Amazon não pagará imposto federal nos EUA

Data:

Por planejamento tributário, é improvável que a gigante Amazon pague o imposto de renda federal Americano referente à 2018, apesar de quase dobrar seus lucros nos EUA para U$11,16 bilhões no mesmo ano. Os dados são baseados nos registros públicos da Amazon junto à Comissão de Valores Mobiliários Americana (SEC).

Amazon não pagará imposto federal nos EUA | Juristas
Créditos: Andrei Stanescu | iStock

Fruto de uma combinação de normas tributárias existentes, o planejamento permitiu que a Amazon, e outras empresas, se enquadrassem em uma alíquota mais baixa do que a padrão do imposto corporativo durante anos. Segundo o Institute on Taxation and Economic Policy (ITEP), 258 empresas listadas na Fortune 500 que relataram lucros em todos os anos entre 2008 e 2015, se enquadraram em uma alíquota de imposto federal média de 21,2%, em um período de oito anos, quando a alíquota efetiva deveria ser de 35% à época.

Em paralelo, 48 empresas se enquadraram em uma alíquota de imposto de menos de 10% nesse período, enquanto 18 não pagavam nenhum imposto de renda federal. Porém, o auge das deduções se deu pelas novas provisões da reforma tributária da administração Trump, que tornou a lei vigente em 2017. Por conta da reforma, o novo código tributário reduziu a alíquota de 35% para 21% e expandiu os incentivos, como a depreciação acelerada, que permite, por exemplo, que as empresas deduzam total e imediatamente o custo de novos equipamentos e maquinário.

Conforme registros da SEC, além dos créditos de imposto a Amazon conseguiu mais de 1 bilhão de dólares em deduções para compensação de empregados e executivos baseada em ações da empresa, chamadas de Vested Shares e Stock Options. Além destas deduções a companhia reduziu 1,4 bilhão de dólares da Amazon com créditos fiscais federais que são incentivos para pesquisa e desenvolvimento que ficam disponíveis para compensação com futuros passivos tributários. A companhia também contabilizou cerca de 627 milhões de dólares em perdas operacionais líquidas, que são perdas de anos anteriores que podem ser usadas para compensar impostos futuros.

Para uma empresa como a Amazon, que investe continuamente em seus negócios construindo novas instalações e comprando equipamentos, as novas deduções de depreciação acelerada são úteis. Incentivos como estes são obviamente bem vistos por investidores e empreendedores, pois possibilitam às empresas investirem mais em suas próprias operações, o que, por sua vez, gera empregos e movimenta a economia.

Do outro lado da corrente ideológica, críticos dizem que corporações americanas nunca pagam nenhum imposto, pois este é sempre repassado, seja para consumidores ou trabalhadores. Por fim, vale destacar que longe da evasão fiscal, que seria uma forma de fraudar ou sonegar tributos, o fato é que um bom planejamento tributário coopera e deve ser feito por quaisquer empresas que operam ou querem operar em território Americano, principalmente após a reforma tributária da gestão Trump.

Autor

 

Rafael Gonçalves de Albuquerque é advogado do BNZ Advogados em Nova York e Conselheiro de Administração certificado pelo IBGC.

Sobre BZN for Startups

Amazon não pagará imposto federal nos EUA | Juristas
Créditos: Reprodução

Fundada há um ano e meio por Arthur Braga Nascimento, a BZN for Startups foi criada para desburocratizar o ecossistema e auxiliar as startups em estágio inicial em relação aos serviços jurídicos. A empresa desenvolveu uma moeda própria por meio de um sistema pré-pago, com valor unitário de R$ 2 e pacote mínimo de R$ 4 mil. Dessa forma, os empreendedores podem investir nos serviços jurídicos que melhor atendem suas necessidades e efetuar o pagamento com as moedas BNZs, podendo parcelar o valor em até 10 vezes. Atualmente, a BNZ for Startups possui mais de 70 clientes de diferentes segmentos, entre eles: Aegro, Jetbov, Nexo, Act10n, Looppi, Confere cartões, Marco Poli, Plug and care, Agronow e Já paguei. Além disso, possui parcerias com aceleradoras como: Idexo, ABStartups, Distrito, Future Education, onde dão mentorias jurídicas gratuitas para startups.

Juristas
Juristashttp://juristas.com.br
O Portal Juristas nasceu com o objetivo de integrar uma comunidade jurídica onde os internautas possam compartilhar suas informações, ideias e delegar cada vez mais seu aprendizado em nosso Portal.

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

A advocacia como atividade não residual

Não raras às vezes o estudante de direito é seduzido na graduação pelo corporativismo (ainda que em forma de brincadeira) que alguns professores empregam em suas cadeiras – leia-se matérias do curso de direito.

Fintechs: regulamentações e desafios jurídicos

As fintechs, empresas que combinam inovações tecnológicas com serviços financeiros, têm ganhado destaque no cenário econômico brasileiro nas últimas décadas. Essas empresas oferecem uma ampla gama de serviços, desde inovações, desenvolvimento de aplicativos e soluções para pagamentos eletrônicos, até gerenciamento de investimentos, transformando o modo como os brasileiros lidam com suas finanças.

O Projeto de poder de um presidente que se diz comunista

Hoje escreverei sobre teoria de poder e aquilo que entendo esteja ocorrendo no Brasil, mas com visão, embora de professor universitário, mais de historiador do que de jurista ou de filósofo. Escreverei sobre o que parece fundamental, de como a história vê a realidade dos fatos.

LGPD: o que todo empresário precisa saber para 2024?

À medida que avançamos em 2024, é fundamental revisitar a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) e sua influência crescente nas operações empresariais no Brasil. Desde sua implementação em 2020, a LGPD tem sido um pilar na proteção de dados pessoais. No entanto, apesar dos esforços regulatórios, o Brasil continua enfrentando um alto volume de vazamentos de dados. De acordo com um relatório global da IBM, o Brasil é um dos países mais afetados por esses incidentes ocupando o quarto lugar em número de vazamento de dados, evidenciando uma lacuna crítica entre a legislação e a prática.