Agente administrativo da Receita Federal condenado por fraude em sistemas do órgão

Data:

Homem utiliza computador
Créditos: / iStock

A Quinta Turma do Tribunal Regional Federal da 5ª Região (TRF5), por unanimidade, rejeitou o recurso de apelação apresentado por um agente administrativo da Receita Federal do Brasil (RFB), mantendo a sentença da 4ª Vara Federal de Pernambuco. O agente, identificado como L.G.L.S, foi condenado a uma pena de cinco anos e dez meses de reclusão, em regime semiaberto, além de multa, por inserir dados falsos e alterar informações nos sistemas da Receita. O crime contra a administração pública está previsto no artigo 313-A do Código Penal.

Segundo a denúncia do Ministério Público Federal (MPF), o servidor, lotado no Centro de Atendimento ao Contribuinte (CAC) de Boa Viagem, em Recife (PE), utilizou o sistema de Cadastro de Pessoa Física (CPF) para conceder mais de um CPF ao mesmo contribuinte. Além disso, alterou datas de nascimento, incluiu informações e documentos, e reativou CPFs suspensos por suspeita de fraude, visando obter vantagens ilícitas dos contribuintes. A acusação apontou 224 casos de fraude, sendo 57 deles considerados como crime continuado.

E-CAC da Receita FederalA defesa de L.G.L.S solicitou inicialmente a nulidade da sentença, argumentando a necessidade de oferecimento de acordo de não persecução penal (ANPP). No mérito, alegou que o réu não agiu com dolo, mas, no máximo, com culpa, destacando a falta de treinamento específico para as funções públicas.

A relatora do processo (0820032-45.2020.4.05.8300), desembargadora federal convocada Danielli Farias Rabelo Leitão Rodrigues, considerou inviável a conversão do processo para viabilizar a oferta do ANPP, já que o pedido foi apresentado apenas nas razões do recurso de apelação.

TRF4 nega liminar para retirar desconto de auxílio-creche de salário de auditores da Receita Federal
Créditos: Romolo Tavani / Shutterstock.com

A magistrada argumentou que o réu não agiu com culpa, mas sim, empregou práticas diversas das disciplinadas pela Receita Federal. Entre essas práticas estão a participação direta na inscrição ou alteração de CPFs, permitir o uso de documentos de identidade semelhantes, alterar datas de nascimento, entre outras.

Para a relatora, a sentença está devidamente fundamentada nas provas apresentadas, e as alegações de que o réu agiu com culpa devido à falta de treinamento específico não se sustentam, já que sua responsabilidade incluía a conferência dos dados apresentados para a devida inserção nos sistemas de CPF da Receita Federal.

Com informações do Superior Tribunal de Justiça (STJ).


Você sabia que o Portal Juristas está no FacebookTwitterInstagramTelegramWhatsAppGoogle News e Linkedin? Siga-nos!

Ricardo Krusty
Ricardo Krusty
Comunicador social com formação em jornalismo e radialismo, pós-graduado em cinema pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

A Influência da Identidade Visual na Força da Marca

A Influência da Identidade Visual na Força da Marca Definição...

Marcas Notoriamente Conhecidas: Proteção e Exemplos no Brasil

No mundo dos negócios, algumas marcas alcançam um nível de reconhecimento tão alto que se tornam notoriamente conhecidas. Essas marcas gozam de uma proteção especial, mesmo que não estejam registradas em todas as classes de produtos ou serviços. Este artigo aborda o conceito de marcas notoriamente conhecidas, a proteção legal conferida a elas no Brasil e exemplos de marcas que se enquadram nessa categoria.

Modelo de recurso contra multa por não obedecer à sinalização de trânsito

Modelo para recurso contra multa por não obedecer à...

TJSP invalida venda de empresa por inclusão de crédito do qual não é titular

A 1ª Câmara Reservada de Direito Empresarial do Tribunal de Justiça de São Paulo, em julgamento estendido, declarou a invalidade da venda de uma empresa que incluía no preço final valores de precatórios dos quais não era titular, caracterizando uma operação de crédito a non domino.