Empresa é condenada a ressarcir INSS por descumprir decisão do TRT

Data:

aposentadoria / inss
Créditos: Joa_Souza | iStock

A 2ª Vara Federal de Curitiba proferiu decisão condenatória contra uma empresa da capital paranaense, determinando que esta ressarça o Instituto Nacional de Seguro Social (INSS) pelos valores despendidos em uma ação trabalhista. A sentença, emitida pelo juiz federal Claudio Roberto da Silva, estabelece que a empresa deve compensar o montante de R$ 12.406,50 ao INSS, corrigido desde a data do pagamento efetuado pelo órgão na referida ação trabalhista, acrescido de juros de mora.

O INSS, autor da ação, relatou que a empresa de Curitiba foi condenada em uma ação trabalhista na 03ª Vara do Trabalho de Canoas (RS). A sentença incluiu a condenação subsidiária ao pagamento das verbas trabalhistas devidas à reclamante em um contrato de prestação de serviços, confirmando-se tal decisão no Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região (TRT4).

No entanto, alegou o INSS, a empresa não efetuou o pagamento do débito, resultando na execução sendo redirecionada ao INSS. Diante disso, argumentou que tem o direito de ser ressarcido pelos prejuízos decorrentes do pagamento das verbas trabalhistas.

O juiz federal Claudio Roberto da Silva fundamentou sua decisão destacando que a base legal da autora (INSS) está vinculada ao direito de regresso. Ele explicou que se trata do direito de uma pessoa recuperar a quantia despendida no cumprimento de uma obrigação que, em princípio, era de responsabilidade direta e principal de outra.

Na sentença, o magistrado ressaltou que a competência para o julgamento do caso é da Justiça Federal, pois não se trata de uma ação de natureza trabalhista. Ele enfatizou que o processo é de natureza cível, de caráter indenizatório, movido por uma autarquia federal contra a suposta pessoa jurídica para reparação regressiva. A decisão considerou que a execução ocorreu exclusivamente contra o INSS, que arcou integralmente com os custos no mencionado processo, tornando a procedência da ação uma medida necessária.

Ao finalizar sua sentença, o juiz federal afirmou que, diante da comprovação de que a execução ocorreu apenas contra o autor (INSS), que suportou integralmente o processo, a procedência da ação é uma medida justa.

Com informações do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região (TRT4).


Você sabia que o Portal Juristas está no FacebookTwitterInstagramTelegramWhatsAppGoogle News e Linkedin? Siga-nos!

Ricardo Krusty
Ricardo Krusty
Comunicador social com formação em jornalismo e radialismo, pós-graduado em cinema pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

A Influência da Identidade Visual na Força da Marca

A Influência da Identidade Visual na Força da Marca Definição...

Marcas Notoriamente Conhecidas: Proteção e Exemplos no Brasil

No mundo dos negócios, algumas marcas alcançam um nível de reconhecimento tão alto que se tornam notoriamente conhecidas. Essas marcas gozam de uma proteção especial, mesmo que não estejam registradas em todas as classes de produtos ou serviços. Este artigo aborda o conceito de marcas notoriamente conhecidas, a proteção legal conferida a elas no Brasil e exemplos de marcas que se enquadram nessa categoria.

Modelo de recurso contra multa por não obedecer à sinalização de trânsito

Modelo para recurso contra multa por não obedecer à...

TJSP invalida venda de empresa por inclusão de crédito do qual não é titular

A 1ª Câmara Reservada de Direito Empresarial do Tribunal de Justiça de São Paulo, em julgamento estendido, declarou a invalidade da venda de uma empresa que incluía no preço final valores de precatórios dos quais não era titular, caracterizando uma operação de crédito a non domino.