Unimed condenada a pagar tratamento quimioterápico para idoso de 79 Anos

Data:

unimed paulistanaA Justiça proferiu uma sentença condenando a Unimed do Estado de São Paulo após recusar o pagamento pelo tratamento quimioterápico de um idoso de 79 anos, diagnosticado com um tumor maligno gastrointestinal metastático.

A urgência do caso se justificava pela agressividade do tumor, que causa grande sofrimento ao paciente. "A empresa fez ouvidos moucos", declarou o advogado Jorge Laham, representante do idoso.

unimed plano de saúde
Créditos: yavdat / iStock

O juiz Sérgio da Costa Leite destacou que a recusa da Unimed não possuía justificativa válida, uma vez que o medicamento prescrito (Folfox associado a Nivolumabe) é aprovado pela Anvisa. O juiz enfatizou a obrigação da seguradora de fornecer os meios necessários para a obtenção da cura.

A Unimed foi condenada a cobrir o tratamento e a indenizar o idoso em R$ 10 mil por danos morais. A recusa gerou transtornos ao paciente, que teve que buscar auxílio judicial para assegurar seu direito. A Unimed ainda possui a opção de recorrer.

plano de saúde
Créditos: sudok1 | iStock

A defesa da empresa alegou que a recusa foi baseada na utilização "off label" do medicamento Nivolumabe, ou seja, fora das indicações homologadas na bula. A Unimed justificou que o câncer metastático do paciente não tem origem determinada, e o uso desse medicamento não é indicado pelo fabricante.

Além disso, a Unimed afirmou que decisões judiciais como essa colocam em risco suas atividades, visto que precisa arcar com custos dissociados do plano contratado. A empresa alega que tal prática inviabiliza sua operação ao estabelecer obrigações desproporcionais.

"É inviável a manutenção de uma operadora que, ao delimitar o valor do plano de saúde, considerou que teria de cobrir '100 tratamentos', e o Judiciário determina que ela cubra '1.000'."

Com informações do UOL.


Você sabia que o Portal Juristas está no FacebookTwitterInstagramTelegramWhatsAppGoogle News e Linkedin? Siga-nos

Ricardo Krusty
Ricardo Krusty
Comunicador social com formação em jornalismo e radialismo, pós-graduado em cinema pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

5ª Edição do International Insolvency Law Conference: um encontro de destaques no campo jurídico internacional

Estão oficialmente abertas as inscrições para a 5ª Edição do International Insolvency Law Conference, um evento imperdível que reunirá profissionais e pesquisadores de destaque no campo da insolvência empresarial. Marcado para os dias 7 e 9 de março, este congresso promete ser um ponto de convergência para diálogos significativos e análises profundas sobre temas cruciais relacionados à recuperação judicial, recuperação extrajudicial e falência, tanto em âmbito nacional quanto internacional.

Dono de imóvel no RN será indenizado por concessionária de energia após danos causados em imóvel após troca de poste

A Companhia Energética do Rio Grande do Norte (Cosern) e uma empresa contratada por esta foram condenadas a indenizar um consumidor em R$ 25 mil por danos materiais causados durante a troca de postes no município de Caicó-RN. A decisão da 2ª Vara da comarca também determinou o pagamento de R$ 10 mil por danos morais ao proprietário do imóvel, com juros e correção monetária, pela concessionária de energia. Além disso, foi autorizado o levantamento de R$ 2.700,00 em aluguéis.

Procon-SP notifica Uber para explicar política de preços

O Procon-SP emitiu uma notificação nesta sexta-feira (23) para o aplicativo de transporte Uber, solicitando explicações sobre sua política de preços, conhecida como tarifa dinâmica. Nesse sistema, o valor das corridas pode variar com base na demanda, o que pode impactar especialmente em dias com problemas no transporte público, como interrupções no metrô.

UFSC não é responsável por furto de veículo em estacionamento público, decide justiça

A Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) não será obrigada a indenizar uma ex-funcionária do Hospital Universitário (HU) pelo furto de seu veículo em um estacionamento do campus aberto ao público. A decisão foi tomada pela 5ª Vara Federal de Blumenau, que considerou que, como o local do furto era de acesso público e gratuito, a universidade não tinha o dever de vigilância.