Mercado Livre não é obrigado a fiscalizar produtos anunciados, diz STJ

Data:

atraso na entrega
Créditos: Tevarak | iStock

A 4ª Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) não aceitou o recurso especial (1.763.517) apresentado por uma instituição de ensino especializada que buscava forçar o Mercado Livre a remover todos os anúncios de materiais didáticos de sua marca.

O entendimento foi de que o conteúdo de terceiro veiculado em site de vendas só pode ser removido se for previamente identificado por meio de URLs ou links, de forma a individualizá-lo e localizá-lo. Não cabendo ao Judiciário obrigar a plataforma a fazer prévia fiscalização sobre a legalidade dos produtos anunciados.

No caso em análise, os anúncios feitos por usuários foram considerados ilegais, uma vez que tais materiais só deveriam ser vendidos pela própria instituição. No entanto, as instâncias ordinárias entenderam que apenas anúncios devidamente identificados pela autora da ação poderiam ser obrigados a serem removidos pela plataforma.

site de vendas
Créditos: Bannasak Krodkeaw | iStock

Essa decisão foi tomada com base no artigo 19, parágrafo 1º, do Marco Civil da Internet (Lei 12.965/2014), que estabelece que a ordem judicial para retirada de conteúdo deve conter informações claras e específicas que permitam a localização inequívoca do material, sob pena de ser considerada nula.

A instituição de ensino argumentou no STJ que, como ela não faz anúncios no Mercado Livre, a remoção de todos os anúncios com seus materiais é uma medida necessária, sem a necessidade de indicar URLs ou links específicos.

O ministro João Otávio de Noronha, relator na 4ª Turma, considerou que o Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) interpretou corretamente a lei, que trata das situações de responsabilidade dos provedores de internet. Segundo essa interpretação, o Mercado Livre, como provedor de aplicação de internet, só pode ser responsabilizado caso descumpra uma ordem judicial específica que identifique de forma clara o conteúdo infrator.

Comércio Eletrônico
Créditos: William_Potter / iStock

"Não se exige, até pela inviabilidade da medida, o controle prévio dos anúncios publicados na plataforma digital", afirmou o relator. Nesse contexto, é ônus da instituição identificar quais anúncios devem especificamente ser derrubados.

A posição do TJSP é a mesma do STJ, o que levou o ministro João Otávio de Noronha a não conhecer do recurso com base em óbices processuais, entre eles a Súmula 83, segundo a qual "não se conhece do recurso especial pela divergência, quando a orientação do tribunal se firmou no mesmo sentido da decisão recorrida".

"Logo, para ser removido o conteúdo de terceiros veiculado em site de vendas enquadrado pelo legislador como provedor de aplicações de internet, é necessário ser previamente identificado, de forma clara e precisa, por meio de URLs ou links, justamente para permitir sua individualização e localização e, consequentemente, a adequada remoção, não sendo viável impor à parte recorrida prévia fiscalização sobre a origem ou a legalidade dos produtos anunciados", concluiu ele.

Com informações do Conjur.


Você sabia que o Portal Juristas está no FacebookTwitterInstagramTelegramWhatsAppGoogle News e Linkedin? Siga-nos!

Ricardo Krusty
Ricardo Krusty
Comunicador social com formação em jornalismo e radialismo, pós-graduado em cinema pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

Idoso com deficiência tem direito a desconto na passagem de acompanhante

Uma decisão judicial da 3ª Vara Cível da comarca de Lages destaca a violação de direitos e condena uma companhia aérea e um site de viagens a pagar indenização por danos materiais e morais.

TJSP mantém condenação de tutor de pitbull que atacou prestador de serviços

A 6ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) decidiu manter a sentença da 5ª Vara Cível de Ribeirão Preto, proferida pela juíza Roberta Luchiari Villela, que condenou o tutor de um pitbull que atacou um prestador de serviços a indenizar a vítima. A reparação por danos materiais foi mantida em R$ 7 mil, e o ressarcimento por danos morais foi elevado para R$ 6 mil.

Contrato preliminar não pode ter eficácia maior que o definitivo, define terceira turma do STJ

Para a Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), não é admissível conferir maior eficácia jurídica ao contrato preliminar do que ao definitivo, especialmente quando as partes, neste último, estabelecem obrigações opostas às assumidas anteriormente e contradizem os termos da proposta original.

Repetitivo discute honorários advocatícios em cumprimento de sentença decorrente de mandado de segurança individual

A Primeira Seção do Superior Tribunal de Justiça (STJ), utilizando o rito dos recursos repetitivos (Tema 1.232), está prestes a definir se é viável a fixação de honorários advocatícios na fase de cumprimento de sentença resultante de decisão proferida em mandado de segurança individual, com reflexos patrimoniais.