STF valida federalização de crimes com grave violação de direitos humanos

Data:

Direitos Humanos
Créditos: nito100 / iStock

O Supremo Tribunal Federal (STF) proferiu uma decisão relevante que reforça a federalização de crimes envolvendo grave violação de direitos humanos. O julgamento das Ações Diretas de Inconstitucionalidade (ADIs) 3486 e 3493 ocorreu durante uma sessão virtual encerrada em 11 de setembro.

As ADIs foram apresentadas pela Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB) e pela Associação Nacional dos Magistrados Estaduais (Anamages) contra uma disposição acrescentada ao artigo 109 da Constituição Federal pela Emenda Constitucional (EC) 45/2004, conhecida como Reforma do Judiciário. Essa disposição permite que o procurador-geral da República solicite ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) a federalização de casos de grave violação de direitos humanos, transferindo a competência para a Justiça Federal.

STF / Ministro Marco Aurélio / Gilmar Mendes / Ricardo Lewandowski / Nunes Marques /
Sessão solene de posse do novo ministro da Corte, Cristiano Zanin, no Supremo Tribunal Federal (STF). Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

O argumento central por trás dessa medida é garantir o cumprimento de obrigações decorrentes de tratados internacionais de direitos humanos assinados pelo Brasil. O Brasil reconhece a responsabilidade internacional recair sobre a União, não sobre os estados, no que diz respeito a violações graves de direitos humanos. Portanto, a EC 45/2004 busca alinhar a esfera federal com essa responsabilidade.

O ministro Dias Toffoli, relator do caso, destacou que a medida é excepcional e que o procurador-geral da República não tem a liberdade de escolher arbitrariamente os casos a serem submetidos ao STJ. Os requisitos para a federalização estão claramente estabelecidos na Constituição. Além disso, Toffoli enfatizou que a decisão não fere o pacto federativo nem a autonomia dos órgãos judiciários locais, pois o Poder Judiciário, apesar de suas diferenças de organização administrativa, é único e nacional.

A federalização de casos envolvendo grave violação de direitos humanos é um importante instrumento para garantir a imparcialidade e a adequada apuração desses crimes. Evita que casos sensíveis fiquem sob a jurisdição de tribunais estaduais, onde podem ocorrer influências políticas ou pressões locais que comprometam a justiça.

Dias Toffoli
Créditos: Reprodução / TV Justiça

O ministro Toffoli também ressaltou que, até o momento, o STJ julgou dez incidentes de deslocamento de competência e, em cinco deles, determinou a transferência para a Justiça Federal. Um dos casos notáveis foi o assassinato do advogado e vereador pernambucano Manoel Bezerra de Mattos Neto, que sofreu ameaças e atentados devido à sua atuação contra grupos de extermínio.

Outro exemplo mencionado foi a federalização do Caso do Lagosteiro, que envolveu crimes contra a vida cometidos por integrantes de grupos de extermínio no Ceará. Além disso, a decisão se aplicou aos homicídios ocorridos em maio e dezembro de 2006, na Chacina do Parque Bristol, em São Paulo, durante o chamado Maio Sangrento, como represália à rebelião nos presídios paulistas.

A validação da federalização de crimes com grave violação de direitos humanos pelo STF representa um importante avanço na garantia da justiça e no cumprimento das obrigações internacionais do Brasil na área dos direitos humanos. Isso fortalece o compromisso do país em proteger os direitos fundamentais e em assegurar que casos sensíveis sejam tratados de forma imparcial e adequada. A decisão reforça a importância do sistema de justiça na defesa dos direitos humanos no Brasil.

Com informações do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4).


Você sabia que o Portal Juristas está no FacebookTwitterInstagramTelegramWhatsAppGoogle News e Linkedin? Siga-nos!

Ricardo Krusty
Ricardo Krusty
Comunicador social com formação em jornalismo e radialismo, pós-graduado em cinema pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

Idoso com deficiência tem direito a desconto na passagem de acompanhante

Uma decisão judicial da 3ª Vara Cível da comarca de Lages destaca a violação de direitos e condena uma companhia aérea e um site de viagens a pagar indenização por danos materiais e morais.

TJSP mantém condenação de tutor de pitbull que atacou prestador de serviços

A 6ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) decidiu manter a sentença da 5ª Vara Cível de Ribeirão Preto, proferida pela juíza Roberta Luchiari Villela, que condenou o tutor de um pitbull que atacou um prestador de serviços a indenizar a vítima. A reparação por danos materiais foi mantida em R$ 7 mil, e o ressarcimento por danos morais foi elevado para R$ 6 mil.

Contrato preliminar não pode ter eficácia maior que o definitivo, define terceira turma do STJ

Para a Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), não é admissível conferir maior eficácia jurídica ao contrato preliminar do que ao definitivo, especialmente quando as partes, neste último, estabelecem obrigações opostas às assumidas anteriormente e contradizem os termos da proposta original.

Repetitivo discute honorários advocatícios em cumprimento de sentença decorrente de mandado de segurança individual

A Primeira Seção do Superior Tribunal de Justiça (STJ), utilizando o rito dos recursos repetitivos (Tema 1.232), está prestes a definir se é viável a fixação de honorários advocatícios na fase de cumprimento de sentença resultante de decisão proferida em mandado de segurança individual, com reflexos patrimoniais.