Liminar obtida pela AGU proíbe associação de utilizar sigla e marca semelhantes à ANPD

Data:

Segurança dos dados da web
Créditos: thomaguery / iStock

A Advocacia-Geral da União (AGU) obteve uma decisão liminar na 7ª Vara Federal Cível do Distrito Federal, que impede uma associação privada de utilizar sigla e logomarca semelhantes às da Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD). A ANPD é uma autarquia vinculada ao Ministério da Justiça, responsável por garantir a proteção de dados pessoais e regulamentar a Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD) no Brasil.

A liminar também determina que a entidade privada adote um domínio diferente na internet para evitar confusões com o da ANPD. Além disso, proíbe a associação de promover propaganda referente ao Registro Nacional de Profissionais de Privacidade e à Carteira de Registro Nacional dos Profissionais de Privacidade de Dados (RNPPD), serviços oferecidos por essa entidade.

Dados Pessoais - LGPD
Créditos: lucianmilasan / Depositphotos

A ação legal foi movida pela ANPD e pelo INPI (Instituto Nacional da Propriedade Industrial), ambas representadas pela AGU. O processo é direcionado contra a Associação Nacional dos Profissionais de Privacidade de Dados (ANPPD) e seu presidente, Davis Souza Alves.

Na argumentação, a AGU destaca a necessidade das medidas judiciais para evitar que a ANPPD continue utilizando nome, marca e sigla que possam confundir empresas, profissionais e consumidores, bem como promover propaganda enganosa. A atitude da associação poderia resultar em impactos prejudiciais para a sociedade como um todo.

Saiba o que é LGPD
Créditos: Buffik / Pixabay

A AGU sustenta que a associação privada está imitando a ANPD, uma instituição pública oficial, e criando um Registro Nacional de Profissionais de Privacidade de Dados sem autorização legal. Além disso, a associação se apresenta como homologadora de softwares e cursos relacionados à privacidade, o que pode levar ao erro e confusão das pessoas, insinuando que é uma entidade oficial.

Fernando Moreira, procurador federal e coordenador de Matéria Finalística da Procuradoria-Regional Federal da 1ª Região, enfatiza a importância dessa decisão de urgência para preservar as atribuições da ANPD e deter a disseminação de propaganda enganosa que afeta profissionais e entidades do ramo.

Ausência de reconhecimento oficial

anthony garotinho
Créditos: Chatsimo | iStock

A ANPD emitiu esclarecimentos em seu site oficial, esclarecendo que não há exigência legal de registro perante ela ou associações privadas para profissionais de proteção de dados. Além disso, não há reconhecimento oficial quanto a mecanismos de registro privado desses profissionais.

A entidade pública reforça que a LGPD não requer selos de conformidade ou homologações de software por entidades privadas para cumprir a lei. Tais instrumentos, se oferecidos por associações privadas, não constituem garantia oficial de conformidade com a legislação de proteção de dados pessoais.

Com informações de Security Report.


Você sabia que o Portal Juristas está no FacebookTwitterInstagramTelegramWhatsAppGoogle News e Linkedin? Siga-nos

Ricardo Krusty
Ricardo Krusty
Comunicador social com formação em jornalismo e radialismo, pós-graduado em cinema pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

5ª Edição do International Insolvency Law Conference: um encontro de destaques no campo jurídico internacional

Estão oficialmente abertas as inscrições para a 5ª Edição do International Insolvency Law Conference, um evento imperdível que reunirá profissionais e pesquisadores de destaque no campo da insolvência empresarial. Marcado para os dias 7 e 9 de março, este congresso promete ser um ponto de convergência para diálogos significativos e análises profundas sobre temas cruciais relacionados à recuperação judicial, recuperação extrajudicial e falência, tanto em âmbito nacional quanto internacional.

Dono de imóvel no RN será indenizado por concessionária de energia após danos causados em imóvel após troca de poste

A Companhia Energética do Rio Grande do Norte (Cosern) e uma empresa contratada por esta foram condenadas a indenizar um consumidor em R$ 25 mil por danos materiais causados durante a troca de postes no município de Caicó-RN. A decisão da 2ª Vara da comarca também determinou o pagamento de R$ 10 mil por danos morais ao proprietário do imóvel, com juros e correção monetária, pela concessionária de energia. Além disso, foi autorizado o levantamento de R$ 2.700,00 em aluguéis.

Procon-SP notifica Uber para explicar política de preços

O Procon-SP emitiu uma notificação nesta sexta-feira (23) para o aplicativo de transporte Uber, solicitando explicações sobre sua política de preços, conhecida como tarifa dinâmica. Nesse sistema, o valor das corridas pode variar com base na demanda, o que pode impactar especialmente em dias com problemas no transporte público, como interrupções no metrô.

UFSC não é responsável por furto de veículo em estacionamento público, decide justiça

A Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) não será obrigada a indenizar uma ex-funcionária do Hospital Universitário (HU) pelo furto de seu veículo em um estacionamento do campus aberto ao público. A decisão foi tomada pela 5ª Vara Federal de Blumenau, que considerou que, como o local do furto era de acesso público e gratuito, a universidade não tinha o dever de vigilância.