LGPD - Empresa de telefonia é 1ª multada no Brasil por violar dados

Data:

Lei Geral de Proteção de Dados - LGPD
Créditos: appleboy / Depositphotos

A primeira multa pelo descumprimento de determinações da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) foi aplicada no Brasil. Foram duas sanções administrativas de R$ 7.200, cada, totalizando R$ 14.400, à Telekall Infoservice, empresa do ramo de telefonia, sediada em Vila Velha (ES).

Na última quinta-feira (6), a decisão inédita da Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD) foi publicada no Diário Oficial da União após finalização de um processo administrativo aberto em março de 2022

A LGPD, que define regras para o uso de dados pessoais no Brasil por empresas e órgãos públicos, entrou em vigor em setembro de 2020.

A empresa de telefonia foi investigada por supostamente comercializar dados pessoais oferecendo uma lista de contatos de WhatsApp de eleitores para disseminar material de campanha eleitoral em 2020, a ANPD observou que o tratamento de dados pessoais pela companhia estava ocorrendo sem respaldo da lei.

Outro ítem investigado foi não possuir profissional encarregado pelo tratamento, uso, processamento, armazenamento de dados pessoas. "Embora seja uma microempresa, a Telekall não comprovou que não fazia tratamento de alto risco, condição necessária para excepcionalizar a exigência de designação do encarregado [pelos dados]", afirmou a Coordenação-Geral de Fiscalização da ANPD, em comunicado, sobre a segunda infração.

Mensageiro WhatsApp - Direito Digital - LGPD
Créditos: dolphfynlow
/ Depositphotos

Ainda foram encontradas as seguintes irregularidades: Não envio de Relatório de Impacto de Proteção de Dados. Não atendimento à requisição da ANPD após a fiscalização ser iniciada. Entre as perguntas não respondidas estavam: Qual a origem dos dados que essa empresa oferece para disparar mensagens de Whatsapp, conforme consta abertamente do site dessa empresa? e Quantos registros possui atualmente em seu banco de dados?

As sanções usaram como base as definições da resolução da ANPD de 24 de fevereiro de 2023. Até então não existia um regulamento específico para guiar a análise da gravidade e cálculo das punições para quem descumprir a LGPD. Elas foram oficializadas após esgotar os recursos da Telekall Infoservice. Na Receita Federal, o CNPJ da empresa consta como "inapto".

Política de Privacidade - LGPD - Dados Pessoais
Créditos: peshkova / Depositphotos

Davis Alves, membro do CNPD (Conselho Nacional de Proteção de Dados) e presidente da ANPPD (Associação Nacional de Profissionais de Proteção de Dados) considera que a multa de R$ 14 mil é proporcional, tendo em vista o porte da empresa, que é pequeno. "Não se pode comparar com uma sanção de uma multinacional", destaca.

Segundo ele a primeira multa demorou a sair. Se for comparar com a Europa, a primeira multa saiu em menos de um ano, enquanto aqui demorou quase três anos. Isso é questionável e nos levanta um alerta: será que a ANPD está com contingente suficiente de pessoas?" conclui.

Com informações de TIL.


Acompanhe as nossas redes sociais: FacebookTwitterInstagram e Linkedin.

Ricardo Krusty
Ricardo Krusty
Comunicador social com formação em jornalismo e radialismo, pós-graduado em cinema pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

Advogado Nelson Wilians recebe condecoração de Cidadão Mato-Grossense nesta terça (20)

O advogado Nelson Wilians, CEO do maior escritório full service do país, recebe o título de cidadão Mato-Grossense nesta terça-feira (20), em homenagem pelo presidente da Assembleia Legislativa do Estado do Mato Grosso (ALMT), Deputado Eduardo Botelho, e pela Deputada Janaina Riva, em reconhecimento aos 25 anos de seu empreendimento na cidade.

Idoso com deficiência tem direito a desconto na passagem de acompanhante

Uma decisão judicial da 3ª Vara Cível da comarca de Lages destaca a violação de direitos e condena uma companhia aérea e um site de viagens a pagar indenização por danos materiais e morais.

TJSP mantém condenação de tutor de pitbull que atacou prestador de serviços

A 6ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) decidiu manter a sentença da 5ª Vara Cível de Ribeirão Preto, proferida pela juíza Roberta Luchiari Villela, que condenou o tutor de um pitbull que atacou um prestador de serviços a indenizar a vítima. A reparação por danos materiais foi mantida em R$ 7 mil, e o ressarcimento por danos morais foi elevado para R$ 6 mil.

Contrato preliminar não pode ter eficácia maior que o definitivo, define terceira turma do STJ

Para a Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), não é admissível conferir maior eficácia jurídica ao contrato preliminar do que ao definitivo, especialmente quando as partes, neste último, estabelecem obrigações opostas às assumidas anteriormente e contradizem os termos da proposta original.