TRE-RJ cassa diploma de deputado estadual por abuso de poder religioso em rádio

Data:

entrevista em rádio
Créditos: Davizro | iStock

O Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro (TRE-RJ) cassou, em sessão plenária realizada na última quinta-feira (1º), o diploma do deputado estadual Fábio Francisco da Silva, filiado ao União Brasil. O parlamentar foi condenado por abuso de poder religioso com repercussão econômica nas eleições de 2022, em uma decisão unânime. Como resultado, Fábio Silva fica inelegível até 2030. A decisão, no entanto, ainda pode ser objeto de recurso junto ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

A Corte Eleitoral entendeu que Fábio Silva promoveu sua candidatura na condição de apresentador, diretor e sócio da Rádio Melodia (FM 97,5), uma emissora evangélica. Na rádio, foram divulgados festivais de música em igrejas, contando com a participação de cantores famosos do meio. O relator do processo, desembargador Henrique Carlos Figueira, equiparou esses eventos a "showmícios".

Pastores evangélicos
Créditos: Dekdoyjaidee | iStock

Conforme o magistrado, o então deputado estadual e candidato à reeleição esteve presente no púlpito da igreja em pelo menos dois eventos do "Culto da Melodia", realizados em setembro de 2022 em Campo Grande (zona oeste da capital fluminense) e em Itaguaí (Região Metropolitana do Rio). Nessas ocasiões, teria ocorrido discurso político e distribuição de material de campanha, com alcance de 1,5 milhão de seguidores nas redes sociais.

"Com o desvirtuamento de santuário e apropriação como espaço privado de autoridade e influência eleitoral, ficou tipificado o abuso de poder, tendo em vista a elevada repercussão dos fatos, a alta expressividade econômica dos eventos e o prejuízo da igualdade e oportunidade dos candidatos e da normalidade e legitimidade do certame eleitoral", afirmou o relator em seu voto.

Lei municipal que autorizava concessão de rádio comunitária é inconstitucional
Créditos: Arman Fazlic | iStock

Além disso, foi alegado que o deputado divulgou notícias falsas sobre um suposto projeto de lei na Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro para proibir "a pregação do evangelho". Para o relator, essa atuação causou desequilíbrio na disputa eleitoral.

"A jurisprudência do TSE está consolidada no sentido de que a prática do abuso de poder de autoridade religiosa, conquanto não disciplinada legalmente, pode ser sancionada quando as circunstâncias do caso concreto permitam o enquadramento da conduta em alguma das formas positivadas de abuso", ressaltou o magistrado.

Até o momento, a reportagem da Agência Brasil não obteve resposta da assessoria de Fábio da Silva.

Com informações da Agência Brasil.


Você sabia que o Portal Juristas está no FacebookTwitterInstagramTelegramWhatsAppGoogle News e Linkedin? Siga-nos!

Ricardo Krusty
Ricardo Krusty
Comunicador social com formação em jornalismo e radialismo, pós-graduado em cinema pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

A Influência da Identidade Visual na Força da Marca

A Influência da Identidade Visual na Força da Marca Definição...

Marcas Notoriamente Conhecidas: Proteção e Exemplos no Brasil

No mundo dos negócios, algumas marcas alcançam um nível de reconhecimento tão alto que se tornam notoriamente conhecidas. Essas marcas gozam de uma proteção especial, mesmo que não estejam registradas em todas as classes de produtos ou serviços. Este artigo aborda o conceito de marcas notoriamente conhecidas, a proteção legal conferida a elas no Brasil e exemplos de marcas que se enquadram nessa categoria.

Modelo de recurso contra multa por não obedecer à sinalização de trânsito

Modelo para recurso contra multa por não obedecer à...

TJSP invalida venda de empresa por inclusão de crédito do qual não é titular

A 1ª Câmara Reservada de Direito Empresarial do Tribunal de Justiça de São Paulo, em julgamento estendido, declarou a invalidade da venda de uma empresa que incluía no preço final valores de precatórios dos quais não era titular, caracterizando uma operação de crédito a non domino.