Vinculada ao grupo 123 Milhas, Maxmilhas protocola pedido de recuperação judicial

Data:

TJ-SP diz que violação do dever de informação gera responsabilidade à agência de turismo
Créditos: vipman / Shutterstock.com

Nesta quinta-feira (21), a Maxmilhas, empresa vinculada ao Grupo 123 Milhas, entrou com um pedido de recuperação judicial no Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG). O pedido tem o objetivo de garantir o cumprimento dos compromissos assumidos com parceiros, fornecedores e clientes. A empresa divulgou um comunicado à imprensa informando que pretende gerenciar os débitos com total transparência em um único processo judicial.

Criada em 2013, em Belo Horizonte, a empresa que diz já ter possibilitado mais de 12 milhões de viagens, afirmou que, por meio desse processo, poderá acelerar o pagamento de todas as dívidas pendentes e buscar a restauração de seu equilíbrio financeiro e operacional o mais rapidamente possível.

recuperação judicial
Créditos: Ampcool22 | iStock

Na justificativa para o pedido de recuperação judicial, a Maxmilhas citou os impactos no mercado de agências de turismo online decorrentes da reestruturação da 123 Milhas e destacou que embora opere de forma independente, o setor de agências de turismo online tem enfrentado desafios significativos, afetando sua saúde financeira.

Em janeiro deste ano, Maxmilhas e 123milhas anunciaram a fusão das duas empresas, que seguiram atuando de maneira independente. No comunicado, a empresa reiterou que não suspenderá produtos, que as passagens e reservas de hospedagem permanecerão válidas. "A empresa informa ainda que não há nenhuma pendência trabalhista entre os débitos contemplados no pedido de recuperação judicial", disse no comunicado.

"A Maxmilhas reforça que mantém suas atividades e que segue trabalhando com o compromisso de continuar promovendo novas viagens para os seus clientes. A travel tech foi pioneira no mercado de agências online e, em 10 anos de atuação, já viabilizou mais de 12 milhões de viagens no Brasil e no mundo, com segurança e simplicidade, reforçou"

A companhia destacou que, caso haja cancelamentos "unilaterais" por parte de hotéis, operadores do setor hoteleiro e fornecedores de passagens aéreas, "as empresas poderão ser notificadas extrajudicialmente".

Parcelamento de pagamento dos clientes

Em agosto, a Maxmilhas divulgou a intenção de parcelar o pagamento aos clientes que haviam vendido milhas em sua plataforma. A empresa alegou ter sido "surpreendida" por decisões individuais da 123 Milhas. Vale destacar que na Maxmilhas, os clientes tinham a opção de vender suas próprias milhas de companhias aéreas nacionais e internacionais, bem como adquirir passagens com descontos.

Com informações do UOL.


Você sabia que o Portal Juristas está no FacebookTwitterInstagramTelegramWhatsAppGoogle News e Linkedin? Siga-nos!

Ricardo Krusty
Ricardo Krusty
Comunicador social com formação em jornalismo e radialismo, pós-graduado em cinema pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

Idoso com deficiência tem direito a desconto na passagem de acompanhante

Uma decisão judicial da 3ª Vara Cível da comarca de Lages destaca a violação de direitos e condena uma companhia aérea e um site de viagens a pagar indenização por danos materiais e morais.

TJSP mantém condenação de tutor de pitbull que atacou prestador de serviços

A 6ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) decidiu manter a sentença da 5ª Vara Cível de Ribeirão Preto, proferida pela juíza Roberta Luchiari Villela, que condenou o tutor de um pitbull que atacou um prestador de serviços a indenizar a vítima. A reparação por danos materiais foi mantida em R$ 7 mil, e o ressarcimento por danos morais foi elevado para R$ 6 mil.

Contrato preliminar não pode ter eficácia maior que o definitivo, define terceira turma do STJ

Para a Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), não é admissível conferir maior eficácia jurídica ao contrato preliminar do que ao definitivo, especialmente quando as partes, neste último, estabelecem obrigações opostas às assumidas anteriormente e contradizem os termos da proposta original.

Repetitivo discute honorários advocatícios em cumprimento de sentença decorrente de mandado de segurança individual

A Primeira Seção do Superior Tribunal de Justiça (STJ), utilizando o rito dos recursos repetitivos (Tema 1.232), está prestes a definir se é viável a fixação de honorários advocatícios na fase de cumprimento de sentença resultante de decisão proferida em mandado de segurança individual, com reflexos patrimoniais.