Tribunais Federais extinguem mais de 50 mil processos de execução fiscal em três meses

Data:

Fazenda tem prazo de 5 anos para retomar execução fiscal suspensa por parcelamento não cumprido
Créditos: Sebastian Duda / Shutterstock.com

Entre outubro e dezembro de 2023, mais de 50 mil processos de execução fiscal foram extintos por uma parceria entre o Conselho Nacional de Justiça (CNJ), o Conselho da Justiça Federal (CJF), os Tribunais Regionais Federais (TRFs), a Advocacia-Geral da União (AGU) e a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN). Essa ação faz parte de uma estratégia conjunta para otimizar o fluxo de execuções fiscais e alcançar uma previsão de encerramento de cerca de 350 mil processos até o final de 2024.

A iniciativa, baseada na Portaria Conjunta 7/2023, envolve procedimentos específicos e estratégias para agilizar as execuções fiscais conduzidas pela PGFN. No TRF da 4.ª Região (PR/SC/RS), 30 mil processos foram encerrados, enquanto no TRF-1, abrangendo 13 estados, outros 23 mil foram extintos. No TRF-3, que inclui São Paulo e Mato Grosso do Sul, a expectativa é que 200 mil ações sejam encerradas.

Execução Fiscal / dívida fiscal
Créditos: Chalirmpoj Pimpisarn / iStock

A juíza auxiliar da Presidência do CNJ, Ana Lúcia Aguiar, destaca que a eficiência dessa iniciativa conjunta é possível graças ao tratamento de dados em lote das execuções fiscais, realizado colaborativamente entre CNJ, CJF, TRFs, e PGFN. O fluxo começa com o envio de uma listagem detalhada de execuções fiscais ao PGFN pelo CNJ. Após análise de dados, a PGFN identifica os processos elegíveis para extinção e comunica ao CNJ e ao TRF por meio de peticionamento automatizado nos processos.

Os TRFs, por sua vez, responderam com eficiência às petições automatizadas, permitindo que as sentenças fossem proferidas pelos juízes sem a necessidade de intimação posterior da Fazenda Nacional. A magistrada ressalta que o fim desses processos judiciais possibilita a racionalização e efetividade do trabalho do Judiciário, concentrando esforços nas demandas com maiores chances de recuperação do crédito.

Tribunais Federais extinguem mais de 50 mil processos de execução fiscal em três meses | Juristas
Brasília (DF), 05/10/2023 - Presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Luís Roberto Barroso, no seminário 35 anos da Constituição Federal, no STF. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Essa iniciativa soma-se a outras ações lideradas pela gestão do ministro Luís Roberto Barroso no CNJ para reduzir o número de execuções desnecessárias no Judiciário, priorizando as cobranças de impostos e obrigações fiscais mais relevantes. Além das parcerias em âmbito federal, acordos semelhantes estão sendo firmados com tribunais de Justiça e outros órgãos públicos.

Segundo o Relatório Justiça em Números 2023, o ano de 2022 registrou mais de 27 milhões de execuções fiscais, refletindo um endividamento de aproximadamente R$ 80 milhões. A taxa de congestionamento do Poder Judiciário relacionada a execuções fiscais atingiu 88%, indicando que, a cada 100 processos em andamento, apenas 22 foram encerrados no ano.

Com informações da Conselho Nacional de Justiça (CNJ).


Você sabia que o Portal Juristas está no FacebookTwitterInstagramTelegramWhatsAppGoogle News e Linkedin? Siga-nos!

Ricardo Krusty
Ricardo Krusty
Comunicador social com formação em jornalismo e radialismo, pós-graduado em cinema pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

Modelo de recurso contra multa por não obedecer à sinalização de trânsito

Modelo para recurso contra multa por não obedecer à...

TJSP invalida venda de empresa por inclusão de crédito do qual não é titular

A 1ª Câmara Reservada de Direito Empresarial do Tribunal de Justiça de São Paulo, em julgamento estendido, declarou a invalidade da venda de uma empresa que incluía no preço final valores de precatórios dos quais não era titular, caracterizando uma operação de crédito a non domino.

Mantida multa de empresa que vendia produtos fora do prazo de validade

A 13ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) confirmou a decisão da Vara de Viradouro, proferida pela juíza Débora Cristina Fernandes Ananias Alves Ferreira, que negou o pedido de anulação de uma multa aplicada pelo Procon a um estabelecimento comercial. O local foi multado em R$ 20,6 mil por vender produtos fora do prazo de validade.

Plano de saúde custeará exame genético para tratamento de síndrome

A 9ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) manteve a decisão da 10ª Vara Cível de Campinas, proferida pelo juiz André Pereira de Souza, que determinou que uma operadora de plano de saúde deve autorizar e custear a avaliação genética com pesquisa etiológica para um beneficiário portador da Síndrome de West.