Pesquisadores de Harvard querem ensinar inteligência artificial a agentes públicos

116
 

Ideia surgiu após testemunho de Zuckerberg, dono do Facebook.

havard
Créditos: Peshkova | iStock

O testemunho de Mark Zuckerberg diante do Congresso dos Estados Unidos fez com que especialistas em tecnologia percebessem o quão mal informado seus interrogadores (no caso, políticos) estavam. Por mais que o Congresso quisesse regulamentar o Facebook, demonstraram não ter ideia de como fazer isso.

Para Dipayan Ghosh, pesquisador da Harvard Kennedy School (HKS), a audiência enfatizou a necessidade de levar os formuladores de políticas dos EUA a conhecer as principais questões tecnológicas – e a IA em particular.

Ele entende que é preciso “informar as pessoas em posições de poder sobre como esses sistemas realmente funcionam, então da próxima vez que eles lançarem um esforço de regulamentação, eles não ficarão mal informados.”

Centro de treinamento

Com o fim informativo, pesquisadores de Harvard pensaram em criar um centro de treinamento tecnológico que ensinará aos políticos e formuladores de políticas dos EUA o potencial e os riscos da inteligência artificial.

Financiado pelo Centro Shorenstein de Mídia, Política e Políticas Públicas da HKS, a iniciativa se concentrará na expansão da bolsa acadêmica e legal em torno da ética e regulamentação da IA.

A medida tenta combater as consequências de uma IA mal implementada, diante dos escândalos tecnológicos relevantes que ocorreram no ano passado. Um deles inclui o uso do aprendizado de máquina para disseminar a desinformação através das mídias sociais e a automação de práticas preconceituosas e discriminatórias por meio do reconhecimento facial e de outros sistemas automatizados.

Apesar de acreditar que o governo tem responsabilidade de comunicar a história para empresas que estão desenvolvendo essas tecnologias, Ghosh diz que ele não possui conhecimento para assumir essa responsabilidade.

A iniciativa sediará um “acampamento” em Washington, DC, em fevereiro próximo, para os membros do Congresso e sua equipe. A ideia é explorar o que significa projetar IA de forma ética e quais medidas regulatórias poderiam ser tomadas para mitigar seus danos e promover seus benefícios. (Com informações do MIT Technology Review.)