Justiça do RN condena italiano a 18 anos anos de prisão por assassinato de compatriota

Data:

Justiça do RN condena italiano a 18 anos anos de prisão por assassinato de compatriota | Juristas
Crédito:gilas / istock

Em sessão presidida pelo juiz José Armando Ponte Júnior, a 2ª Vara Criminal de Natal no Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte (TJRN), condenou o italiano Pietro Ladogana a 18 anos de prisão pelo assassinato do compatriota Enzo Albanese, no dia 2 de maio de 2014, em Natal. O julgamento foi concluído na madrugada do último sábado (28).

O júri entendeu que o acusado foi culpado pela prática do crime de homicídio doloso qualificado pela utilização de recurso que impossibilitou a defesa da vítima.

O juiz José Armando Ponte negou a prerrogativa do réu de recorrer em liberdade. O acusado, que está preso desde 13 de setembro de 2019, deve cumprir a pena no Brasil. O magistrado afirmou ser "imprescindível o encarceramento cautelar do réu para assegurar a ordem pública e garantir a aplicação da lei penal, razões essas que ganham significativo reforço com a presente condenação”.

Segundo a denúncia do Ministério Público Estadual, o réu Pietro Ladogana comandaria um esquema de fraudes imobiliárias perpetradas no litoral norte do Rio Grande do Norte, contando, para tanto, com o apoio de um policial militar, também réu no processo e ainda não julgado, a quem caberia a função de seu guarda-costas, atuando na intimidação daqueles prejudicados pelos golpes, através dos quais os acusados teriam constituído significativo patrimônio.

Ainda segundo a denúncia, a vítima Enzo Albanese atuava no ramo imobiliário como representante dos sócios residentes na Itália em três empresas administradas por Pietro. Em razão disso, Enzo Albanese teria descoberto o mencionado esquema fraudulento e levado tal fato ao conhecimento não só das vítimas por ele representadas, como também às autoridades italianas, o que teria causado insatisfação aos acusados e motivado a premeditação de sua morte.

Assim, na noite do dia 2 de maio de 2014, a mando do réu Pietro Ladogana, o policial militar, em companhia de terceiros ainda não identificados, teriam seguido a vítima até a sua residência, no bairro de Capim Macio, em dois veículos, momento em que, após o aval dos ocupantes do veículo Gol, uma pessoa usando um capacete de cor preta teria descido do veículo Corolla e efetuado disparos de arma de fogo contra Enzo Albanese, que veio a óbito no local.

Com informações do Tribunal de Justiça do Estado do Rio Grande do Norte.


Fique por dentro de tudo que acontece no mundo jurídico no Portal Juristas, siga nas redes sociais: FacebookTwitterInstagram e Linkedin. Participe de nossos grupos no Telegram e WhatsApp. Adquira sua certificação digital e-CPF e e-CNPJ na com a Juristas Certificação Digital, entre em contato conosco por email ou pelo WhatsApp (83) 9 93826000

Ricardo Krusty
Ricardo Krusty
Comunicador social com formação em jornalismo e radialismo, pós-graduado em cinema pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

Modelo de recurso contra multa por não obedecer à sinalização de trânsito

Modelo para recurso contra multa por não obedecer à...

TJSP invalida venda de empresa por inclusão de crédito do qual não é titular

A 1ª Câmara Reservada de Direito Empresarial do Tribunal de Justiça de São Paulo, em julgamento estendido, declarou a invalidade da venda de uma empresa que incluía no preço final valores de precatórios dos quais não era titular, caracterizando uma operação de crédito a non domino.

Mantida multa de empresa que vendia produtos fora do prazo de validade

A 13ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) confirmou a decisão da Vara de Viradouro, proferida pela juíza Débora Cristina Fernandes Ananias Alves Ferreira, que negou o pedido de anulação de uma multa aplicada pelo Procon a um estabelecimento comercial. O local foi multado em R$ 20,6 mil por vender produtos fora do prazo de validade.

Plano de saúde custeará exame genético para tratamento de síndrome

A 9ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) manteve a decisão da 10ª Vara Cível de Campinas, proferida pelo juiz André Pereira de Souza, que determinou que uma operadora de plano de saúde deve autorizar e custear a avaliação genética com pesquisa etiológica para um beneficiário portador da Síndrome de West.