Mulher é detida por engano no RJ após falha no sistema de reconhecimento facial da PM

Data:

falha no sistema de reconhecimento facial da polícia militar
Créditos: pixinoo | iStock

Uma mulher foi confundida pelo sistema de reconhecimento facial da Polícia Militar do Rio de Janeiro e foi detida em Copacabana. As autoridades acreditavam que estavam prendendo uma foragida, acusada de homicídio e ocultação de cadáver.

A Secretaria Estadual de Polícia Militar disse que as câmeras de reconhecimento facial instaladas no local alertaram os policiais e deram positivo para a foragida. Ao abordar a mulher, que estava sem documentos, os policiais a levaram até a 12ª DP, onde foi desfeita a confusão. Os agentes checaram sua identidade e confirmaram que não se tratava da foragida.

Em nota, a corporação disse que "pelo princípio da presunção da inocência e como em qualquer ação policial, reforçamos o compromisso com o total respeito às garantias constitucionais de todos os cidadãos".

mulher detida reconhecimento facial
Créditos: metamorworks | iStock

De acordo com a polícia, as câmeras são capazes de identificar veículos roubados, foragidos da Justiça e torcedores proibidos de frequentar estádios, por meio de integração ao software de dados da Polícia Civil. O programa funciona integrado ao Centro Integrado de Comando e Controle (CICC) da PM, que recebe as imagens em tempo real.

(Com informações do G1)

Juristas
Juristashttp://juristas.com.br
O Portal Juristas nasceu com o objetivo de integrar uma comunidade jurídica onde os internautas possam compartilhar suas informações, ideias e delegar cada vez mais seu aprendizado em nosso Portal.

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

Técnico de laboratório tem recurso negado após não comprovar dano em atendimento crise epilética no trabalho

A Oitava Turma do Tribunal Superior do Trabalho (TST) rejeitou o recurso de um técnico de laboratório da União Educacional do Planalto Central S.A. (Uniceplac), localizada em Santa Maria (DF). O profissional buscava comprovar ter sofrido dano moral devido à forma como foi contido durante uma crise epilética no local de trabalho.

TRF1 nega pedido de remoção de tenente temporária da FAB para acompanhar esposo transferido

A 9ª Turma do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) negou o pedido de uma oficial temporária da Força Aérea Brasileira (FAB) para anular o ato administrativo que indeferiu sua solicitação de remoção para acompanhar seu esposo, oficial de carreira da FAB, transferido de São José do Campos/SP para Brasília/DF.

Supremo confirma prorrogação do prazo de adesão de Minas Gerais ao Regime de Recuperação Fiscal

O Plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) confirmou, por unanimidade, a decisão que estendeu por 120 dias o prazo de adesão do Estado de Minas Gerais ao Regime de Recuperação Fiscal (RRF). A medida referenda a liminar concedida pelo ministro Nunes Marques, que ampliou o período para negociações entre Minas Gerais e a União visando a renegociação de dívidas.

Empresa de telefonia móvel faz cobrança irregular a menor de idade e deve pagar danos morais

A Vara Única da Comarca de Ipanguaçu, pertencente ao Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte (TJRN), determinou que uma empresa de telefonia móvel pague uma indenização por danos morais no valor de R$ 4 mil. A decisão decorre da cobrança de uma conta inexistente a um adolescente.