Lei sancionada por Lula regulamenta serviços de praticagem em portos brasileiros

Data:

michel temer
Créditos: Dolphinphoto | iStock

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva sancionou, sem vetos, a Lei 14.813/24, que estabelece a regulamentação dos serviços de praticagem em portos brasileiros. A prática de praticagem consiste em auxiliar o comandante na condução de embarcações durante manobras consideradas mais perigosas, visando evitar acidentes.

A nova legislação mantém a Marinha como a entidade responsável pela regulação econômica do setor. Segundo a lei, o Comando da Marinha terá a prerrogativa de formar e presidir uma comissão temporária para estabelecer, de forma extraordinária, excepcional e temporária, os valores do serviço de praticagem. Essa tabela de preços terá validade inicial de até 12 meses, podendo ser prorrogada por igual período.

Lei sancionada por Lula regulamenta serviços de praticagem em portos brasileiros | Juristas
Presidente Lula
Brasília-DF _ 23/11/2023
Foto: Valter Campanato/Agência

A comissão, de natureza consultiva e paritária, será composta por representantes da autoridade marítima, entidade prestadora de serviço de praticagem, armador tomador de serviços de praticagem e da Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq). A sua criação será provocada por qualquer uma das partes contratantes (empresa do navio ou entidade dos práticos) quando houver alegação de abuso de poder econômico ou defasagem nos valores.

A lei também introduz outras medidas, como a permissão para que a autoridade marítima conceda, exclusivamente a comandantes brasileiros de navios de bandeira nacional com até 100 metros de comprimento, um certificado de isenção de praticagem. No entanto, para obter essa isenção, o navio deve ter, no mínimo, 2/3 de tripulação brasileira.

suspenso
Créditos: Wissanu01 | iStock

A legislação, originada do Projeto de Lei 757/22 do Poder Executivo, foi aprovada tanto na Câmara dos Deputados quanto no Senado. O relator na Câmara foi o deputado Coronel Meira (PL-PE).

A Lei 14.813/24 representa um marco na regulamentação dos serviços de praticagem, estabelecendo diretrizes importantes para o setor, promovendo segurança nas manobras portuárias e garantindo uma abordagem justa na definição dos preços dos serviços envolvidos.

Com informações da Agência Câmara de Notícias.


Você sabia que o Portal Juristas está no FacebookTwitterInstagramTelegramWhatsAppGoogle News e Linkedin? Siga-nos!

Ricardo Krusty
Ricardo Krusty
Comunicador social com formação em jornalismo e radialismo, pós-graduado em cinema pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

TJSP invalida venda de empresa por inclusão de crédito do qual não é titular

A 1ª Câmara Reservada de Direito Empresarial do Tribunal de Justiça de São Paulo, em julgamento estendido, declarou a invalidade da venda de uma empresa que incluía no preço final valores de precatórios dos quais não era titular, caracterizando uma operação de crédito a non domino.

Mantida multa de empresa que vendia produtos fora do prazo de validade

A 13ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) confirmou a decisão da Vara de Viradouro, proferida pela juíza Débora Cristina Fernandes Ananias Alves Ferreira, que negou o pedido de anulação de uma multa aplicada pelo Procon a um estabelecimento comercial. O local foi multado em R$ 20,6 mil por vender produtos fora do prazo de validade.

Plano de saúde custeará exame genético para tratamento de síndrome

A 9ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) manteve a decisão da 10ª Vara Cível de Campinas, proferida pelo juiz André Pereira de Souza, que determinou que uma operadora de plano de saúde deve autorizar e custear a avaliação genética com pesquisa etiológica para um beneficiário portador da Síndrome de West.

Mantida condenação de mulher por estelionato

A 8ª Câmara de Direito Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo manteve a decisão da 21ª Vara Criminal da Capital, proferida pela juíza Luciane Jabur Mouchaloite Figueiredo, que condenou uma mulher por estelionato. A pena foi fixada em dois anos e seis meses de reclusão em regime semiaberto.