Grandes investidores ingressam no Direito com as legaltechs

126

Conheça os motivos dos investimentos em Legaltechs.

investidores
Créditos: the-lightwriter | iStock

Alguns dos empreendedores mais famosos, inclusive o bilionário Mark Cuban, estão investindo em soluções tecnológicas para o Direito, ou melhor, legaltechs. Seja para automatizar tarefas, combater multas por estacionamento ou dar aos consumidores um melhor acesso à justiça, as legaltechs estão perto de atingir US$ 1 bilhão em financiamento, valor muito acima dos US$ 233 milhões atingidos em 2017.

O motivo dos investimentos

Esse novo patamar de fluxo de caixa vem acompanhado do crescimento de um perfil de empresários muito particular.

O proprietário do Mavericks e o investidor do Shark Tank, Cuban, acabou de fazer um investimento em uma empresa de acesso à tecnologia da justiça . O Paladin, que agiliza o gerenciamento pro bono, firmou recentemente uma parceria com a Dentons, a maior firma de advocacia do mundo em número de funcionários. A intenção é ajudar os usuários a descobrir oportunidades gratuitas sem ter que procurá-los por conta própria.

A necessidade de tecnologia para ajudar a resolver problemas jurídicos foi destacada em um relatório que descobriu que 86% dos civis norte-americanos de baixa renda com problemas jurídicos não conseguem obter reparação legal adequada. Nesse sentido, o investimento de Cuban em Paladin foi projetado para simplificar o gerenciamento pro bono, oferecendo ajuda legal para milhões de pessoas que, de outra forma, não teriam acesso à justiça.

Cuban relatou ter ficado impressionado com a equipe de Paladin, uma vez que “eles estão aplicando uma estrutura de negócios a um problema social importante. Com Paladin, os advogados podem trabalhar em questões pelas quais são apaixonados, e as equipes podem aproveitar pro bono para construir seus negócios. É uma missão importante da qual tenho orgulho de fazer parte”.

Em outro investimento histórico, Justin Kan, co-fundador do serviço de transmissão ao vivo Twitch, arrecadou US $ 65 milhões no início deste ano para sua recém-criada legaltech Atrium. A empresa utiliza uma equipe de advogados, engenheiros e especialistas em operações de negócios para fornecer às empresas amparo legal de uma maneira mais previsível e econômica.

Para Kan, havia uma necessidade de investimento para romper novas fronteiras na obtenção de acordos legais, de forma que a questão fosse solucionada rapidamente.

Empresas jurídicas de inteligência artificial

Em 2017, o número de empresas jurídicas de IA aumentou em 65%. O investimento nessas legaltechs foi tanto em 2018 que o dinheiro se destinou a aumentar suas capacidades e a atender a uma demanda crescente entre profissionais da área jurídica, no sentido de realizar um trabalho jurídico de alto volume e burocrático com mais rapidez e precisão.

Isso atraiu investidores de alto perfil, incluindo o bilionário da tecnologia Mike Lynch, um investidor da Luminance, uma startup que usa tecnologia artificial para ajudar escritórios de advocacia com o complexo processo de due diligence para fusões e aquisições.

Mais conhecida por iniciar a Autonomy, vendida para a Hewlett-Packard em um acordo de US$ 11 bilhões, Lynch disse ao Business Insider que o uso de inteligência artificial na área jurídica “é como ver uma máquina a vapor pela primeira vez, algo que mudará muitas coisas. É o começo de uma nova era. “

Em outro exemplo revolucionário dessa tecnologia, o bot legal “DoNotPay”, de Joshua Browder, obteve US $ 1,1 milhão em financiamento inicial, liderado por uma das empresas de capital de risco mais importantes do mundo, a Andreessen Horowitz.

Originalmente, se iniciou como um site de apelação de multa de estacionamento. Mas esse dinheiro permitiu que a empresa lançasse recentemente um aplicativo para iOS que anuncia que ele pode ser usado para “processar alguém pressionando um botão”. Ele está focado em capacitar indivíduos a processar corporações usando a tecnologia para eliminar a burocracia complexa.

Legaltechs ainda estão atrás de outros setores

Eden Shochat, sócio da Aleph VC, cujo portfólio inclui a gigantesca produtora de livros WeWork, construtora de sites Wix e Lemonade, investiu recentemente na LawGeex, que usa inteligência artificial para acabar com o gargalo de conseguir negócios sendo assinado.

No entanto, ele aponta que as legaltechs ainda têm um longo caminho a percorrer. Ele afirma: “Se você comparar o setor jurídico aos investimentos em tecnologia feitos pelo setor financeiro, você entenderá a grande oportunidade que temos. A receita do JPMorgan em 2017 foi de US $ 94 bilhões e eles gastaram US $ 9,5 bilhões em tecnologia. Isso é mais do que 10% de suas receitas e mais de 10 vezes mais gastos com tecnologia do que a indústria legal”.

Para os empresários, ter o apoio de grandes investidores está enviando um importante sinal para a profissão de que a mudança está a caminho. As legaltechs estão vindo para ficar, bem como os investidores. Kristen Sonday, co-fundadora da Paladin, diz ser grata “por ter encontrado esses investidores incríveis que são apaixonados pela missão de Paladin de aumentar o acesso à justiça”. (Com informações do Entrepreneur)

DEIXE UMA RESPOSTA