Micro e pequenas empresas deverão aderir ao eSocial a partir da segunda quinzena de julho, entenda;

Data:

esocial micro e pequenas empresas
Créditos: Divulgação | Governo Federal

O sistema informatizado da administração pública, o eSocial, será obrigatório para as micro e pequenas empresas a partir da segunda quinzena de julho.

Com isso, os empregadores passarão a comunicar todas as informações relativas aos trabalhadores, como vínculos, contribuições previdenciárias, folha de pagamento, comunicações de acidente de trabalho, aviso prévio, escriturações fiscais e FGTS.

Contudo, essa medida não é obrigatória para os Microempreendedores Individuais (MEI), pois não será necessário apresentar a certificação digital, de acordo com a Resolução CGSN nº 140/2018.

Com o eSocial, o governo pretende simplificar a prestação de informações e reduzir a burocracia para as empresas, pois substituirá o preenchimento e a entrega de formulários e declarações que atualmente são enviadas separadamente para cada órgão.

Em resumo, as empresas terão que enviar periodicamente por meio digital as informações para a plataforma do eSocial. O cronograma de implantação do sistema terá cinco etapas.

A primeira, em julho, é o cadastramento do empregador. Em setembro, na segunda etapa, é feito o registro dos dados dos trabalhadores e seus vínculos com as empresas. Na terceira etapa, em novembro, será obrigatório o envio das folhas de pagamento.

Em janeiro de 2019,quarta etapa, passará a valer a substituição da GFIP – guia de informações à Previdência Social. A quinta etapa também ocorrerá em janeiro e focará nos dados de segurança e saúde do trabalhador.

Para os MEI, o eSocial vai abranger somente aqueles que contratam empregados. Os Microempreendedores Individuais continuarão usando o SIMEI, o sistema de recolhimento de tributos em valores fixos mensais do Simples Nacional, voltado ao MEI para geração da guia de recolhimento relativa à sua atividade empresarial. Aliado a isso, passarão a utilizar o eSocial para o cumprimento de obrigações trabalhistas, fiscais e previdenciárias relativas ao trabalhador empregado. (Com informações do Exame.)

Certificação Digital na Paraíba

Na Paraíba, a Juristas Certificação Digital é a Autoridade de Registro (AR) representante da DigitalSign Brasil, que tem como sócias a DigitalSign Portugal, AET Europe e ThomasGreg, maior emissora de cartões de crédito do Brasil.

Acesse agora o www.arjuristas.com.br e garanta sua certificação digital.

Juristas
Juristashttp://juristas.com.br
O Portal Juristas nasceu com o objetivo de integrar uma comunidade jurídica onde os internautas possam compartilhar suas informações, ideias e delegar cada vez mais seu aprendizado em nosso Portal.

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

Modelo de contrato de prestação de serviços de Personal Trainer para Triatetlas

O presente contrato tem por objeto a prestação de serviços de personal trainer especializado em treinamento para triatletas, com o objetivo de melhorar o desempenho do Contratante nas modalidades de natação, ciclismo e corrida.

Empresa de fotos e vídeos condenada por falha em filmagem de casamento

A 13ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) confirmou a decisão da Comarca de Lavras que responsabilizou uma empresa de fotografia e vídeo a pagar R$ 10 mil por danos morais e R$ 1,4 mil por danos materiais a uma noiva, devido a falhas na filmagem de seu casamento.

Homem trans será indenizado por não ter nome social reconhecido em registro bancário

A 18ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) alterou uma decisão inicial e determinou que um banco indenize um homem trans em R$ 10 mil por danos morais devido ao não reconhecimento do seu nome social nos registros bancários.

Justiça condena hospital, plano de saúde e médico a indenizar paciente por erro em cirurgia

A 14ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) confirmou uma decisão da Comarca de Belo Horizonte que responsabiliza um hospital, um médico anestesista e um plano de saúde pelo pagamento de indenizações à uma paciente, totalizando R$ 200 mil, divididos igualmente entre danos morais e estéticos.