Invalidada Lei que regulamentava 'Dark Kitchens' para delivery em São Paulo

Data:

O Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) invalidou a lei, sancionada pela prefeitura em novembro de 2022, que regulamentava o funcionamento das cozinhas industriais conhecidas como 'dark kitchens'. Essas cozinhas, que se popularizaram na capital paulista durante a pandemia de Covid-19, são exclusivas para delivery, sem atendimento presencial.

botijão de gá gás de cozinha
Botijão de gás de cozinha

O modelo tornou-se atrativo para os restaurantes que precisaram fechar os salões devido às restrições de isolamento social. No entanto, segundo o TJSP, a lei foi aprovada sem um estudo técnico e urbanístico sobre o impacto das 'dark kitchens' no entorno e na cidade.

A decisão do tribunal estabelece um prazo de 180 dias para que a Câmara de Vereadores reabra a discussão sobre o tema, desta vez com estudos técnicos adequados. Após esse período, a prefeitura deverá sancionar novamente a lei sobre o funcionamento dessas cozinhas.

Durante os 180 dias, a regra aprovada em 2022 continuará em vigor, apesar da avaliação do TJSP de que ela é inconstitucional. A prefeitura, em nota, informou que já foi notificada da decisão e está analisando as medidas judiciais a serem adotadas. Por sua vez, a Câmara Municipal de São Paulo afirmou que ainda não foi intimada da decisão. "Assim que for, a Procuradoria da Casa vai avaliar quais medidas serão tomadas.”

Lei sancionada e plano de fiscalização

Invalidada Lei que regulamentava 'Dark Kitchens' para delivery em São Paulo | Juristas
Créditos: comzeal | iStock

No dia 30 de novembro de 2022, o prefeito Ricardo Nunes (MDB) sancionou o projeto de lei que havia sido aprovado na Câmara Municipal um dia antes, em 29 de novembro. Na ocasião, o projeto contou com 38 votos a favor, 11 contrários e 1 abstenção, entre os 55 vereadores da cidade.

Quanto ao plano de fiscalização para os estabelecimentos, este foi publicado no Diário Oficial em maio deste ano.

Entre as regras aprovadas estavam a proibição de enquadrar a atividade principal das cozinhas como "baixo risco" e ocupação da área mínima de 12 m², com limite de 10 por galpão, em bairros de zona mista - com casas e comércios. Em regiões industriais, foi definido de que poderiam ter mais de 10 cozinhas.

Com informações do UOL.


Você sabia que o Portal Juristas está no FacebookTwitterInstagramTelegramWhatsAppGoogle News e Linkedin? Siga-nos!

Ricardo Krusty
Ricardo Krusty
Comunicador social com formação em jornalismo e radialismo, pós-graduado em cinema pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

5ª Edição do International Insolvency Law Conference: um encontro de destaques no campo jurídico internacional

Estão oficialmente abertas as inscrições para a 5ª Edição do International Insolvency Law Conference, um evento imperdível que reunirá profissionais e pesquisadores de destaque no campo da insolvência empresarial. Marcado para os dias 7 e 9 de março, este congresso promete ser um ponto de convergência para diálogos significativos e análises profundas sobre temas cruciais relacionados à recuperação judicial, recuperação extrajudicial e falência, tanto em âmbito nacional quanto internacional.

Dono de imóvel no RN será indenizado por concessionária de energia após danos causados em imóvel após troca de poste

A Companhia Energética do Rio Grande do Norte (Cosern) e uma empresa contratada por esta foram condenadas a indenizar um consumidor em R$ 25 mil por danos materiais causados durante a troca de postes no município de Caicó-RN. A decisão da 2ª Vara da comarca também determinou o pagamento de R$ 10 mil por danos morais ao proprietário do imóvel, com juros e correção monetária, pela concessionária de energia. Além disso, foi autorizado o levantamento de R$ 2.700,00 em aluguéis.

Procon-SP notifica Uber para explicar política de preços

O Procon-SP emitiu uma notificação nesta sexta-feira (23) para o aplicativo de transporte Uber, solicitando explicações sobre sua política de preços, conhecida como tarifa dinâmica. Nesse sistema, o valor das corridas pode variar com base na demanda, o que pode impactar especialmente em dias com problemas no transporte público, como interrupções no metrô.

UFSC não é responsável por furto de veículo em estacionamento público, decide justiça

A Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) não será obrigada a indenizar uma ex-funcionária do Hospital Universitário (HU) pelo furto de seu veículo em um estacionamento do campus aberto ao público. A decisão foi tomada pela 5ª Vara Federal de Blumenau, que considerou que, como o local do furto era de acesso público e gratuito, a universidade não tinha o dever de vigilância.