Vitória legal: advogado com paralisia cerebral não pagará IR sobre pensão

Data:

Justiça determina custeio de tratamento oncológico em hospital especializado
Créditos: Evlakhov Valeriy / Shutterstock.com

A 7ª Vara Federal do Rio de Janeiro proferiu uma decisão crucial, determinando que a Receita Federal não pode exigir o Imposto de Renda (IR) sobre as pensões alimentícias recebidas por um advogado portador de paralisia cerebral. Além disso, a decisão anula a cobrança desse tributo em todo o processo administrativo.

O advogado, desde seu nascimento, enfrenta a paralisia cerebral, uma condição irreversível e incapacitante. No entanto, a Receita Federal inicialmente se recusou a aplicar o artigo 6º da Lei nº 7.713/1988, que isenta de IR os rendimentos de pessoas físicas com proventos de aposentadoria que tenham alguma moléstia grave. Alegaram que, como o advogado estava trabalhando, os proventos não poderiam ser isentos e deveriam ser tributados.

Plano de Previdência
Créditos: Worawee Meepian / iStock

O juiz Luiz Norton Baptista de Mattos enfatizou que a isenção é devida, independentemente de o autor continuar exercendo sua profissão de advogado, respeitando o objetivo de aliviar os encargos financeiros relacionados ao tratamento médico das pessoas com doenças graves. A vitória foi conduzida pelos advogados Guilherme Rocha e Aída Parreiras, do escritório Raphael Miranda Advogados.

Essa decisão estabelece um importante precedente que pode beneficiar outros profissionais com condições semelhantes, garantindo seus direitos à isenção de Imposto de Renda sobre rendimentos recebidos em pensões alimentícias. Confira a decisão completa: Decisão 7ª Vara Federal do Rio de Janeiro.


Você sabia que o Portal Juristas está no FacebookTwitterInstagramTelegramWhatsAppGoogle News e Linkedin? Siga-nos!

Ricardo Krusty
Ricardo Krusty
Comunicador social com formação em jornalismo e radialismo, pós-graduado em cinema pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

5ª Edição do International Insolvency Law Conference: um encontro de destaques no campo jurídico internacional

Estão oficialmente abertas as inscrições para a 5ª Edição do International Insolvency Law Conference, um evento imperdível que reunirá profissionais e pesquisadores de destaque no campo da insolvência empresarial. Marcado para os dias 7 e 9 de março, este congresso promete ser um ponto de convergência para diálogos significativos e análises profundas sobre temas cruciais relacionados à recuperação judicial, recuperação extrajudicial e falência, tanto em âmbito nacional quanto internacional.

Dono de imóvel no RN será indenizado por concessionária de energia após danos causados em imóvel após troca de poste

A Companhia Energética do Rio Grande do Norte (Cosern) e uma empresa contratada por esta foram condenadas a indenizar um consumidor em R$ 25 mil por danos materiais causados durante a troca de postes no município de Caicó-RN. A decisão da 2ª Vara da comarca também determinou o pagamento de R$ 10 mil por danos morais ao proprietário do imóvel, com juros e correção monetária, pela concessionária de energia. Além disso, foi autorizado o levantamento de R$ 2.700,00 em aluguéis.

Procon-SP notifica Uber para explicar política de preços

O Procon-SP emitiu uma notificação nesta sexta-feira (23) para o aplicativo de transporte Uber, solicitando explicações sobre sua política de preços, conhecida como tarifa dinâmica. Nesse sistema, o valor das corridas pode variar com base na demanda, o que pode impactar especialmente em dias com problemas no transporte público, como interrupções no metrô.

UFSC não é responsável por furto de veículo em estacionamento público, decide justiça

A Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) não será obrigada a indenizar uma ex-funcionária do Hospital Universitário (HU) pelo furto de seu veículo em um estacionamento do campus aberto ao público. A decisão foi tomada pela 5ª Vara Federal de Blumenau, que considerou que, como o local do furto era de acesso público e gratuito, a universidade não tinha o dever de vigilância.