Negada indenização a site que veiculou desinformação e recebeu selo de conteúdo enganoso em rede social

Data:

Erro médico em Santa Catarina
Créditos: simpson33 / Depositphotos

A alegação de violação à liberdade de expressão foi afastada pela 3ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo.

A decisão do juiz Antonio Carlos de Figueiredo Negreiros, da 7ª Vara Cível Central da Capital, que negou a indenização a um site de notícias que publicou fake news sobre a vacinação contra Covid-19 e recebeu um selo de conteúdo enganoso em rede social, foi mantida nesta terça-feira (14).

O site de notícias veiculou uma reportagem que relacionava 12 mil mortes nos Estados Unidos à vacinação, fato que acabou sendo desmentido por diversos outros meios de comunicação. Diante disso, a rede social aplicou uma regra que prevê o selo em postagens que tragam informações falsas ou enganosas sobre a segurança ou a ciência por trás de vacinas aprovadas ou autorizadas. Segundo a turma julgadora, a rede social não praticou ato ilícito, uma vez que a reportagem veiculada pela requerente foi tendenciosa.

A alegação de violação à liberdade de expressão foi afastada por três razões: o conteúdo não foi excluído, liberdade de expressão e informação não devem ser confundidas com liberdade para espalhar desinformação, especialmente quando se trata de saúde pública, e a apelante deve obedecer às regras de uso da plataforma como usuária.

O relator do acórdão, desembargador Carlos Alberto de Salles, também afirmou que o dever de neutralidade previsto pelo Marco Civil da Internet não pode justificar publicações de notícias falsas, nem afastar a responsabilidade dos provedores de conteúdo em evitar sua difusão. Os desembargadores João Pazine Neto, Viviani Nicolau, Donegá Morandini e Schmitt Corrêa também participaram do julgamento, que decidiu por maioria de votos.

A apelação nº 1017814-33.2022.8.26.0100 foi julgada.

(Com informações do Tribunal de Justiça de São Paulo – TJSP)

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

Modelo de contrato de prestação de serviços de Personal Trainer para Triatetlas

O presente contrato tem por objeto a prestação de serviços de personal trainer especializado em treinamento para triatletas, com o objetivo de melhorar o desempenho do Contratante nas modalidades de natação, ciclismo e corrida.

Empresa de fotos e vídeos condenada por falha em filmagem de casamento

A 13ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) confirmou a decisão da Comarca de Lavras que responsabilizou uma empresa de fotografia e vídeo a pagar R$ 10 mil por danos morais e R$ 1,4 mil por danos materiais a uma noiva, devido a falhas na filmagem de seu casamento.

Homem trans será indenizado por não ter nome social reconhecido em registro bancário

A 18ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) alterou uma decisão inicial e determinou que um banco indenize um homem trans em R$ 10 mil por danos morais devido ao não reconhecimento do seu nome social nos registros bancários.

Justiça condena hospital, plano de saúde e médico a indenizar paciente por erro em cirurgia

A 14ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) confirmou uma decisão da Comarca de Belo Horizonte que responsabiliza um hospital, um médico anestesista e um plano de saúde pelo pagamento de indenizações à uma paciente, totalizando R$ 200 mil, divididos igualmente entre danos morais e estéticos.