Motorista que acelerou carro com enfermeira pendurada na janela do veículo tem prisão em flagrante convertida em preventiva

Data:

atropelamento
Créditos: Toa55 | iStock

Na audiência de custódia ocorrida em 28 de fevereiro, a juíza Priscilla Macuco Ferreira rejeitou a solicitação de liberdade temporária e transformou a prisão em flagrante de Alan da Silva Nobre em prisão preventiva. Alan foi preso após arrastar a enfermeira Caroline Cattoni Jaccard pela Avenida das Américas, na Barra da Tijuca, na manhã de 26 de fevereiro, após um acidente de trânsito envolvendo os veículos de ambos.

No momento do acidente, por volta das 6 horas da manhã, o marido de Caroline parou em um sinal de trânsito e o carro de Alan atingiu a traseira do veículo. Caroline, que estava no banco do passageiro, foi até o carro de Alan para fotografar a placa e o interior do veículo. Seu celular caiu no carro do acusado e, ao tentar recuperá-lo pela janela, Alan acelerou, arrastando Caroline por cerca de 20 metros.

Durante a audiência, o Ministério Público do Rio defendeu a conversão da prisão em flagrante em prisão preventiva, enquanto a defesa de Alan solicitou a concessão de liberdade provisória. No entanto, a juíza considerou que, com base nas informações apresentadas, nenhuma medida cautelar alternativa seria suficiente para evitar o risco à ordem pública, e converteu a prisão em flagrante em prisão preventiva, conforme o artigo 312 do CPP. O processo tem o número 0820790-61.2023.8.19.0001.

Deixe um comentário

Compartilhe

Inscreva-se

Últimas

Recentes
Veja Mais

Empresa de fotos e vídeos condenada por falha em filmagem de casamento

A 13ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) confirmou a decisão da Comarca de Lavras que responsabilizou uma empresa de fotografia e vídeo a pagar R$ 10 mil por danos morais e R$ 1,4 mil por danos materiais a uma noiva, devido a falhas na filmagem de seu casamento.

Homem trans será indenizado por não ter nome social reconhecido em registro bancário

A 18ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) alterou uma decisão inicial e determinou que um banco indenize um homem trans em R$ 10 mil por danos morais devido ao não reconhecimento do seu nome social nos registros bancários.

Justiça condena hospital, plano de saúde e médico a indenizar paciente por erro em cirurgia

A 14ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) confirmou uma decisão da Comarca de Belo Horizonte que responsabiliza um hospital, um médico anestesista e um plano de saúde pelo pagamento de indenizações à uma paciente, totalizando R$ 200 mil, divididos igualmente entre danos morais e estéticos.

TJ mineiro mantém condenação de motorista que atropelou idoso

A 18ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) confirmou uma decisão da Comarca de Monte Belo, no Sul de Minas, condenando um motorista a pagar R$ 100 mil por danos morais à esposa de um idoso que faleceu em um acidente de trânsito.