Órgão de defesa do consumidor aciona Gol em caso de cobrança por marcação de assento

384
Órgão de defesa do consumidor aciona Gol em caso de cobrança por marcação de assento
Créditos: Juriah Mosin/Shutterstock

Cobrança entrou em vigor no último dia 23 e gerou polêmica entre consumidores

O Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor (DPDC), ligado à Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon) — órgão vinculado ao Ministério da Justiça — reagiu às mudanças promovidas pela Gol linhas áreas, que no último dia 23 anunciou que passará a cobrar por reserva de assento em voos.

As novas regras ensejaram uma discussão sobre o tratamento a ser dispensado a portadores de necessidades especiais em voos com embarque e desembarque realizados em território nacional. Isso porque a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) já possui resolução que prevê atendimento prioritário a essas pessoas em todas as fases do voo. A norma em questão seria conflitante com a cobrança pela reserva de assentos.

Reunião para maiores esclarecimentos

Mais do que observar as condições de serviços ofertados a portadores de necessidades especiais, o DPDC buscará conhecer as motivações da companhia para iniciar este tipo de cobrança ainda não praticado por nenhuma outra companhia área em operação no Brasil.

O entendimento inicial do órgão é de que se trata de uma cobrança dispensável sob a ótica do consumidor, uma vez que já existe uma excessiva taxação por outros serviços oferecidos. Para maiores esclarecimentos, representantes da Gol e do DPDC se reunirão nos próximos dias.

Posicionamento da Anac

A Anac afirmou que não existe ilegalidade alguma a cerca da nova cobrança estabelecida pela Gol linhas áreas. Segundo a agência, nunca houve nenhuma norma que vedasse a imposição de custos pela reserva de assentos em voos.

“Trata-se de um serviço acessório que nunca foi regulado pela Anac ou por qualquer outra autoridade de aviação civil brasileira. Em todo o mundo, as empresas têm liberdade para implementar o serviço de acordo com a política comercial de cada uma.”

O impasse assemelha-se a discussão que se estabeleceu após ao início das cobranças por bagagem em voos em setembro de 2017. Na ocasião, o Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor chegou a abrir investigação contra a Gol. Investigação essa que ainda está em andamento.

Fonte: Agência Brasil

DEIXE UMA RESPOSTA