TST anula decisões e manda julgar do zero ações rescisórias de ex-colaborador de corretora de câmbio

Data:

homologação rescisória
Créditos: Billion Photos / shutterstock.com

A 6ª turma do Tribunal Superior do Trabalho (TST) anulou sentenças de primeira e segunda instâncias que haviam condenado uma corretora de câmbio, títulos e valores mobiliários a pagar indenizações rescisórias a um ex-funcionário. O colegiado, seguindo o parecer do desembargador convocado José Pedro de Camargo Rodrigues de Souza, considerou que a empresa teve seu direito de defesa limitado nas fases iniciais do processo. A defesa alega que a controvérsia envolve cerca de R$ 10 milhões.

"O direito ao contraditório e à ampla defesa é princípio fundamental, próprio da ordem processual moderna. Exprime a garantia de que ninguém pode sofrer os efeitos de uma sentença sem ter tido a possibilidade de participar ativamente do processo do qual esta provém, ou seja, sem lhe ter sido proporcionada efetiva atuação na formação da decisão judicial, contrapondo argumentos e apresentando provas."

Com essa determinação, o processo (1000423-21.2016.5.02.0027) retorna à sua fase inicial, dando início novamente à etapa de instrução. Nesta fase, a empresa terá a oportunidade de apresentar evidências orais para contrapor os depoimentos das testemunhas do autor.

A defesa argumentou que houve recusa em permitir a apresentação de evidências orais para contestar o testemunho da parte adversa e que documentos em língua estrangeira, sem tradução juramentada, foram mantidos no processo, embasando a decisão tomada em instância recursal.

modelo de petição
Créditos: Gabriel Ramos | iStock

Dado o caráter predominantemente legal da disputa relacionada à alegada violação do direito de defesa devido à recusa em aceitar evidências orais, o relator considerou que a Súmula 126 do TST não se aplica como única razão para impedir o prosseguimento do recurso de revista. Assim, o agravo interno foi concedido para permitir a análise do agravo de instrumento.

Em relação a este último recurso, o colegiado concordou que a questão apresentava relevância jurídica, justificando o deferimento do agravo de instrumento interposto pelas partes para uma análise mais aprofundada da alegada violação do artigo 5º, inciso LV, da Constituição Federal.

"Igualmente preocupante", diz o acórdão, "a constatação de que a condenação imposta em segunda instância às reclamadas, a título de gratificação complementar extraordinária, fundada em direitos de 'stock option', decorre da avaliação de documentos juntados pelo autor, em língua estrangeira, sem tradução juramentada, cujo pedido de desentranhamento fora indeferido, em primeiro grau, ante a improcedência declarada para o pleito."

Ação Rescisória
Créditos: Niro Design | iStock

Dessa forma, reconheceu-se a existência de prejuízos substanciais para a parte e a ocorrência de cerceamento do direito de defesa, justificando a anulação do processo. O recurso foi, portanto, acolhido.

Com essa determinação, os documentos retornarão à vara do Trabalho de origem, onde o processo será reaberto para permitir a instrução das questões impugnadas e continuar com o julgamento.

A defesa foi conduzida pela equipe de Direito Trabalhista do escritório Tauil & Chequer Advogados, em associação com a Mayer Brown. Os advogados enfatizam que essa decisão estabelece um importante precedente na jurisprudência do sistema judicial trabalhista brasileiro.

Com informações do Portal Migalhas.


Você sabia que o Portal Juristas está no FacebookTwitterInstagramTelegramWhatsAppGoogle News e Linkedin? Siga-nos!

Ricardo Krusty
Ricardo Krusty
Comunicador social com formação em jornalismo e radialismo, pós-graduado em cinema pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

5ª Edição do International Insolvency Law Conference: um encontro de destaques no campo jurídico internacional

Estão oficialmente abertas as inscrições para a 5ª Edição do International Insolvency Law Conference, um evento imperdível que reunirá profissionais e pesquisadores de destaque no campo da insolvência empresarial. Marcado para os dias 7 e 9 de março, este congresso promete ser um ponto de convergência para diálogos significativos e análises profundas sobre temas cruciais relacionados à recuperação judicial, recuperação extrajudicial e falência, tanto em âmbito nacional quanto internacional.

Dono de imóvel no RN será indenizado por concessionária de energia após danos causados em imóvel após troca de poste

A Companhia Energética do Rio Grande do Norte (Cosern) e uma empresa contratada por esta foram condenadas a indenizar um consumidor em R$ 25 mil por danos materiais causados durante a troca de postes no município de Caicó-RN. A decisão da 2ª Vara da comarca também determinou o pagamento de R$ 10 mil por danos morais ao proprietário do imóvel, com juros e correção monetária, pela concessionária de energia. Além disso, foi autorizado o levantamento de R$ 2.700,00 em aluguéis.

Procon-SP notifica Uber para explicar política de preços

O Procon-SP emitiu uma notificação nesta sexta-feira (23) para o aplicativo de transporte Uber, solicitando explicações sobre sua política de preços, conhecida como tarifa dinâmica. Nesse sistema, o valor das corridas pode variar com base na demanda, o que pode impactar especialmente em dias com problemas no transporte público, como interrupções no metrô.

UFSC não é responsável por furto de veículo em estacionamento público, decide justiça

A Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) não será obrigada a indenizar uma ex-funcionária do Hospital Universitário (HU) pelo furto de seu veículo em um estacionamento do campus aberto ao público. A decisão foi tomada pela 5ª Vara Federal de Blumenau, que considerou que, como o local do furto era de acesso público e gratuito, a universidade não tinha o dever de vigilância.