judicial, recuperação extrajudicial e falência, tanto em âmbito nacional quanto internacional.

Dono de imóvel no RN será indenizado por concessionária de energia após danos causados em imóvel após troca de poste

A Companhia Energética do Rio Grande do Norte (Cosern) e uma empresa contratada por esta foram condenadas a indenizar um consumidor em R$ 25 mil por danos materiais causados durante a troca de postes no município de Caicó-RN. A decisão da 2ª Vara da comarca também determinou o pagamento de R$ 10 mil por danos morais ao proprietário do imóvel, com juros e correção monetária, pela concessionária de energia. Além disso, foi autorizado o levantamento de R$ 2.700,00 em aluguéis.

Procon-SP notifica Uber para explicar política de preços

O Procon-SP emitiu uma notificação nesta sexta-feira (23) para o aplicativo de transporte Uber, solicitando explicações sobre sua política de preços, conhecida como tarifa dinâmica. Nesse sistema, o valor das corridas pode variar com base na demanda, o que pode impactar especialmente em dias com problemas no transporte público, como interrupções no metrô.

UFSC não é responsável por furto de veículo em estacionamento público, decide justiça

A Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) não será obrigada a indenizar uma ex-funcionária do Hospital Universitário (HU) pelo furto de seu veículo em um estacionamento do campus aberto ao público. A decisão foi tomada pela 5ª Vara Federal de Blumenau, que considerou que, como o local do furto era de acesso público e gratuito, a universidade não tinha o dever de vigilância.