Justiça manda Eduardo Bolsonaro excluir comentário sobre esposa do presidente da OAB

Data:

Bolsonaro tem 15 dias para se manifestar sobre interpelação da OAB
Créditos: belchonock | iStock

A Justiça do Rio de Janeiro determinou que o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) retire do ar um comentário sobre Daniela Santa Cruz, esposa do Presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Felipe Santa Cruz.

No comentário, o filho do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) alega que Daniela seria beneficiada por uma ação da OAB para liberar recursos da antiga Lei Rouanet. O parlamentar insinuou que Daniela receberia R$ 790 mil, caso a OAB conseguisse a liberação de R$ 1,2 bilhão contingenciado pela Secretaria de Cultura.

Segundo a defesa de Felipe e Daniela, um projeto apresentado pela Santa Produtora Eireli, em nome de Daniela, perdeu o prazo para receber R$ 769 mil pela Lei Rouanet, afastando hipótese de repasse do governo federal.

Em fevereiro deste ano, a defesa de Felipe Santa Cruz entrou com uma ação, no Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ), contra o deputado federal. A decisão saiu nesta quinta-feira, 18. O presidente da OAB e sua esposa cobram R$ 50 mil de indenização por danos morais por conta da postagem, feita no fim de dezembro.

Com informações do UOL.

Ricardo Krusty
Ricardo Krusty
Comunicador social com formação em jornalismo e radialismo, pós-graduado em cinema pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

1 COMENTÁRIO

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

Modelo de contrato de prestação de serviços de Personal Trainer para Triatetlas

O presente contrato tem por objeto a prestação de serviços de personal trainer especializado em treinamento para triatletas, com o objetivo de melhorar o desempenho do Contratante nas modalidades de natação, ciclismo e corrida.

Empresa de fotos e vídeos condenada por falha em filmagem de casamento

A 13ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) confirmou a decisão da Comarca de Lavras que responsabilizou uma empresa de fotografia e vídeo a pagar R$ 10 mil por danos morais e R$ 1,4 mil por danos materiais a uma noiva, devido a falhas na filmagem de seu casamento.

Homem trans será indenizado por não ter nome social reconhecido em registro bancário

A 18ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) alterou uma decisão inicial e determinou que um banco indenize um homem trans em R$ 10 mil por danos morais devido ao não reconhecimento do seu nome social nos registros bancários.

Justiça condena hospital, plano de saúde e médico a indenizar paciente por erro em cirurgia

A 14ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) confirmou uma decisão da Comarca de Belo Horizonte que responsabiliza um hospital, um médico anestesista e um plano de saúde pelo pagamento de indenizações à uma paciente, totalizando R$ 200 mil, divididos igualmente entre danos morais e estéticos.