Criança que caiu de brinquedo em parquinho será indenizada em Rio Branco-AC

Data:

Shopping é obrigado a oferecer creche para funcionárias
Créditos: Por Sergey Zaykov / shutterstock.com

A 4ª Vara Cível de Rio Branco, no Acre, determinou que duas empresas sejam solidariamente responsáveis por indenizar uma criança que sofreu um acidente ao cair de um brinquedo dentro de um parquinho. O incidente resultou em uma fratura no braço esquerdo do menino, que precisou usar pinos durante 40 dias. O valor da indenização pelos danos morais foi fixado em R$ 6 mil.

Na sentença, assinada pelo juiz de Direito Marcelo Coelho, titular da unidade, foi destacado que tanto o parque quanto a administradora do centro de compras onde o parquinho está localizado têm responsabilidade pelo ocorrido.

De acordo com relatos da mãe da criança, o acidente ocorreu enquanto seu filho estava em um brinquedo inflável no parque, que não possuía rede de proteção adequada.

O magistrado ressaltou que o centro de compras deveria ter fiscalizado o parquinho, uma vez que se beneficia da presença de clientes que frequentam o local com seus filhos. Da mesma forma, o parque tinha o dever de providenciar a segurança necessária para os usuários.

"Destaco que ambas as empresas que compõem o polo passivo são responsáveis pelo dever de propiciar atividades seguras aos clientes, visto que ambas se beneficiam financeiramente da existência de empreendimento voltado ao lazer de crianças no interior de shopping center, em razão da captação de maior clientela", afirmou o juiz em sua decisão.

A sentença serve como um lembrete da importância da segurança em áreas de lazer, especialmente aquelas frequentadas por crianças, e reforça a responsabilidade das empresas em garantir um ambiente livre de riscos para seus clientes.

Com informações do Tribunal de Justiça do Estado do Acre (TJAC).


Você sabia que o Portal Juristas está no FacebookTwitterInstagramTelegramWhatsAppGoogle News e Linkedin? Siga-nos!

Notícias, modelos de petição e de documentos, artigos, colunas, entrevistas e muito mais: tenha tudo isso na palma da sua mão, entrando em nossa comunidade gratuita no WhatsApp.

Basta clicar aqui: https://bit.ly/zapjuristas

Ricardo Krusty
Ricardo Krusty
Comunicador social com formação em jornalismo e radialismo, pós-graduado em cinema pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

Modelo de recurso contra multa por não obedecer à sinalização de trânsito

Modelo para recurso contra multa por não obedecer à...

TJSP invalida venda de empresa por inclusão de crédito do qual não é titular

A 1ª Câmara Reservada de Direito Empresarial do Tribunal de Justiça de São Paulo, em julgamento estendido, declarou a invalidade da venda de uma empresa que incluía no preço final valores de precatórios dos quais não era titular, caracterizando uma operação de crédito a non domino.

Mantida multa de empresa que vendia produtos fora do prazo de validade

A 13ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) confirmou a decisão da Vara de Viradouro, proferida pela juíza Débora Cristina Fernandes Ananias Alves Ferreira, que negou o pedido de anulação de uma multa aplicada pelo Procon a um estabelecimento comercial. O local foi multado em R$ 20,6 mil por vender produtos fora do prazo de validade.

Plano de saúde custeará exame genético para tratamento de síndrome

A 9ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) manteve a decisão da 10ª Vara Cível de Campinas, proferida pelo juiz André Pereira de Souza, que determinou que uma operadora de plano de saúde deve autorizar e custear a avaliação genética com pesquisa etiológica para um beneficiário portador da Síndrome de West.