Empresas condenadas a indenizar mulher por uso indevido de imagem em propaganda

Data:

Empresa de turismo é condenada a indenizar fotógrafo por uso indevido de imagem
Créditos: TeroVesalainen/Pixabay

A 2ª Turma Recursal dos Juizados Especiais do Distrito Federal manteve uma decisão que condenou solidariamente a Linha Move Ltda, Smart Indústria e Comércio de Produtos para Reabilitação e Ortopedia Ltda e a Loja do Cadeirante Fabricação e Comércio de Cadeiras de Rodas Ltda a indenizar uma mulher por utilização indevida de sua imagem, fixando a quantia de R$ 9 mil por danos morais.

A autora alega que, em 2018, celebrou um contrato com a Loja do Cadeirante para o uso de sua imagem em campanhas publicitárias por um ano. No entanto, em janeiro de 2023, a empresa Move utilizou sua imagem no Instagram e na fachada do estabelecimento comercial, sem sua autorização. Ao tentar resolver o problema com a Move, foi informada de que a empresa era revendedora da marca Smart e que tinha o direito de divulgar as fotos da fabricante para a comercialização dos produtos.

No recurso (0722898-82.2023.8.07.0003), a empresa Move argumentou que apenas divulga as imagens fornecidas pela fabricante, alegando não dispor do contrato firmado entre as partes e a falta de comprovação do dano moral. A Smart e a Loja do Cadeirante afirmaram que não utilizaram a imagem da autora após 2019, negando benefício pelo uso de sua imagem. Alegaram que a mulher não notificou seu interesse em não ter sua imagem vinculada aos produtos e que o prazo para a utilização das imagens seria indeterminado.

Hotel Urbano é condenado pelo TJPB a indenizar moral e materialmente fotógrafo por uso indevido de imagem
Créditos: Africa Studio / Shutterstock.com

A decisão judicial destacou que o direito à imagem exige autorização adequada e é passível de indenização quando utilizado de maneira ofensiva à honra ou para fins comerciais. Observou que a autora cedeu o uso de sua imagem em 2018 para a divulgação dos produtos fabricados pela Smart e que as imagens foram, de fato, divulgadas pela Move, reconhecido pela própria ré.

O entendimento da turma foi de que a autora comprovou a utilização de sua imagem, após o ano de 2019, ou seja, sem a sua autorização expressa. Dessa forma, “A utilização das imagens da recorrida com fins comerciais, sem sua anuência, além de caracterizar conduta ilícita, acarreta o dever de reparação dos eventuais danos morais suportados pela autora”, concluiu o colegiado.

Com informações do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP).


Você sabia que o Portal Juristas está no FacebookTwitterInstagramTelegramWhatsAppGoogle News e Linkedin? Siga-nos!

Ricardo Krusty
Ricardo Krusty
Comunicador social com formação em jornalismo e radialismo, pós-graduado em cinema pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

STF mantém restrição de comunicação entre investigados por tentativa de golpe de Estado

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), reafirmou nesta sexta-feira (16) a decisão que proibiu qualquer comunicação entre os investigados no âmbito da investigação sobre tentativa de golpe de Estado, deflagrada pela Polícia Federal na semana passada. Em resposta à manifestação feita pelo Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Moraes explicou que não houve proibição de comunicação entre advogados ou qualquer restrição ao exercício de suas atividades.

STF rejeita denúncia por peculato contra ex-deputado federal Luiz Sérgio

O Plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) rejeitou, por unanimidade, uma denúncia por peculato apresentada pela Procuradoria-Geral da República (PGR) contra o ex-deputado federal Luiz Sérgio Nóbrega de Oliveira (PT-RJ) e a ex-secretária parlamentar Camila Loures Paschoal. O peculato, que consiste no desvio de bem público por funcionário público em benefício próprio ou de terceiros, não foi comprovado pela acusação, segundo entendimento unânime dos ministros.

Supremo convoca audiência de conciliação em ação sobre acordos de leniência na lava jato

O ministro André Mendonça, do Supremo Tribunal Federal (STF), convocou uma audiência de conciliação para o dia 26 de fevereiro, às 10h, no contexto de uma ação que questiona os termos dos acordos de leniência celebrados entre o Estado e empresas durante a Operação Lava Jato.

Vale é condenada por demitir técnico que se recusou a negociar terreno para ampliação de ferrovia

A Segunda Turma do Tribunal Superior do Trabalho (TST) confirmou uma decisão que condenou a Vale S.A. a pagar uma indenização de R$ 300 mil a um técnico de mineração com 28 anos de serviço. A demissão ocorreu após o profissional se recusar a negociar o uso de um terreno rural que a empresa pretendia utilizar para expandir uma ferrovia. O colegiado considerou a dispensa arbitrária e retaliatória, configurando abuso do poder econômico.